A mente constante

quarta-feira, 12 de outubro de 2011



"O Santo disse, 'Quando alguém rejeita todos os desejos de seu coração e está satisfeito dentro de si consigo, então ele é citado como de mente constante. Aquele cuja mente não se agita em meio a calamidades, cuja ânsia por prazer está morta, que está livre de apegos (a objetos mundanos), medo e ira, é citado como um Muni de mente firme. A firmeza mental é daquele que é sem afeição em todos os lugares, e que não sente exultação nem aversão ao obter diversos objetos que são agradáveis e desagradáveis. Quando alguém afasta seus sentidos dos objetos daqueles sentidos como a tartaruga (retrai) seus membros de todos os lados, dele mesmo é a firmeza de mente. Os objetos dos sentidos recuam de uma pessoa abstinente, mas não a paixão (por aqueles objetos). Até a paixão retrocede de alguém que contempla o (Ser) Supremo. (Uma pessoa pode se abstiver dos objetos de prazer, ou por escolha ou inabilidade de obtê-los. Até, no entanto, o próprio desejo de desfrutar estar eliminado, uma pessoa não pode ser considerada tendo obtido firmeza mental.)

Os sentidos agitados, ó filho de Kunti, arrastam à força a mente mesmo de um homem sábio que se esforça duramente para se manter à distância deles.

Reprimindo eles todos, uma pessoa deve permanecer em contemplação, fazendo de mim seu único refúgio. Pois a firmeza de mente é daquele cujos sentidos estão sob controle. Pensando nos objetos dos sentidos, a atração de uma pessoa é gerada em direção a eles. Da atração surge a ira; da ira surge a falta de discernimento; da falta de discernimento, perda de memória; da perda de memória, perda da compreensão; e da perda da compreensão (ela) é completamente arruinada. Mas o homem autocontrolado, desfrutando dos objetos (dos sentidos) com sentidos livres de atração e aversão sob seu próprio controle, atinge a paz (mental). Após a paz (mental) ser alcançada, ocorre a aniquilação de todas as suas tristezas, já que a mente daquele cujo coração é sereno logo se torna firme. Aquele que não é autocontrolado não tem contemplação (do Eu). Aquele que não tem contemplação não tem paz (mental). Como pode haver felicidade para aquele que não tem paz (mental)?

O homem controlado está desperto quando é noite para todas as criaturas; e quando as outras criaturas estão despertas é noite para um Muni discernente. (Os comuns, sendo espiritualmente ignorantes, estão engajados em buscas mundanas. Os sábios em conhecimento espiritual estão mortos para as últimas.) Aquele em quem todos os objetos de desejo entram, assim como as águas entram no oceano o qual (embora) constantemente reenchido contudo mantém sua linha d’água inalterada, ele obtém paz (mental) e não alguém que anseia por objetos de desejo. Aquele homem que se move continuamente, abandonando todos os objetos de desejo, que está livre do desejo ardente (por diversões) e que não tem afeição e orgulho, obtém paz (mental). Este, ó Partha, é o estado divino. Atingindo a ele, uma pessoa nunca é iludida.

Permanecendo nele ela alcança, na morte, absorção no Ser Supremo.'” – Bhagavad Gita, download AQUI!

Nenhum comentário: