De quem é a culpa?

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Uma das coisas mais importantes para um estudante esoterista é ler a Bíblia. Poucos o fazem. Ficam apenas com a versão oficial das igrejas a qual naturalmente rechaçam, mas sem nunca ter lido, por exemplo, diretamente o Gênesis. Ter sua própria leitura é fundamental sobre livro tão importante na formação da cultura ocidental. Crowley costumava dizer que o Antigo Testamento é um livro de Magia. Um dos textos iniciais mais interessantes é Gênesis 3, que fala sobre a história da queda. É tão interessante que ao lê-la se percebe que aquele deus de Gênesis 3 não é deus. Basta ler. É uma coisa óbvia, não se necessita de grande erudição ou um intelecto aguçado para perceber isto. Mas fico a me perguntar porque as pessoas não lêem e ficam apenas com a versão oficial do clero A ou B, mesmo que seja para contestá-la, negá-la, aceitá-la ou ficar indiferente.

Por quê?

As vezes acho que temos medo de encarar a verdade por nós mesmos.

É preferível a mentira do outro do que a nossa própria verdade.

Dói menos, é mais cômodo.

E ao aceitar a verdade do outro sem descobrir a minha própria isso se torna a pior forma de mentira.

É mais fácil olhar a "mentira" do outro do que olhar para a nossa própria "verdade".

Mas o outro é o meu espelho.

Através do outro encontro a minha própria verdade, que pode ser feita de céu ou de inferno. O inferno não é apenas o outro, como diria Sartre. Isso exige uma tremenda honestidade com nós mesmos.

A verdade que encontrei em Gênesis 3 é a mentira de um deus que tornou-se a "verdade" nossa de cada dia e é a seguinte:

1 - o deus que está ali é um mentiroso.

Ele diz que se provarmos dos frutos da árvore do conhecimento morremos, e tal não acontece.

Disse a serpente à mulher: Certamente não morrereis. Porque Deus sabe que no dia em que comerdes desse fruto, vossos olhos se abrirão, e sereis como Deus, conhecendo o bem e o mal.

2 - ele não está só, está junto com outros que são como ele.

Então disse o Senhor Deus: Eis que o homem se tem tornado como um de nós, conhecendo o bem e o mal.

3 - ele condena, castiga e pune os inocentes.

Pois Adão e Eva não sabiam o que estavam fazendo, eram inocentes como crianças e qualquer pai sabe que se disser para um filho que ele pode fazer tudo menos aquilo, é justamente aquilo que ele irá fazer.

14 Então o Senhor Deus disse à serpente: Porquanto fizeste isso, maldita serás tu dentre todos os animais domésticos, e dentre todos os animais do campo; sobre o teu ventre andarás, e pó comerás todos os dias da tua vida. 15 Porei inimizade entre ti e a mulher, e entre a tua descendência e a sua descendência; esta te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar. 16 E à mulher disse: Multiplicarei grandemente a dor da tua conceição; em dor darás à luz filhos; e o teu desejo será para o teu marido, e ele te dominará. 17 E ao homem disse: Porquanto deste ouvidos à voz de tua mulher, e comeste da árvore de que te ordenei dizendo: Não comerás dela; maldita é a terra por tua causa; em fadiga comerás dela todos os dias da tua vida. 18 Ela te produzirá espinhos e abrolhos; e comerás das ervas do campo. 19 Do suor do teu rosto comerás o teu pão, até que tornes à terra, porque dela foste tomado; porquanto és pó, e ao pó tornarás.

4 - ele teme que os humanos se tornem como ele e os expulsa.

22 Então disse o Senhor Deus: Eis que o homem se tem tornado como um de nós, conhecendo o bem e o mal. Ora, não suceda que estenda a sua mão, e tome também da árvore da vida, e coma e viva eternamente. 23 O Senhor Deus, pois, o lançou fora do jardim do Éden para lavrar a terra, de que fora tomado.

5 - ele culpa os outros por algo que apenas é culpa sua mas não sente nenhuma culpa, portanto, não se responsabiliza por nada do que fez.

Afinal, sendo onisciente deveria saber o que aconteceria, e sendo onipotente poderia impedí-los, e também não haveria problemas caso os humanos partilhassem da árvore da vida.

Esses cinco comportamentos tornarem-se a marca registrada do comportamento humano e de nossa sociedade, e nesse sentido fomos feitos a imagem e semelhança de tal deus.

Para quem conhece o Eneagrama de Gurdjieff fica a questão: Tal deus não é o "boss", o tipo 8? Já pensaram nas implicações desse modelo comportamental em nossa sociedade? Já sacaram como esse modelo comportamental se reflete na elite que se encontra na máquina do Estado desde tempos imemoriais?

Se tal deus tornou-se o modelo de valores imperantes em nossa sociedade apenas compreendendo a falsidade desse modelo é que poderemos recriar a humanidade de acordo com valores mais autênticos. Que valores são esses?

A serpente pode nos dizer. Precisamos hoje mais do que nunca provar do fruto da árvore do conhecimento novamente. A serpente não enganou nossos ancestrais, mas foi lhe dado o engano pelo verdadeiro enganador. De quem é a culpa? Não há culpa, ela foi uma invenção para que o homem e a mulher não reivindicassem seu direito legítimo ao conhecimento e ao seu fruto. Não há culpa, há apenas responsabilidade, não pelo que foi, mas pelo que é e será.

F.A.

18 comentários:

Adri disse...

c tava guardando esse texto já há algum tempo, né?

é bem aquela nossa discussão mal acabada... rs rs rs...

muito bom! adorei...

depois passa no meu e lê o meu último post. acho q dialoga com esse seu, de alguma forma. sincronicidade... talvez!

beijos

CHÎNÅ .3Ө disse...

aos 7 anos de idade eu ja tinha matado essa charada...

acho q algumas pessoas preferem se manter condicionadas a qualquer coisa que acreditem. é mais comodo.

morrer e renascer é um processo diario e doloroso...

F.A. disse...

Aloha, Adri!

Tava guardando faz um tempo sim, mas tava nos arquivos da mente. Esse é pra mim um tema recorrente. E tem muito a ver com aquele nosso papo. Mas tem um outro, esse sim, guardado nos arquivos do computador, sobre culpa e responsabilidade que são idéias meio embaralhadas em nós. Vou lhe fazer uma visita.

NO intento,

F.A.

F.A. disse...

Aloha, China.30!

Acho mesmo que é mais fácil matar essa charada aos 7 dos que os 70, nossa mente tá mais livre, vê com mais clareza, sem a "influenza" clerical.

Morrer e renascer é doloroso, mas é doloroso para quem morre, para o velho em nós. O que surge, o novo, surge com grande prazer, mas não temos em nós ainda a referência existencial para tal sensação, justo por ela ser inteiramente nova, estranha, como respirar pela primeira vez.

No intento,

F.A.

Daniele disse...

Saravá F.A, sabe que eu li Genesis 3 depois que você sugeriu em um dos comentários e me surpreendi. Principalmente com a parte do vamos expulsar eles daqui antes que comam da árvore da vida e vivam eternamente. Além de jogar praga nos filhos, magia negra. Triste, com um pai desses haja terapia para Adão e Eva.
Quando estava lendo agora me lembrei das Brumas de Avalon: os druidas eram chamados de serpentes pelo clero. Eles detinham o conhecimento, eram homens de conhecimento. Ta bom ou quer mais?
100% responsabilidade a todos. valeu mais uma vez!!!

F.A. disse...

Saravá, amiga Daniele!

Por aí já dá pra entender por que razão a nossa sociedade é (pseudo) patriarcal, machista e assentada nos valores da competição e numa atividade predatória onde vence o mais forte, pois o deus do Gênesis não é o verdadeiro deus, é um usurpador. O deus verdadeiro é a serpente. É ela a doadora do conhecimento do bem e do mal. É ela quer partilhar os frutos do saber e do viver. Ela está em nós, na base de nosso ser. Precisamos redespertá-la!

No intento,

F.A.

Nana Odara disse...

Ops... vcs falaram em serpente eu pensei em kundalini... kkkkkkkk... espirais cósmicas, dna evolutivo... kkkkkkkkkk...
Bom diaaaaaaaaaaaaaa...

eu sou anfibia disse...

olá, f.a.!

quero agradecer por esse post tão específico.

não tenho bíblia em casa e não ia entrar numa biblioteca pra consulta-la hehehehe... ia ficar sem sacar essa!!!

partilho da aversão a esse livro. certamente ela tem a ver com um comportamento adolescente de 'eu não volto mais lá', que acaba sendo limitante, pois desatualizado.

por outro lado talvez tenhamos percebido a serpente de forma tão orgânica que não tem graça procurar por algo a que chamar deus, então pode ficar aquela ruína lá mesmo.

o trecho fortalece o que sinto como essencial, que é a busca da soberania humana diante de qualquer outro ser, orgânico ou inorgânico. não importa mais quem nos fez o quê. já somos do mesmo tamanho em dignidade e soberania.

embora para alguns isso se pareça com a maioridade que a coréia briguenta reivindica...

suspiro...

obrigada, tenho sido muito inspirada pelo seu blog.

um grande abraço!

F.A. disse...

Oi, Nana!

É por aí mesmo...Kundalini...vamos ainda conversar bastante sobre isso.

Agradeço.

No intento,

F.A.

F.A. disse...

Oi, Eu Sou Anfíbia!

Fico muito feliz e agradeço por poder inspirá-la. É verdade que inspiramos e respiramos uns aos outros num contágio positivo da consciência que busca despertar, assim também agradeço.

É bom navegar junto com você por esse estranho mar da consciência.

Num grupo nagual as mulheres são responsáveis pela viagem e os homens são apenas âncoras. Temo que nós homens temos sido âncoras pesadas demais nessa realidade, verdadeiras malas sem alça molhadas na chuva...risos.

No intento,

F.A.

beijamim disse...

Também gostei. Mas estou um pouco arrependido porque me irritei com uma moça crente esses dias e ela se assustou um pouco. Tem muito crente que só está procurando, assim como nós, mas é rapidamente condicionado. Difícil lidar com isso, com pessoas que foram colocadas dentro de pardigmas limitantes, embora sua motivação original fosse sair deles. No intento.

Streetmarcio disse...

EXCELENTE !!!
"Para quem conhece o Eneagrama de Gurdjieff fica a questão: Tal deus não é o "boss", o tipo 8? Já pensaram nas implicações desse modelo comportamental em nossa sociedade? Já sacaram como esse modelo comportamental se reflete na elite que se encontra na máquina do Estado desde tempos imemoriais?"

Dá uma lida no Salmos 82:

[Salmo de Asafe] Deus está na congregação dos poderosos; julga no meio dos deuses.

Até quando julgareis injustamente, e aceitareis as pessoas dos ímpios? (Selá.)

Fazei justiça ao pobre e ao órfão; justificai o aflito e o necessitado.

Livrai o pobre e o necessitado; tirai-os das mãos dos ímpios.

Eles não conhecem, nem entendem; andam em trevas; todos os fundamentos da terra vacilam.

Eu disse: Vós sois deuses, e todos vós filhos do Altíssimo.

Todavia morrereis como homens, e caireis como qualquer dos príncipes.

Levanta-te, ó Deus, julga a terra, pois tu possuis todas as nações.

Fernando Augusto disse...

Fala, Street!

Conheço essa passagem, é um das minhas prediletas. Deveria ser mais lida e entendida por aqueles que se baseiam na Bíblia. Ela é muito boa!

Sinto muito, me perdoa, te amo, sou grato!

F.A.

beijamim disse...

Inverter a verdade é uma forma segura de conduzir pessoas cada vez mais inconscientes.
Estou muito preocupado com os movimentos pentecostais, com a lavagem eficiente e rápida que fazem no bom senso das pessoas.
O movimento nazista na Alemanha do entre guerras me parece fichinha perto disso.
O pior é que não vejo muita solução, a primeira coisa que "aceitar Jesus" faz é calar o diálogo. A pessoa vira alguém que tira sua força do esquecimento e da capacidade de angariar mais gente para "pensar" como ele.
Pesquisem o que esse condicionamento absurdo e bem estudado faz com uma comunidade mais isolada. Vide caso "assassinatos no Seringal Lavras - Tarauacá - Acre".
No intento de resolver isso.

beijamim disse...

Desculpem gente, vou postar a matéria pra poupar trabalho de pesquisa

Rituais mataram 6 e feriram mais de 60
Rubens Valente
Publicado em 30/11/98 no Jornal Folha de São Paulo
A Onda de violência em seringal do Acre começou com alegada 'mensagem de Deus', durou 8 dias e atingiu até animais
O fanatismo religioso que dominou por oito dias o seringal Lavras, a 120 quilômetros de Tarauacá (AC), começou com uma "mensagem enviada por Deus".
Essa é a justificativa que os autoproclamados líderes do grupo religioso deram para que seis pessoas fossem assassinadas e mais de 60 feridas com chibatadas e pauladas em supostos rituais.

Os depoimentos de testemunhas indicam que o agricultor Francisco Bezerra de Morais, 35, o Totó, e sua mulher, Raimunda Bernardo Gomes, 35, a Doca, estabeleceram uma liderança religiosa sobre um grupo de 70 agricultores analfabetos e miseráveis.
Tudo ocorreu a partir do dia 11 deste mês, quando Doca teria recebido as tais mensagens divinas. Ela e o companheiro começaram então a determinar castigos e assassinatos como forma de "purificação", preparando o grupo para ser "arrebatado" (levado para o céu). A violência só foi contida no dia 18, quando chegou a notícia de que um dos espancados, que fugiu, estava voltando com um grupo para dominar o seringal.
Morais disse à Agência Folha que, por "ordem de Deus", matou uma agricultora, Maria Luiza Pinheiro, 27, autorizou a morte de dois homens e determinou espancamentos em mais de 60 pessoas.
"A ordem veio para matar três pessoas. Os que morreram não eram gente, eram o Satanás", disse Morais, que também matou cachorros e galinhas nos quais dizia ver "o demônio". O agricultor não admite que pretendia matar todos no seringal, mas, logo em seguida, afirma que "quase tudo estava endemoninhado".

Eduardo disse...

Beijamim, compartilho da sua preocupação: http://www.youtube.com/watch?v=7TzEJsZsydA&feature=player_embedded esse câncer neopentecostal tomou conta do Brasil e segue avançando.

F.A., obrigado por postar o texto. Seu blog é de longe meu favorito.

Uma vez você postou um video de um documentário gnóstico onde era explicado que o fruto proibido da Bíblia nada mais era do que o sexo não tântrico (ou ejaculaçao, para o homem) e que a serpente era de fato inimiga dos humanos e provocou a expulsão do paraíso ao induzir Eva e Adão a desperdiçar sua energia kundalini. A proibição divina, neste contexto, teria a melhor das intenções, qual seja, evitar o desperdicio de energia sexual para manter a kundalini desperta.

Mas em outro post você escreveu um texto onde argumentava que o fruto proibido não era o sexo, mas as plantas de poder, que por terem a capacidade de transformar humanos em Deuses, não era do interesse dos reptilianos (Deuses do Gênese) que fossem usadas pelos humanos. Mas uma facção reptiliana rival dos conquistadores, autóctone e interessada na convivencia harmonica e simbiótica com os humanos teria ensinado Eva e Adão a utilizar essas plantas.

Isso me deixa um pouco confuso, afinal, vocês acham que o fruto proibido é sexo ou planta de poder?
Outro ponto: a serpente do Gênese é a kundalini ou é será que representa o grupo de reptilianos que se opõe aos predadores?

Desculpa o turbilhão de perguntas e como sempre, não se sinta na obrigação deresponder.

Sinto muito, me perdoa, eu te amo, eu sou muito grato

Fernando Augusto disse...

Edu,

o mito permite múltiplas interpretações, até mesmo paradoxais, é da sua natureza simbólica. Mas vamos aprofundar mais um pouco, pensar juntos cada ponto ;-)

A visão da queda do paraíso como uma decorrência da perda do sêmen é uma interpretação do mestre Samael Aun Weor. Coloquei-a aqui, através de alguns textos e do vídeo que você cita.

Meu intento foi mostrar como a energia sexual é fundamental para a consciência.

Por anos fui instrutor do movimento gnóstico e defendia a tese de Samael, até que fiz minha própria leitura. A partir daí acho que a tese de Samael é parcial, pois não vê que o deus bíblico não é o verdadeiro deus e acaba por colocar a serpente como símbolo do tentador, quando ela na verdade quis apenas abrir os olhos do casal mítico original. Certamente ela ensinou os mistérios do sexo, se assim não fosse não existiria várias seitas gnósticas que reverenciam a serpente (Kundalini) chamada de Ofitas ;-), que a consideram como a verdadeira iniciadora do ser humano.

A verdade é que lidar com o poder da serpente não é algo simples e fácil, pois tal poder é um poder puro, sem conotações intrínsecas de bem ou de mal, assim é o uso que define a natureza do poder.

Continua...

Eduardo disse...

Entendi.

Isso da energia sexual ser importante para a consciência o Nuvem que Passa costumava dizer. Lembro-me bem de um texto seu onde ele dizia que algumas pessoas nasceram com muita energia sexual e que isto era consequência da qualidade do sexo feito pelos seus pais no dia da concepção, ou seja, se a mãe teve orgasmo.
Ele não disse, no entando, como uma pessoa pode estimar seu nível de energia sexual, já que perguntar para a sua mãe se ela costumava chegar ao orgasmo com seu pai talvez não seja a melhor idéia.

Estava pesquisando outro dia sobre formas alternativas de se despertar a Kundalini e algumas fontes garantem que Yoga pode fazê-lo. Porém existem os tipos de Yoga que são matriarcais e não proíbem quase nada, permitindo inclusive o sexo livremente. Já algumas linhas patriarcais (Bramachárya) proíbem o sexo ou ejaculação para não desperdiçar e energia sexual, assemelhando-se assim à Gnose.

Quanto à semelhança entre kundalini e a característica reptiliana daquela raça inorgânica, talvez seja mesmo só uma coincidência, afinal. Uma coincidência que não deixa de ser inconveniente para quem estuda o tema, mas conveniente para os próprios. Ou não?

Sobre o Samael, eu percebo que revelou muito conhecimento nos seus livros e é uma pessoa por vezes até adorada. Eu estava encantado com os escritos dele e com a Gnose, até que li ele escrevendo que os homossexuais são odiadores de mulheres (o que tem a ver? os gays praticamente só tem amigas mulheres. Seguindo a mesma lógica, alguém poderia chamá-lo de inimigo das panelas de pressão, uma vez que ele não se sente sexualmente atraído por elas) e que são cheios de larvas astrais (como assim, Samael?).
Fiquei pensando como um mestre ascencionado, avatar ou coisa que o velha poderia pintar um quadro onde um grupo inteiro da humanidade é descrito quase que como sub-humano. Na essência, não é diferente da visão nazista sobre os ciganos, negros, indígenas e homossexuais (mais uma vez) serem 'Untermensch'.

Foi a partir daí que comecei a desanimar com a Gnose, mas conversando com uma pessoa sábia, ela me disse que na verdade existe o trabalho também para homossexuais dentro do meio gnóstico, só que eles ocultam isso para não serem taxados de pervertidos sexuais pelos outros cristãos (as igrejas) mais do que já são. Uma pena isso, porque dificulta bastante o acesso ao conhecimento para algumas pessoas como eu. Ponto para os arcontes.

Sinto muito, me perdoa, eu te amo, sou muito grato