A Reconsagração do Falo - parte 1

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

As mulheres possuem um órgão mágico por excelência, o útero. Nós homens temos outro caminho para a magia, temos um caminho que se desenvolve em nós por um trabalho diferente do da mulher, diferente não quer dizer antagônico como tantos quiseram fazer crer. E este caminho foi um pouco perdido na nossa civilização...

O caminho do masculino.

É muito importante, no meu entender, que percebamos que o caminho de um homem e uma mulher seja na Wicca, bruxaria tradicional ou outro caminho similar é marcado pelo despertar, pelo trabalhar e pelo fortalecer da Deusa e do Deus no interior e no exterior, isto é, ao mesmo tempo em que fortalecemos o Deus e a Deusa em nós, fortalecemos também suas manifestações efetivas na realidade circundante.

Quando ritualizamos, quando cuidamos da Terra, quando nos tornamos seres conscientes que recebem e transmitem as energias que nos chegam da Eternidade para a Terra e da Terra para a Eternidade, vamos ampliando a manifestação de aspectos mais plenos e sutis da própria ETERNIDADE.

A Wicca, assim como vários caminhos pagãos, tem uma proposta de resgatar o feminino, a Deusa e isto pode confundir algumas pessoas levando a crer que "dá-se menos importância ao masculino", "prega-se uma superioridade do feminino sobre o masculino".

Talvez algumas pessoas até pensem e ajam assim e isto apenas indica que elas, sejam homens ou mulheres, estão presas ainda ao mesmo paradigma que tentamos superar, o paradigma da luta pela superioridade, pela imposição de uma posição sobre outra. Como uma Margareth Thatcher prova não é ser mulher que torna alguém feminina, nem sensível. O poder exercido por muitas mulheres nas empresas que trabalho me mostra isso claramente, elas seguem os modelos de pais e irmãos e tentam muitas vezes esconder sua própria sensibilidade.

Assim temos que começar a entender que existem energias femininas e masculinas na realidade e nós as temos em nós, independente de nosso sexo. Agora quando somos homens somos canais e expressão da energia masculina. Existem homens que canalizam e expressam a energia feminina, podem ser ou não homossexuais, existem mulheres que canalizam e expressam a energia masculina e podem ou não ser homossexuais. Creio que este é o primeiro ponto importante pra gente compreender a questão, existe no interior de cada um de nós um aspecto do Deus e da Deusa. Não foi o Deus que tentou dominar a Deusa, não foi o Deus em nós que gerou esta civilização que estamos. Foi termos sido isolados desses aspectos da eternidade, foi termos deixado de fluir com o Yang e o Yin, de sentir os ciclos da vida, que nos colocou neste estado que estamos.

É importante entender isso nesse ponto, senão caímos em algum tipo esdrúxulo de "guerra dos sexos", onde vamos ficar brigando dentro dos mesmos paradigmas que são justamente a negação de tudo que o paganismo apresenta. Só essa idéia de superioridade, de ser mais importante, de querer ser "mais", "melhor”, tudo isso é claramente a mesma armadilha que chamamos de pseudo patriarcalismo. Porque para começar nosso estudo desse tema é importante notar que o que domina o mundo hoje não são as tradições solares, nem o patriarcalismo. As tradições solares, o patriarcalismo, assim como as tradições matriarcais, da Terra, não precisam se impor uma sobre as outras, se são tradições sabem que a noite não existe sem o dia, o frio tem seu tempo, assim como o calor e para cada amanhecer virá um anoitecer, que por sua vez será prelúdio de um novo amanhecer. O fundamental num caminho mágico é compreender o equilíbrio desses poderes e forças que se manifestam nessa polaridade que o Taoísmo brilhantemente apresenta, Yin e Yang.

O que domina o mundo hoje é um bando de mercantilistas sequiosos de lucro que transformaram tudo e todos em coisas e coisificados fomos condicionados a ser, negando a nós mesmos a condição de seres mágicos e integrados a Vida e a ELA. Os sacerdotes transformados em mercadores de almas, os guerreiros em mercenários, assim temos que notar que da mesma forma que a mulher foi alijada de seus arquétipos e presa numa limitadora visão da Virgem e da "Mãe da semente masculina de um deus masculino", nós homens também perdemos nossos referenciais arquetipais, tendo apenas estereótipos para nos basear.

Assim, caminhos como o Xamanismo e a Wicca pretendem trabalhar para um resgate de uma nova harmonia com a Existência, para um resgate de nossa sintonia com essas forças arquetipais, que para nós não são apenas "forças do inconsciente coletivo" limitadas a uma esfera psicológica, mas forças vivas, atuantes, que surgiram em conjunto com a humanidade, que criaram a humanidade a partir de si mesmas, pois somos partes dos Deuses e Deusas. Temos um caminho a trilhar de volta ao estado de liberdade e realidade perceptiva de nossos ancestrais remotos, há muito tempo estamos presos neste modelo de realidade dominador e explorador, desfocado da sintonia com a natureza e sem nenhuma sensibilidade para o fato de nossa profunda conexão com a Vida.

Somos parte da Teia da vida, tudo que fizemos a ela fazemos a nós mesmos.

E esse caminho começa por voltarmos a nos sensibilizar quanto à realidade da natureza ser uma das faces da DEUSA. Sensibilizar já é algo Dela, porque nossa natureza sensível foi confundida por um racionalismo estéril, que nunca resolveu os problemas fundamentais da humanidade, que está levando o mundo a beira da autodestruição e, ainda assim, se arroga o controle da verdade, vejam o modelo de ciência ainda adotado, onde deveriam dizer: não compreendemos, como no campo dos fenômenos psíquicos, tantos preferem dizer: "não existe". Essa batalha para dominar outros, para reduzir outros a servos de si mesmos, caracteriza o poder dominante, tudo que discorda desse modelo é perseguido e destruído.
Assim temos que entender o contexto onde vivemos estamos numa sociedade muito tacanha, que só se preocupa com consumir e produzir futilidades. Passem por uma banca de revista e vejam quais são as revistas e temas apresentados, dêem uma olhada nos programas que a TV apresenta, o conteúdo de tais programas. Este é o mundo que estamos, este é o "estado de consciência coletiva" no qual estamos imersos. Aqui nos desenvolvemos, homens e mulheres, aqui nascemos, aqui recebemos nossa educação. A qualidade dessa educação recebida nos leva a formarmos nossa visão de mundo e esta visão de mundo determinará nossa percepção da realidade.

O primeiro ponto da magia é que o mundo que percebemos é fruto de uma convenção perceptiva, fomos condicionados a perceber o mundo desta forma, um (a) magista aprende a perceber o mundo a partir de outros referenciais. E então chegamos na questão do masculino e do feminino e dos caminhos que tem para descobrirem a si e se encontrem na vastidão da realidade onde estamos inseridos.
Nuvem que passa

obs: a imagem da sagrada Espada Excalibur veio daqui.

2 comentários:

Cláudia Mello disse...

Este é outro texto maravilhoso.
Lembro que a partir desses questionamentos em listas de discussão, comecei a elaborar algumas teorias e percebi que estávamos (estamos) cercados de "afrodites histéricas", "pans-narcisos", "heras homicidas", "obás que não saíram do armário", "eros ressentidos" e por aí vai uma longa lista de personagens de uma para-mitologia descompensada. Em resumo, as pessoas estão enlouquecendo!!!
Muito triste isso...
Creio ser fundamental que cada um olhe para dentro de si e perceba até que ponto reage às situações em função de um condicionamento social ou uma manipulação do sistema (aquele que estimula todos a ter ao invés de ser, aquele que diz que mulheres têm que ser gostosas e sedutoras e homens têm que ser ricos e não falham nunca, e todo aquele blablablá). Acho que já passou da hora de olhar pra dentro, tentar se conhecer melhor e perceber que a maior ameaça está sempre dentro da gente e não fora. É fácil colocar a culpa no outro, mas somos nós os responsáveis por tudo que nos acontece, somos nós que permitimos que nos manipulem, direcionem, usem.
Enfim... Papo pra dias!
grande beijo

Chico disse...

"É fácil colocar a culpa no outro, mas somos nós os responsáveis por tudo que nos acontece, somos nós que permitimos que nos manipulem, direcionem, usem." Pois é Claudia, tb penso assim, mas penso tb que essa maneira de agir é consequencia da falta do conhecimento de si mesmo. Já pude perceber que esse é um problema da maioria das pessoas e eu tb o tenho, mas vejo que sou assim porque fui ensinado a ser dessa forma e não vou aqui por a "culpa" disso em meus pais pois eles, tenho certeza, fizeram o máximo que sabiam por mim, deram o melhor de si para que eu fosse feliz. Tenho constatado que poucos sabem caminhar para dentro desse mundo interno, que é preciso descobrir e explorar, e menos ainda são os que sabem ensinar outros a fazerem o mesmo. Penso ser extremamente necessário aprender a diferenciar a realidade da ficção e aprender a criar defesas mentais para poder combater as falácias e desejos/objetivos superficiais que tentam nos inculcar fazendo-nos acreditar que são nossos desejos e que devemos defendê-los a todo custo para provarmos aos outros que somos livres. É tudo uma farsa, infelizmente.