Um comentário sem explicações

quinta-feira, 16 de julho de 2015

Dicionário, a bíblia das palavras, palavra que me lembra outra palavra que me lembra outra numa corrente sem fim que me prende a quê? Ou a quem? Deus? Razão?

Sim, o dicionário é a bíblia da razão, assim como a bíblia cristã é a palavra de deus.

Dicionário lembra-me discricionário não sei o porquê, apenas veio.

Então consulto o pai dos burros e eis o significado:

Mas antes uma pergunta: como uma palavra pode explicar outra? Isso não é uma tautologia? Eis aí outra palavra para nos enredarmos numa teia de palavras, para navegarmos no revolto mar dos pensamentos e se pensamos que nosso leme é suficientemente firme para singrar por tal mar é porque "a.mar" as palavras seja uma paixão que nos prende a nós mesmos.

Discricionário é arbitrário.

Tautologia é redundância, pleonasmo.

Palavras, palavras, palavras, o reino do arbitrário pleonasmo que tem a razão por ditador supremo?

Oh, esse deus que tem medo do silêncio!!!

Assim é essa humanidade barulhenta: cheia de palavras e alienada de si.

E aqui estou eu a escrever, como um louco a partir de sua loucura controlada, de seu vazio pessoal.

Eis a magia das palavras, uma auto-ilusão, um mago brincando com suas ferramentas.

O que há antes do Verbo? Esse verbo que foi identificado com deus, com o princípio?

E mesmo que eu diga eu te amo, isso ainda não é amor.

O Tao que pode ser dito não é o verdadeiro Tao.

Daí o porquê, a razão, de alguém ter dito, que maldito seja o porquê. Porque apenas o silêncio é bendito.

Cuidado com o pregador da palavra que deseja crucificar a tua mente.

No intento,

F.A.

9 comentários:

a.mar disse...

burro
(derivação regressiva de burrico)

s. m.1. Quadrúpede tipo da espécie asinina.
2. Jogo de cartas.
3. Fig. Pessoa estúpida. (Também se chama cabeça de burro.)
4. Técn. Triângulo em que se prende a madeira curta que se quer serrar.
5. Pontalete que mantém o carro desatrelado em posição horizontal.
6. Cama de campanha.
7. Espécie de banco de cardador.
8. Banco rústico.
9. Engenho para tirar água de poços ou rios, por meio de balde.
10. Desp. Jogo de destreza que consiste em lançar pequenas malhas ou discos, para um tabuleiro inclinado, em quadrículas numeradas, e numa delas uma cabeça de burro.
11. Desus. Desp. Instrumento para saltos, que consiste num corpo de forma rectangular!retangular ou oval, estofado ou forrado a couro, assente sobre quatro pés extensíveis. = cavalo
12. Mar. Cabo de verga de mezena.
13. Pequeno motor auxiliar.
14. Temporal de S. O. na costa de São Tomé.
15. Liter. Versão literal (de autores latinos).
adj.adj.
16. Tolo, estúpido.
17. Diz-se do tijolo cru.
18. Diz-se de uma espécie de milho amarelo.
Burro montês: ónagro.
Estar com o burro: estar amuado.

a.mar disse...

ah ah ah ah ah

F.A. disse...

Alohahahahaha!

Acho que estou "mediunizado". Aliás, a palavra médium é sinônimo de burro para as entidades de Umbanda que incorporam em terreiros pelo Brasil. Elas dizem carinhosamente de seus médiuns: "meu burro".

No intento,

F.A.

a.mar disse...

É impressionante o que burro pode ser e a quantidade de utilidades que ele tem. E ainda por cima de derivação regressiva.
E bastante cómico...
o que eu já me ri à conta deste burro do discricionário...
Mas tem uma raiz comum a grande parte das saídas:
o transporte.

a.mar disse...

Até nos transportou para estarmos aqui à mesma hora...

F.A. disse...

Esse negócio do transporte remete a própria palavra como transporte do significado.

E transporte remete não só a palavra, mas aquilo que liga as coisas entre si, tipo aquilo que liga, na mitologia afro-brasileira que citei, ao falar na maneira como as entidades se referem aos seus médiuns como "burros", o humano ao divino e o divino ao humano, é o médium, o transporte, o burro.

O próprio filho de deus adentrou a Jerusalém montado num burro.

Na mitologia afro-brasileira a força que liga a tudo permitindo o transporte entre as realidades é Exu.

A palavra é um burro que empaca na falta do espírito que lhe incorpora?

De onde vem o espírito?

A quem ela transporta?

A quem ela serve?

Frase do Excalibur de John Boorman, filme: a quem serve o graal (da palavra)?

No intento,

F.A.

a.mar disse...

Serve-nos a nós de carrego, burros que somos!

"A porta está fechada.
Um sorriso abre-a.
Uma palavra também
- se for uma palavra-chave.
José Jorge Letria"

a.mar disse...

As palavras servem para nos comunicarmos, nos tornarmos comuns.

A minha vida artística começou quando eu enviei uma carta:
"Procuro a liberdade de encontrar a Poesia.
a.mar"
A história da minha criatividade está ligada à palavra.

Através das palavras comunico-me com vocês aí longe.

Como é que nos podemos comunicar sem ser por palavras?...
sem ser a pôr aqui umas frases sobre idéias que nos passam pelo pensamento?...

Feche os olhos.
Concentre-se na sua respiração.

Isto começa tudo com a palavra...
É o que nos une, é a primeira ponte que atravessamos, a da linguagem...
Já sei a palavra pode significar uma imensidão de coisas diversas, (só a palavra burro são umas tantas). Burro é muito mais que a palavra burro.
Como é que nós assim à distância podemos tornar-mo-nos comuns, utilizar o burro, o meio de forma a nos comunicarmos sem ser a própria da palavra?
Somos estranhos, nunca nos vimos, a visão que tenho de ti é só através das paisagens de ti que mostras nos teus textos e temas que abordas. É uma vantagem, entre nós não existe visão. É como se tivessemos já os olhos fechados.
Não sei se a minha energia aí chega, mesmo que me concentre muito e e envie com toda a força que consiga. É atravessar muito kms.
Bem, eu posso deixá-la no ar e tu apanhas-la daqui a quatro ou cinco horas quando aqui passares.
Não. A atmosfera roda junto com a Terra.
Palavras. É mais fácil.

F.A. disse...

Aloha, A.Mar!

Pois é...as palavras...para mim como um mero aprendiz de xamanismo, compreendo o poder das palavras e compreendo e sinto o poder que delas se utiliza e que aqui vou ter que nomear como energia.

Porque o que permite a palavra é a energia de quem a escreve, fala, pensa ou sente.

E essa energia vou chamá-la de espírito, para dar-lhe uma forma, apenas uma forma dentro das nossas limitações.

E essa energia pode se expressar sem o uso da palavra, pela linguagem de sinais, a linguagem corporal e até mesmo pela telepatia.

Incrível e possível a telepatia é a comunicação de mente a mente.

Assim como a intuição é da mente individual com a mente universal.

Então a palavra é corpo, mas quem a realiza é espírito. Não somos palavras, somos os deuses que criam as palavras e que esquecidos de nós mesmos nos enredamos nas palavras-pensamentos.

A Torre de Babel.

Os homens querendo alcançar a divindade foram confundidos com muitas línguas, palavras.

A palavra parece ser um início para a comunicação.

No caso da Torre de Babel ela foi um fim, uma fim para a comunicação entre os homens.

O início é o espírito, a palavra é apenas um meio. E um meio bem limitado.

Há outros meios de comunicação, digo apenas isso, a disposição de qualquer um de nós.

A palavra é corpo, mas o que é do corpo sem a energia que o anima?

Mesmos as palavras que digitamos são apenas sinais de energia, zeros e uns, palavra é uma forma, porque aquilo que nos torna comuns é a energia, o espírito, o intento.

Se a poesia fosse a palavra poesia tu já não a terias encontrado?

E se ela estiver aonde não a esperas, dentro de ti e além das palavras?

No intento,

F.A.