Feliz Ano Novo (Ritual com o Tarot) e Equinócio de Outono

quarta-feira, 20 de março de 2013


Não, não, não estamos malucos, apenas trabalhando fora dos paradigmas vigentes...rs. Aceitam um pouco de blá...? Então vamos lá!

O Tarot é um jogo de auto-conhecimento. Ele prevê o futuro, o futuro como uma conseqüência de nossos atos passados e presentes. Nossos atos são conseqüência do que sentimos e pensamos. Assim o que sentimos e pensamos é a causa original de nosso futuro. Se não conhecemos o nosso futuro é porque não conhecemos o que se passa dentro de nós. O que ocorre fora de nós acontece antes dentro de nós. O exterior é reflexo do interior. “O Todo é Mente”. Se queremos mudar o futuro precisamos mudar a nós mesmos e a nossa forma de interagir com o mundo. O Tarot é um espelho para entendermos a nós mesmos dentro da realidade do dia a dia. Nós criamos a nossa realidade. Se criamos a realidade e não estamos conscientes disso somos como o Louco, o arcano zero. Se começamos a nos tornar conscientes de nossa capacidade criativa nos tornamos aprendizes da Magia do Tarot. Lidar com o Tarot é adentrar ao mundo do Mago que transformará seu próprio mundo num universo de magia a partir do entendimento, da observação e da arte simbólica, na busca da consciência plena de si.

O Tarot é um caminho para a transformação do ser, que está buscando tornar-se plenamente consciente de si através da observação do que acontece dentro e fora de si, através de seus arcanos, que são chaves interpretativas da realidade.

Uma forma de abordagem do Tarot, que intuí, é colocá-lo em forma de 13 cartas, uma para cada Lua do Ano astrológico que se inicia, onde temos também o Equinócio de Outono entrando oficialmente as 8:02 am de 20/03, e encarar cada arcano que sai não só como uma previsão mas como uma lição que temos que aprender e desenvolver em nós mesmos. 13, porque treze é o número da transformação e porque tal contagem de tempo nos coloca em sintonia com o tempo natural e lunar, favorecendo a sincronicidade em nossas vidas. Ao retirar uma carta devolva-a ao baralho e volte a embaralhar, caso alguma carta se repita isso indica que temos que trabalhar mais aquele aspecto em nossa vida. Os arcanos maiores indicarão mudanças estruturais (internas) e os menores alterações conjunturais (externas).

Trabalhe com cada arcano em seu devido tempo, não desenvolva uma visão de futuro para todos os arcanos quando fizer tal jogo, apenas deixe que eles se estabeleçam em você sem se preocupar em desvendar o que ocorrerá nas próximas Luas. Deve-se fazer um diário de acompanhamento de todo o processo, conectando os eventos, percepções e sonhos de cada uma das 13 Luas com o arcano correspondente. Se nosso esforço for sincero e contínuo colheremos muitas bênçãos de conhecimento e sincronicidade, assim perceberemos que temos um guia abstrato e invisível que fala conosco através do Tarot, chegará um momento que poderemos falar com esse guia diretamente, porque esse guia é o próprio espírito em nós, que está expresso simbolicamente no arcano 5 do Tarot, é o nosso mestre secreto e interior, que reside no pentagrama vivente que é o ser humano.

Esse será um trabalho de introspecção e interiorização, onde a energia se direciona para a raiz, para o ser interior. Lembremos que no Equinócio de Outono, dentro do Paganismo e dos cultos que celebram a Terra, temos a época do fim da colheita ou Mabon, época de agradecer e meditar nas bênçãos recebidas, buscar o conselho dos mais velhos, de nossos ancestrais e vibrar pela harmonia no Amor, pela Cura, pela exterminação do mal e pelo afastamento de todos os empecilhos a nossa auto-realização. Nessa fase o Deus prepara-se para morrer. É inevitável para nós ligarmos isso a força de Omulu e de Nanã, existente no xamanismo afro-brasileiro. Apesar de termos, culturalmente, uma visão negativa da morte devemos compreender que se a semente não morre, ela não pode frutificar, assim a força da morte é uma das forças da vida.

Podemos celebrar rituais adequados, dentro do caminho de cada um, para nos sintonizamos com a freqüência de cura e transformação dessa estação da Terra. Entrar na sintonia da Terra é fundamental em qualquer caminho pagão e/ou xamânico.  Podem ser acesas velas pela casa nas cores verde, marrom, amarela e roxa. Usa-se incenso (ou essência) de mirra ou cravo ou limão. Podem ser feitos bolos de milho, cenoura ou nozes, bem como pipocas. Músicas que podem ser tocadas durante o rito são:

Outono das 4 estações de Vivaldi
Sentinela do Milton Nascimento.
Grão, de Gilberto Gil
Cio da Terra, Milton Nascimento
Amor de Índio, Milton Nascimento
Terra, Caetano Veloso
Gracias a la Vida, Mercedez Soza
Canto della Terra, Andrea Bocelli

Feliz Ano Novo Astrológico e Excelente Equinócio de Outono!
F.A.

2 comentários:

Shin Tau disse...

Bom dia F.A.

fiquei fascinada com essa tiragem para as 13 luas do novo ano astrológico, tenho sempre alguma dificuldade em tirar cartas para mim, mas essa tiragem me parece muito interessante, principalemnte por não haver qualquer interpretação do que as cartas querem dizer :)
Não conhecia de todo e relação às luas, conhecia no fim do ano civil tirar em roda de doze, mas o interessante nesta sua sugestão é que as cartas se podem repetir!
Eoou dentro de mim!

Obrigada, obrigada, obrigada

F.A. disse...

Oi, Shin Tau!

Fico feliz com o fato de teres ressoado com a proposta. É uma forma de nos descobrirmos e descobrirmos o significado das cartas ao longo dos acontecimentos e percepções dentro de cada Lua do Ano Astrológico e uma forma de nos sintonizar com os ciclos da Terra, criando em nossa vida uma maior sincronicidade.

No intento,

F.A>