Aliados, serpentes e videntes

domingo, 1 de maio de 2011

A criatura corria à minha frente, enrolando-se sobre si mesma, como uma serpente. Mas emparelhei-me com ela. Enquanto corríamos juntos, tive consciência de algo que já sabia — a criatura era realmente La Catalina. Repentinamente, La Catalina, em carne e osso, estava ao meu lado. Movíamo-nos sem esforço. Era como se estivéssemos estacionários, simplesmente posando num gesto corporal de movimento e velocidade, enquanto o cenário ao nosso redor ia sendo movido, dando a impressão de enorme aceleração.

***

A visão daquele aliado deixou-me quase louco — continuou Dom Juan. — Não podia crer em meus olhos, e no entanto o monstro estava exatamente diante de mim. E o frágil velho ao meu lado, choramingando, pedindo ao monstro que poupasse sua vida. Veja só, meu benfeitor era como os antigos videntes. Podia dosar seu medo, uma gota de cada vez, e o aliado estava reagindo a ele. Eu não sabia disso. Tudo que podia ver com meus próprios olhos era uma criatura horrenda avançando sobre nós, pronta a rasgar-nos em pedaços membro por membro.

"No momento em que o aliado saltou sobre nós, silvando como uma serpente, desmaiei. Quando recobrei os sentidos, o velho disse-me que havia feito um trato com a criatura."

***

A sensação de que os homens grotescos estavam exatamente atrás de mim era quase insuportável. Dom Juan exortou-me severamente a manter-me calmo e a focalizar minha atenção nos quatro homens à frente de um grupo de talvez dez ou doze. No instante em que focalizei meus olhos neles, como obedecendo a uma deixa, avançaram todos para a borda da rocha achatada. Pararam ali e começaram a sibilar como serpentes. Caminhavam para um lado e para outro. Seus movimentos pareciam estar sincronizados. Eram tão combinados e ordenados que pareciam mecânicos. Como se estivessem seguindo um padrão repetitivo, hipnótico.

— Não os encare, querido — disse-me Genaro como se falasse a uma criança.

O riso que se seguiu foi tão histérico como o meu medo. Ri com tanta força que o som reverberou nos morros ao redor.

Os homens pararam imediatamente, parecendo perplexos. Podia distinguir as formas de suas cabeças balançando para cima e para baixo como se estivessem conversando, deliberando entre si. Então um deles subiu para a rocha.

— Olhe! É um vidente! — exclamou Genaro,

— Que vamos fazer? — gritei.

— Podíamos começar a cantar novamente — respondeu Dom Juan despreocupadamente.

Meu medo atingiu o auge. Comecei a saltar para cima e para baixo e a rugir como um animal. O homem pulou para o solo.

— Não preste mais atenção a esses palhaços — disse Dom Juan. — Vamos conversar normalmente.

Fragmentos do Fogo Interior, de Carlos Castaneda

Nenhum comentário: