Tantrismo: uma religião do Sagrado Feminino - 7ª parte

quarta-feira, 19 de agosto de 2009

A Vênus física é a morte travestida e mascarada de cortesã - Eliphas Levi.

Importante notar que sutilmente E.L. refere-se a Vênus física tão somente, apontando apenas para um aspecto mas querendo que percebamos a totalidade da Vênus, da Mulher, do Amor.

Depois de um tempo sem dar continuidade ao tema eis que voltamos com um dos assuntos que mais gera confusão: Tantrismo. O texto a seguir é de autor desconhecido - A.D.

A imagem que combina beleza e terror foi escolhida de propósito pois esse é um caminho de iniciação extremamente perigoso, por isso alguns o chamaram de senda do fio da navalha - S.A.W. No xamanismo é conhecido como o Caminho dos Ventos, segundo o nosso amigo Nuvem que Passa.

Mulher: a iniciadora do amor


Todas as culturas antigas com uma forte base esotérica tem tradições que louvam o poder de iniciatico da mulher.


Egito, Grécia, Arábia, Índia, Tibete e China compartilhavam desta crença. A mulher era considerada a personificação da sexualidade e a protetora do potencial criador. Todo ser humano nasceu através da Yoni de uma mulher; todo homem esforça-se para entrar outra vez neste reino de feminilidade pelo contato sexual. Sócrates procurou instruir-se na Arte do Amor com Diotima. Ao iniciá-lo, ela enfatizou a importância da beleza no companheiro, pela sua capacidade de primeiro estimular a paixão e depois elevá-la do plano sensual para o espiritual.


Os ensinamentos Tântricos acentuam a mesma coisa. Embora a beleza física seja altamente valorizada, ela sozinha, no entanto, não basta. A força e o significado da beleza da alma suplantam a beleza superficial, como nos mostra o exemplo do próprio Sócrates. Os ideais de beleza estão delineados em certos textos indianos como o Kama Sutra e o Ananga Ranga. Os diferentes tipos de mulheres e homens são classificados segundo características físicas, emocionais e mentais. O Nayika Sananda Tika declara que a mulher com quem alguém deseja praticar a Arte do Amor deve ser de esplendida beleza e ter semelhante corpo e mente. Seu aparecimento súbito abrirá a porta da emoção e cativará a mente. Um outro texto afirma poeticamente que a mulher deve estar na plenitude da juventude, com olhos que refletem flechas de amor, traços expressivos de todas as coisas boas, lábios cheios de néctar, um corpo que se assemelha a uma planta trepadeira delicada e cheia de curvas, e vestida com sedas muito coloridas.


Na tradição chinesa as mulheres também guardavam e transmitiam os segredos sexuais. 0 Taoísmo refere-se a três arquétipos diferentes de mulheres iniciadoras: a Moça Simples, a Moça Escura e a Moça Escolhida. Os manuais eróticos mais completos da China, tais como o Classic Of the Secret Methods of the Plain Girl (Clássico dos Métodos Secretos da Moça Simples), o Sexual Handbook of the Dark Girl (Manual Sexual da Moça Escura) e Sexual Recipes of the Plain Girl (Receitas Sexuais da Moça Simples), tem a forma de um diálogo íntimo onde uma mulher inicia o homem nos segredos do sexo. No que se refere à escolha de uma mulher adequada como parceira sexual mágica e potente, a Moça Simples declara: ”Tal mulher é naturalmente meiga e gentil, seus cabelos são sedosos, a pele macia e os ossos delicados; não sendo nem muito baixa nem muito alta, nem muito magra nem muito gorda, os lábios do seu órgão sexual devem ser grossos e sua Gruta do Prazer naturalmente úmida, durante o ato sexual, deve produzir uma secreção abundante e mexer com o corpo de tal forma que o homem fique continuamente excitado. Sua idade ideal situa-se entre 25 e 30 anos. O Hevajara Tantra, um importante texto indiano, afirma: ”Aquele que é bem versado em ioga deve honrar a mãe e a irmã da mesma forma que a dançarina, a lavadeira, a mulher proscrita e a mulher nobre. Deve combinar o Cetro dos Seus Meios com o Lótus da Sabedoria da Mulher, com este ritual, obtêm-se a libertação.” Esta dedaração aparentemente enigmática destaca na verdade o poder de iniciação das mulheres.


Mais adiante, ocorre a seguinte explicação: ”Gnose é chamada a “mãe”, pois ela dá a luz ao mundo; do mesmo modo, e conhecida como “irmã”, por sua afeição constante; “dançarina”, por causa de sua natureza agitada; “lavadeira”, pois ela colore todos os seres, e “mulher proscrita” porque sua essência interior é intocável.


Mesmo no cristianismo, uma religião notadamente hostil a sexualidade e a ”carne”, surgiu a tradição do amor cortejador, no qual o amor ideal de uma cortesã converge e conduz ao amor beatífico a Deus. Para ser correta, esta tradição baseia-se na repressão e sublimação da energia sexual, porém esta energia sublimada, servia a um fim transcendental. É curioso que o próprio Mohamed, o profeta do Islamismo, que tinha nove esposas (seu privilégio especial) nunca se tivesse referido ao poder de iniciação da mulher. Uma tradição já aceita estabelece que ele próprio declarou numa ocasião: ”Fui premiado com quatro favores que os outros não têm, são as qualidades de generosidade e coragem, a capacidade para freqüentes uniões sexuais e a capacidade de regenerar minha força muito rapidamente”. Há até um exemplo memorável, quando ele teve relação sexual com cada uma das nove esposas separadamente numa só noite, realizando um ato de lavagem ritual após cada encontro sexual. Infelizmente, ele nunca atribuiu esta sua extraordinária capacidade de regeneração ao poder múltiplo e iniciatório de suas esposas.


Este poder feminino está muito bem confirmado em numerosas tradições mágicas arcaicas. Acreditava-se que os imperadores chineses, por exemplo, tinham nove consortes comuns a cada noite e a Imperatriz por duas noites durante a Lua cheia. 0 poder de iniciação da mulher é enorme, e baseia-se essencialmente na atitude mental quanto ao misticismo sexual. Assumindo um papel ativo e explorando toda uma variedade de segredos sexuais durante o ato sexual, a mulher pode conceder poder transcendental a seu amante. Este poder, a forma elevada de Shakti, e a expressão direta da intuição aberta, uma “energia da Sabedoria”, espontânea e alegre, que pode romper todas as barreiras. A mulher deve confiantemente iniciar o seu homem na experiência mística. O sucesso depende de pura espontaneidade, da capacidade de confiar e render-se a ideais mais elevados, e ao desejo sincero de dar “algo especial” ao seu amor. A autoconfiança e o ingrediente essencial em todos os rituais de iniciação, e é a deusa interior de cada mulher que dá a iniciação.


A mulher faz a iniciação através da mesma Yoni da qual, numa vida anterior, o homem nasceu. A mulher inicia através dos mesmos seios que, numa vida anterior, o homem sugou. A mulher inicia com aquela mesma boca que em certa ocasião acalmou gentilmente o homem. A mulher é a iniciadora suprema do Tantra.


KAULARAHASYA


A rainha Dakini Secreta absorveu todas as divindades pacíficas e iradas dentro do seu corpo, Ela transformou o Iogue Padma em um som-semente que descansou em seus lábios, onde ela conferiu a Benção Duradoura. Ela então engoliu este som-semente e, dentro do seu estômago, Padma recebeu a iniciação secreta da Compaixão Infinita. Na região da Kundalini, no centro sexual, ela conferiu a iniciação do corpo, da fala e da mente.


A.D.

2 comentários:

eu sou anfibia disse...

pois é, meu caro f.a... muita confusão.

essas descrições antigas sobre a mulher ideal ou o sexo perfeito já foram muito bem substituídas pelas ubermodels e pelos filmes pornô. pode perceber que o efeito é o mesmo.

depois de entrar em contato com esse tipo de conteúdo, os homens ficam pensando que aquela de óculos com quem ele gasta o domingo não é exatamente a mulher certa; e as mulheres ficam pensando que devem estar se mexendo muito errado pois o camarada que frequenta a cama delas goza em 10 minutos. fala sério! precisamos desses manuais!!!

esse nível do tantra infelizmente não passa de receitinha de frango ao molho pardo. até pode parecer mais gourmet, mais refinado, com mais violinos, mas no fundo estamos vendo simplesmente: 'como alimentar um homem em x lições'.

o óbvio fica encoberto mais uma vez: mulher = alimento é tão sagrado quanto um churrasco pode ser.

quer ver uma coisa sagrada? nenhuma bela donzela inicia o homem.

em outras palavras: qualquer verdadeira iniciação que a mulher pode proporcionar a um homem, não passa de jeito nenhum pelo que ele idealiza ou deseja. ah, seria muito fácil mesmo, não é?

o homem não quer saber de ser realmente iniciado, penetrado pela natureza total da mulher. quando aparece a senhora hell quebrando vassouras na cabeça dele ou a caquética shella na gig bêbada e sacudindo peitos murchos, não fica um!

entra milênio e sai milênio, esses caras continuam achando que podem escolher qual pedaço da mulher tem mais vitaminas, e essa é a essência em si do 'não-ser' iniciado.

é por isso que a bruxa tem gato, e não marido. às vezes a idéia fixa do homem é muito chata de se ver, e os gatos nunca se esquecem que 'mulheres são amigas, não comida'.

F.A. disse...

Aloha, "Eu sou Anfíbia"!

O nosso desafio é escrever nosso próprio "manual".

Muito resumidamente a relação tântrica não se resume ao sexo, obviamente.

Envolve a visão da relação como um todo, que une "profano" e "sagrado".

É preciso um trabalho de harmonia entre o homem e a mulher que passa pelo trabalho sobre si mesmo.

É um trabalho a dois para a vida inteira, muito desafiante e que só é possível quando desnudamos a alma diante do outro e de nós mesmos.

Há momentos mágicos e de êxtase nesse trabalho assim como há momentos de crise, quando na própria relação se apresenta o desafio de crescer pela superação do próprio ego.

Acho que a confusão surge de alguns pontos, vou citar dois:

1 - é preciso um trabalho psicológico contínuo de ambos, homem e mulher, que devem se apoiar.

2 - é preciso uma disciplina contínua do homem e da mulher para aprenderem a acumular e recanalizar a energia sexual.

E isso é um trabalho para a vida inteira, pois o objetivo é atingir o desenvolvimento das capacidades de percepção do homem e da mulher tanto pelo cultivo da energia sexual, quanto por um trabalho intenso sobre o ego.

Para tal o cultivo de uma parceria exige qualidades de desprendimento, generosidade, compreensão e outras mais que se constituem no maior desafio.

Naturalmente esses textos postados sobre Tantrismo precisam ser adaptados a nossa realidade.

É muito bom trocarmos mais idéias sobre o tema.

No intento,

F.A.