O que é esoterismo? - 1ª parte

domingo, 3 de janeiro de 2016

Esoterismo é uma palavra bastante "esotérica". Parece que sabemos do que falamos ou escrevemos quando usamos tal termo, mas quando olhamos mais a fundo ela parece nos escapar. Algo esotérico parece assim: inalcançável, distante, misterioso, indecifrável, pertencente a um grupo de pessoas especiais, misteriosas, dotadas de poderes e conhecimento além dos mortais.

Esotérico parece algo que pertence a um grupo tão fechado e secreto que se distancia da vida real, comum, do dia à dia e, contudo, não pode estar a parte da Vida porque a Vida envolve tudo, inclusive a si própria, como uma mulher misteriosa. Esotérico parece que tem algo a ver justo com isso:

1 - com o fato da Vida estar toda conectada, ligada como numa Teia e

2 - com o fato da Vida envolver a própria Vida, a si mesma, em diferentes camadas, da mais superficial a mais profunda.

Mas talvez devêssemos antes falar das confusões que tornam o esotérico mais "esotérico" ainda.

Quando trabalhava para uma financeira costumava brincar com meus clientes advogados que sempre usa(va)m, assim como os médicos, e eis aí duas categorias profissionais tão "esotéricas" quanto a maior parte do pretensos intelectuais, termos que as pessoas comuns não entendem e lhes perguntava o seguinte:

- Doutor, o que é um contrato de adesão formal de efeito vinculativo plúrimo?

Nenhum deles nunca soube me responder, e isso estava escrito no verso da proposta de crédito que eu como vendedor lhes fazia assinar em troca de um produto financeiro. Com um sorriso vitorioso eu lhes dizia:

- Um cartão de crédito.

Mas o que isso tem a ver com esoterismo?

Tudo e nada.

Tudo porque pelo senso comum esotérico é algo que é tão difícil, tão intricado que só poucos tem acesso a tal conhecimento e nada porque o esoterismo pode ser acessado porque qualquer um sem que seja necessário conhecimentos intelectuais sofisticados para tal.

Ou como diria o Gil, que nos dá uma deixa logo a seguir, com a participação da Gal / Bethânia:

"Até que nem tanto esotérico assim / Se eu sou algo incompreensível, meu Deus é mais"

Continuamos...


2 comentários:

Daniele disse...

F.A da uma olhada na Gal e na Betânia cantando essa música. Eu acho ótimo, escuto sempre no volume máximo e dou muita risada com o trecho que você selecionou. Sacada espetacular. Édouad Schuré, em seu livro Os Grandes Iniciados define esotérico como os de dentro, oposto a exotérico, os de fora. Aí eu me pergunto: Quem pode estar fora da vida? Rsrs.

F.A. disse...

Boa dica, Daniele!

Vou alternar com a versão feminina, até porque a voz da Bethânia é uma coisa "esotérica"...risos.

Esse livro que citastes é muito bom! Fico a me perguntar qual é a fronteira entre os "de dentro" e os "de fora". Há um conceito também sobre isso: mesotérico.

A vida mesmo é cheia de mistérios e também observo como esses mistérios podem ser manipulados para que "iniciados" dominem sobre as massas e não sobre si mesmos. Chegaremos lá, a revelar esses mistérios, pelo menos.

No intento,

F.A.