A Lenda do Camundongo

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Era uma vez um Camundongo que vivia numa tribo dos Camundongos do Vale Verdejantes cheio de vida e alegria. Num certo dia o Camundongo começou a escutar um barulho de água correndo e ficou indagando de onde vinha aquele barulho, perguntava a um e a outro, e escutava sempre a mesma resposta: - Barulho? Que barulho?

Encucado por ninguém ter-lhe dado a resposta, ele partiu para descobrir de onde vinha aquele barulho. Caminhou por horas a fio até chegar a entrada da floresta que aparecia a sua frente. Pediu licença a Mãe Terra para entrar na floresta, respirou fundo e começou andar mata adentro até escutar uma voz que dizia:- Ei! Quem é você? Para onde está indo com tanta pressa? Um calafrio percorreu pela sua coluna, era o medo que tomava conta do seu ser. A voz continuou a insistir na pergunta, e o Camundongo assustado olhou em volta e não viu ninguém ao redor. A voz vendo a aflição do Camundongo falou outra vez:

- Estou aqui em cima da árvore.

O Camundongo olhou para cima e viu no galho da árvore um Texugo com seus grandes olhos a indagar o jovem Camundongo. - Você ainda não me respondeu. Com voz trêmula, o Camundongo falou: - Sou um Camundongo do Clã dos Camundongos.

- E para onde você estava indo com tanta pressa? Perguntou o Texugo.
- Estou querendo descobrir que barulho é esse de água que estou escutando. Mas quem é o senhor?
- Eu sou o Professor Texugo.
- Já que o senhor é professor, poderia me auxiliar a desvendar esse mistério.
- Eu estou com um pouco de pressa, mas posso levá-lo até alguém que poderá ajudar você. Falou o Texugo calmamente.

O jovem Camundongo aceitou a oferta do Texugo e seguiu-o até a beira do rio. Ele estava deslumbrado com tanta fartura de água, e por ter chegado ao local da onde vinha o barulho que havia deixado curioso. Agradeceu a Mãe Terra por estar tendo a oportunidade de ver tamanha beleza. O Texugo chegou mansamente e falou com o jovem Camundongo: Venha conhecer a Guardiã do Rio. Do outro lado do rio, o jovem Camundongo pode ver no meio de um arbusto que saía d'água, uma criatura com dois olhos pretos enormes no seu pequeno corpo verde que se confundia com as folhagens. O Texugo ansioso, tomou novamente a palavra e fez as apresentações:

- Dona Rã, este aqui é o jovem Camundongo do Clã dos Camundongos do Vale Verdejante.

Dito isso, o Texugo pediu licença e deixou os dois a sós. O jovem Camundongo ficou em silêncio contemplando aquele lugar até Dona Rã tomar a iniciativa e começar a falar:

- Você está gostando do que está vendo no Rio? O Camundongo acenou que sim com a cabeça e começou a explorar a beira do rio até ver refletido o seu rosto n'água perguntando ao reflexo: - Ei! O que você está fazendo aí dentro?

A Rã riu e falou: - Calma é apenas o seu reflexo dentro do rio. Agora, se você quiser ver realmente algo majestoso, dê um pulo bem alto olhando para cima e verá a Montanha Sagrada. O Jovem Camundongo se encolheu o máximo que pode e tomou um grande impulso. Era magnífico a Montanha que surgiu a sua frente, nesse pequeno espaço de tempo que esteve no ar, ele viu a Águia Pintada que circulava no topo da montanha, pode vislumbrar as estrelas que surgiam naquele instante no céu. Em seguida ele caiu dentro d'agua e nadou até a margem do rio reclamando da Rã que não conseguia segurar a risada:

- A senhora me enganou e agora fica rindo de mim. Vou embora e nunca mais volto aqui.
- Calma meu jovem, por que você está tão bravo? Afinal você não conheceu o lugar de onde vinha o barulho que o deixou curioso?
- Sim. Respondeu o Camundongo.
- E você não vislumbrou a Montanha Sagrada que só a Águia Pintada tem a oportunidade de viver lá?
O Jovem Camundongo, acenou com a cabeça concordando com a Dona Rã.
- E você não mudou de nome ao contemplar a Montanha Sagrada?
- Mudei de nome? Indagou o Camundongo.
- Sim. Respondeu a Rã. - Antes você era o Camundongo, agora você é o Camundongo Saltador.

O Camundongo pensou e viu que a Rã tinha razão. Pediu desculpa a ela, disse que voltaria em outra ocasião e voltou radiante de alegria para o Clã dos Camundongos no Vale Verdejante. Não importava se outros de sua tribo não quisessem ouvir de onde vinha o barulho do rio, se existia a Montanha Sagrada e as belezas que a Mãe Terra nos oferecia. Não o incomodava se eles iriam acreditar nele ou não, o importante era que ele tinha visto todas essas belezas e que havia ganho outro nome. Pois agora, ele era um Camundongo Saltador.

Passado algum tempo entre seu povo, a lembrança daquele dia ardia na sua mente e no coração, e um dia ele foi até a fronteira do Vale Verdejantes e olhou a pradaria. Viu as águias voando no céu e tomou a decisão de ir até a Montanha Sagrada. Respirou fundo e correu o mais rápido que pode até as pradarias. O seu coração pulsava como numa mistura de excitação e medo. Correu até encontrar o Sítio do Sábio. Controlando a sua respiração do esforço empreendido, ele avistou um Rato Ancião. O Sítio era como se fosse um asilo para os ratos, havia muito que fazer ali.

- Oi. - disse o ancião - Seja bem-vindo.
- Você é um grande rato, - disse Camundongo Saltador com todo respeito. -
Este lugar é deslumbrante. E as águias não podem vê-lo aqui.
- Pois é, - disse o ancião - e daqui se pode ver todos os animais da pradaria.
- Que maravilha - falou Camundongo Saltador - Você também pode ver o rio e a Montanha Sagrada?
- Isso eu não posso te responder jovem. - respondeu o ancião - Sei que existe o rio. Mas tenho medo que a Montanha Sagrada seja uma lenda.

"Como ele pode dizer uma coisa dessas?" - pensou o jovem camundongo – A magia da Montanha Sagrada não pode ser esquecida.

- Muito obrigado pela sua hospitalidade, - disse Camundongo Saltador – mas tenho que buscar a Montanha Sagrada.

- Você é um tolo. - falou o ancião - Olhe todos aqueles ponto no céu! São águias, e elas irão lhe pegar!

Foi uma decisão difícil para Camundongo Saltador, mas ele estava determinado a ir a Montanha Sagrada e voltou a correr. O terreno era acidentado, e ele podia sentir as sombras das águias as suas costas durante todo percurso. Durante a sua jornada ele encontrou em seu caminho um grande tufo de pêlos com chifres escuros. Era um búfalo. Camundongo Saltador não acreditava no que estava vendo deitado à sua frente. "Que ser magnífico". - Pensava ele. E resolveu aproximar-se.

- Olá irmão. - falou o búfalo - Obrigado por me fazer uma visita.
- Oi. Por que está deitado aí Grande Búfalo?
- Estou morrendo. - disse o búfalo - E o Rio Mágico me disse que apenas um olho de camundongo poderá me curar. Mas camundongo não existe.

Camundongo Saltador ficou em estado de choque. "Um dos meus olhos!" - pensou - E saiu em disparada até um canteiro de cerejas. Mas sua respiração era difícil e muito vagarosa, tal qual os seus passos agora.

"Ele irá morrer, se eu não lhe der um dos meus olhos." - pensou - "Ele é um ser magnífico para deixa-lo morrer". Voltou aonde havia encontrado o búfalo.

- Eu sou um camundongo. - falou com voz trêmula - Você é meu irmão, não posso permitir que morra. Tenho dois olhos, fique com um deles para você. Após pronunciar essas palavras, o olho do Camundongo Saltador saiu de sua órbita e o búfalo ficou bom.

- Obrigado irmãozinho. - disse o búfalo - Sei que procuras a Montanha Sagrada, como também sei de sua visita ao rio. Você me deu vida para que eu possa dá-la ao povo. Serei seu irmão para sempre. Corra sobre meu ventre, e eu o levarei até o cume da Montanha Sagrada. As águias não poderão vê-lo enquanto estiver correndo debaixo de mim. Só verão o meu lombo. O Camundongo Saltador correu debaixo do búfalo, protegido e seguro, mas muito assustado e com um único olho. Os enormes cascos do búfalo tremiam seu mundo a cada passada que dava. Finalmente eles chegaram a um local, e o búfalo parou.

- Devo deixá-lo aqui irmãozinho. - falou o búfalo...

Camundongo Saltador passou a investigar o novo ambiente em que estava. Havia mais coisas ali do que em outros lugares que tinha conhecido. Subitamente ele encontrou um lobo cinzento, que estava sentado ali como se estivesse a contemplar a Mãe Natureza.

- Oi, irmão Lobo. - disse ele.

- Lobo! Lobo! Sim, isto é que eu sou, um lobo! Mas sua mente voltou a ficar confusa, e ele sentou em silêncio a contemplar a natureza, esquecido de quem era. E cada vez que Camundongo Saltador o lembrava de quem ele era, ele ficava entusiasmado com a revelação, mas em seguida voltava a esquecer.

"Que Grande Ser." - pensou o camundongo - " Mas ele não tem memória." Camundongo Saltador manteve-se em silêncio e passou a ouvir as batidas do seu coração até tomar uma decisão. Foi até onde o lobo encontrava-se sentado e falou:

- Irmão Lobo! - disse Camundongo Saltador.

- Lobo! Lobo! - exclamou o lobo...

- Por favor irmão Lobo. - disse Camundongo Saltador - Escuta-me. Eu sei o que pode cura-lo. O meu olho. E quero dá-lo a você. Você é maior que eu. Sou apenas um camundongo. Tome-o. Mal o Camundongo Saltador disse essas palavras, seu olho saiu de sua órbita e o lobo ficou bom. Lágrimas corriam pelas bochechas do lobo, mas o camundongo não podia mais vê-lo, pois agora estava cego.

- Você é maravilhoso irmão. - disse o lobo - Agora minha memória esta boa, mas você está cego. Eu sou o Guia da Montanha Sagrada. E o levarei até lá. Lá existe um grande Lago Medicinal. O lago mais bonito do mundo. O mundo encontra-se refletido lá.

- Por favor, leve-me até lá irmão lobo. - disse Camundongo Saltador.

O lobo conduziu-o através dos pinheiros até o Lago Medicinal. Camundongo Saltador bebeu da água do lago. O lobo descreveu-lhe a beleza do lugar.

- Agora tenho que ir, - disse o lobo - pois tenho que guiar os outros, mas sempre que precisar estarei com você.

- Obrigado, meu irmão. - agradeceu o camundongo assustado por ter que ficar só.
Camundongo Saltador sentou-se, tremendo de medo. Não adiantava correr, pois ele estava cego, embora soubesse que uma águia o encontraria ali. Sentiu uma sombra às suas costas e escutou os ruídos que fazem as águias. Preparou-se para o ataque. E a águia atacou! Camundongo Saltador adormeceu. Despertou surpreso por estar vivo e enxergando de novo. Estava tudo turvo, mas ele conseguia ver nebulosamente.

- Posso ver! Posso ver! - disse Camundongo Saltador.

Uma forma enevoada aproximou-se de Camundongo Saltador. Ele tentou ver melhor, mas continuo a ver apenas uma mancha.

- Olá, irmão. - falou uma voz - Quer um pouco de feitiçaria?
- Feitiçaria para mim? - perguntou Camundongo Saltador - Sim!
- Então abaixe-se o mais que puder. - disse a voz - Agarre-se ao vento e tenha confiança.

Camundongo Saltador obedeceu. Fechou os olhos e agarrou-se ao vento, elevou mais e mais para o alto. Camundongo Saltador abriu os olhos e eles estavam límpidos, e quanto mais alto ele subia, mais límpidos tornavam-se seus olhos. Camundongo Saltador viu sua velha amiga sobre um canteiro de lírios no Lago Medicinal. Era a Dona Rã.

- Você tem um novo nome. - falou a rã - Você é uma Águia Pintada.

Um comentário:

GNOSE disse...

Muito sábia esta parábola.Mostra o caminho evolutivo do reino animal,que é regido por leis diferentes das nossas.