A obra de Castañeda (livro)

sábado, 11 de fevereiro de 2012

PRÓLOGO

1 A obra de Castañeda - http://pt.scribd.com/Filipe17/d/58014152/26-O-LUGAR-DO-CONHECIMENTO-SILENCIOSO

Carlos Cesar Castañeda Aranha (25/12/1935-27 /04/1998), mestre e doutor em antropologia, nasceu em Juqueri (município do Estado de São Paulo, próximo à capital), filho de adolescentes, sendo criado por sua tia Ângela, que veio a falecer quando tinha seis anos.

Viveu com os pais e com a avó Noha, dois ou três anos, após o que decidiram enviá-lo a um internato em Buenos Aires (Argentina), e, mais tarde, aos Estados Unidos. Tinha 15 anos quando chegou a São Francisco, em 1951, para viver com uma família adotiva, enquanto completava seus estudos na Hollywood High School - onde conheceu Bill que, anos depois, apresentou-lhe Juan Matus.

De 1955 a 1959, assistiu a vários cursos profissionalizantes no City College de Los Angeles sobre criação literária, jornalismo e psicologia. Em 1959, decidiu naturalizar-se americano, adotando o nome de Carlos CASTAÑEDA (sobrenome da mãe, peruana) e ingressando na Universidade da Califórnia, em Los Angeles, onde se graduou em antropologia três anos mais tarde.

Em 1960, na condição de estudante de antropologia na Universidade da Califórnia (Los Angeles), havia iniciado uma pesquisa sobre plantas medicinais utilizadas pelos índios do sudoeste americano, como objeto de pesquisa para sua tese de mestrado. Foi nessa época o encontro com o índio yaqui chamado Juan Matus, que durante cinco anos lhe ensinou conhecimentos secretos sobre as plantas alucinógenas e o iniciou nos mistérios dos novos videntes.

Dessa fase resultaram um trabalho não publicado, sob o título Os Ensinamentos de Dom Juan: Um método Yaqui do Conhecimento, mencionado em Uma Estranha Realidade (p. 11) e uma interrupção no aprendizado. Nos anos seguintes, Castañeda plenamente integrado ao mundo acadêmico, continuou seus estudos de antropologia na Universidade de Los Angeles e publicou, em 1968, o seu primeiro livro The Teaching of Don Juan (A Erva do Diabo, no Brasil, 1974), sua dissertação de mestrado.

Ao receber os primeiros exemplares da publicação, Castañeda sentiu-se na obrigação de mostrar a Don Juan o que havia feito com seus ensinamentos. O livro não causou nenhuma emoção em Don Juan, que apenas o folheou “como se fosse um baralho” e o devolveu; entretanto, deu início a um novo ciclo de aprendizagem, ainda reforçado no uso de plantas e misturas alucinógenas, que levariam o aprendiz a novos conceitos sobre a realidade e o comportamento de guerreiro, cujas instruções preliminares terminaram em fins de 1970, transformando-se, no ano seguinte, no livro A Separate Reality (Uma estranha realidade,
no Brasil, em 1974).

Alguns meses depois dessa nova interrupção do aprendizado, Castañeda passou a reexaminar seu trabalho naqueles últimos dez anos, abandonando sua suposição original de que as plantas alucinógenas eram essenciais para uma nova descrição do mundo. Em 1972, após três tentativas, aquelas partes desprezadas pelo escritor, que não pertenciam ao uso de plantas ou misturas, foram incorporadas no âmbito total dos ensinamentos de Don Juan, e reunidas no livro Journey to Ixtlan (Viagem a Ixtlan, no Brasil, 1974), que se tornou sua tese de doutorado, em 1973, ano da morte de seu mestre.

Em 1974, ainda sob profunda desordem emocional, provocada pelo desaparecimento de Juan Matus, Castañeda reune os últimos ensinamentos do mestre e apresenta o segredo dos seres luminosos no livro Tales of Power (Porta para o infinito, no Brasil, 1975).

Passaram-se alguns anos, antes que Castañeda voltasse a escrever. Nesse tempo, dedicou-se a esclarecer pontos obscuros e conflitantes de seu aprendizado, procurando os outros aprendizes de Don Juan, aos quais foram deixados partes do conhecimento sobre o domínio da consciência. A partir de um conflituoso reencontro dos aprendizes, cujos eventos inspiraram um novo livro, publicado em 1977: The Second Ring of Power (O segundo círculo do poder, no Brasil, 1978), Castañeda foi avaliado para ser o líder do grupo – formado por outros nove aprendizes: Soledad; Maria Helena (Gorda); Lídia, Rosa e Josefina (as irmanzinhas), Elígio, Benigno, Nestor e Pablito (os Genaros) – o que não foi aceito pela maioria, que preferiu viver suas vidas livremente.

Até essa época, Castañeda era um professor acessível, fazia palestras, ministrava cursos, concedia entrevistas e era dado a festas universitárias. Após os sucessivos reencontros tumultuados com os aprendizes, com os quais tinha uma missão indesviável, Castañeda entrou de corpo inteiro na “feitiçaria” e tornou-se inacessível, guiado apenas pelo sistema de crenças de Juan Matus, por sua visão do mundo e pelos ideais dos novos videntes.

Decepcionado com a separação do grupo, Castañeda voltou a Los Angeles e fez uma revisão completa de tudo o que havia aprendido, iniciando um novo livro, publicado em 1981, Eagle’s gift (O presente da Águia, no Brasil, no mesmo ano), a partir do qual passaria a registrar os eventos à medida em que eles fossem acontecendo. Na primeira parte, a separação do grupo; na segunda, o reencontro com Maria Helena (Gorda), que lhe ajudou na revisão e, por fim, na tarefa de lembrar dos guerreiros do grupo de Don Juan e de seu regulamento, quando se começa delinear a história desse sistema de crenças milenar com as informações de Florinda Matus, encarregada de completar a última parte do treinamento, ensinando-o a recapitular.

Durante três anos, Castañeda trabalhou na recapitulação dos ensinamentos e técnicas aprendidos com os guerreiros do grupo de Juan Matus, lançando mais luzes sobre as raizes desse sistema de crenças, com ênfase para a elucidação do domínio da consciência.

Em 1984, um novo livro foi publicado: The fire from within (O Fogo interior, no Brasil, 1985). O trabalho de recapitulação continuava, levando Castañeda a uma revisão intelectual do pensamento xamânico do México antigo, em seus aspectos mais abstratos, estimulando-o a publicar, em 1987, o livro The power of silence (O poder do silêncio, no Brasil, 1989), contendo os primeiros oito dos 21 cernes abstratos, que compõem, em seus três conjuntos,
os ensinamentos sobre o conhecimento silencioso ou do espírito.

Durante quinze anos (1973 a 1988), Castañeda dedicou seu tempo a recapitular os ensinamentos de Don Juan, procurando preencher os vazios ainda existentes em seu aprendizado.

Com essa finalidade, reordenou todas as lições de Don Juan sobre o sonhar, publicando o que faltava, em 1993, sob o título The art of dreaming (A arte de sonhar, no Brasil, no mesmo ano). Nesse livro, Castañeda apresenta quatro dos sete portões do sonhar, o emissário do sonho, os batedores, o desafiador da morte; menciona o seu próprio grupo, ou seja, o segundo grupo de aprendizes, formado por Florinda Donner, Taisha Abelar e Carol Tiggs, até então, mantido em segredo.

Os aspectos práticos e funcionais (exercícios) da destreza e flexibilidade de um guerreiro saudável, foram revelados ao público em 1998, no livro Magical Passes (Passes mágicos, no Brasil, 1998).

Por essa época, Castañeda concluiu também um novo processo de refinamento das lições de Don Juan, revisitando suas próprias obras, até 1987, para recolher citações sobre a vida, a morte e o universo. Elas constam do livro lançado em 1998: The wheel of time (A roda do tempo, no Brasil, 2000), que apresenta ainda comentários sobre essas publicações.

Em uma entrevista a Carmina Fort, publicada em 1991 (Conversando com Carlos Castañeda), este revelava que para completar os ensinamentos de Don Juan, ainda faltavam dois volumes, a serem publicados. Realmente, em 1993, foi publicado The art of dreaming (A da arte de sonhar), enquanto o outro esperaria o momento certo.

Possivelmente, prevendo seu desaparecimento e sendo o último da linhagem de Don Juan, Castañeda preparou o que veio a ser seu último livro, concluído antes de sua morte em 27 de abril de 1998, aos 72 anos. Um livro que apresenta uma coleção de eventos memoráveis de sua existência como preparação para enfrentar a viagem definitiva, que se faz ao final da vida.

Essa preparação, que era um aspecto dos ensinamentos ainda não plenamente elucidados, foi relatada no livro The Active side of infinity, 1998 (O lado ativo do infinito, no Brasil, 2001).

Segundo o jornal Los Angeles Times, Castañeda faleceu na sua casa em Westwood, Califórnia, padecendo de câncer no fígado. Coerente com seu modo de vida, morreu como viveu “em meio à calma, o segredo e o mistério”. Sua morte só foi anunciada algumas semanas depois, pelo advogado encarregado da execução de seu testamento, em que exprimia seu ultimo desejo; que o corpo fosse cremado e as cinzas espalhadas num deserto mexicano, onde os guerreiros do conhecimento um dia se encontraram.

3 comentários:

caio disse...

voces tem alguma sugestão de com que livro eu deveria começar a ler carlos castañeda?
quero dizer, existe uma ordem que deveria ser seguida?

otimo texto!
obrigado

Fernando Augusto disse...

A sequencia cronológica é:

Os ensinamentos de Don Juan Matus
Uma estranha realidade
Viagem a Ixtlan (alguns recomendam começar a partir deste livro)
Porta para o Infinito
O segundo círculo do poder
O presente da Águia
O fogo interior
O poder do silêncio
A arte de sonhar
A Roda do Tempo
Passes Mágicos
O lado ativo do Infinito

Ainda há os livros das guerreiras do grupo de Castaneda

A travessia das feiticeiras - Taisha Abelar

e os livros de Florinda Donner Grau - Shabono e a Bruxa e a Arte do Sonhar.

caio disse...

muito obrigado!!!!