O desejo mais profundo

quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

Toda a força do ser
está em unir o falar ao fazer

Toda a força do ser
está em agir conforme o saber

Saber é ser em ação
o poder da união
a Ioga do amor
a razão do Criador

O poder está em tudo
O poder está aqui
O poder está em mim
O poder está em ti

Saber é sentir isto
Isto é todo o saber
O livro da Criação
Na fonte do coração

Realizar neste mundo
o desejo mais profundo
De sentir o Todo
Em todas as partes

F.A.

4 comentários:

beijamim disse...

Gostei do Hino. Mas estou escrevendo aqui por que estou com uma dúvida relativa a uma parte do texto "O trabalho". Aqui vai:
"Personas, máscaras que usamos para nos comunicar com o mundo. Quem é esse nós que se comunica? Quem usa as máscaras? Há uma unidade, algo, alguém? Ou são só fluxos, que focados sob a lente do presente parecem ser algo, parecem ter unidade e existência própria, mas são apenas momentos num fluir constante?"

Fluxos de nossas próprias energias que se agregam a necessidades e geram uma personalidade para satisfazê-las. Talvez uma parte importante do trabalho seja compreender como direcionar estes fluxos de forma harmônica, contribuindo pra a tessitura da vida e da natureza (que dá a chave para a nossa própria natureza), de modo que possam se transformar em ferramentas de possibilidades, de poder. Como seria isso?>

Fernando Augusto disse...

O silêncio interior permite a unidade do ser.

É um processo de cultivo da atenção.

O silêncio interior é cumulativo.

Só quando atingimos o domínio do silêncio da mente podemos dizer que as bases para uma verdadeira individualidade foram lançadas.

A mente que temos não é una.

Como diz o amado Mestre Jesus: é legião.

A mente comum é mentes, plural, é a mente coletiva, do predador, da qual a falsa personalidade é a fachada.

Só através da disciplina da atenção podemos cultivar a mente individual, real, que nasce do silêncio interior.

A meditação, a observação de si, a atenção focada no presente e na presença, a recapitulação, as práticas corporais da Tensegridade e do Ioga, os trabalhos de concentração pura do Daime e tantos outros métodos são meios de se buscar este "gol", o silêncio interior, a força unificadora de todas as tendências dispersas da mente comum.

"Tu Beijamin, flor de amor, guerreiro do Pai Criador, dá-nos saúde e união, vem curar nesta sessão".

A força unificadora da luz é o silêncio interior, que transforma a mente na espada brilhante e unificada do guerreiro sagrado, que nos dá saúde (Energia) e união (Ioga)

Abraços, Beijamin!

Fernando Augusto disse...


Silencioso
eu chego no jardim
Eu peço à Virgem Mãe
Que vós tenha pena de mim

Oh Virgem Mãe
Vós sois Mãe do Redentor
Perdoai os vossos filhos
Pelo vosso Santo Amor

Silencioso
eu chego no jardim
Eu peço à Virgem Mãe
Que vós tenha pena de mim

Divino Pai
Soberano Criador
Perdoai os vossos filhos
Neste mundo pecador

Silencioso Mestre Irineu #72

beijamim disse...

Estou nessa batalha da atenção, Fê, pra poder ter amor que preste, firme e lúcido. A gente aparelha aspectos maravilhosos na corrente daimista, mas segurar essa consciência aqui, depois dos trabalhos, é que é a grande questão.
Nestas férias, passei por Nova Gokula e reforcei minha gratidão e aliança com Ganesha (o princípio vivo que ele agrega), de modo que achei bem sincrônico eu abrir o pistas e dar de cara com ele. Também creio que começo a ter mais maturidade para entender a profundidade destes textos, estou nessa mesma linha.Obrigado,vou estudar mais as "pegadas do jaguar" que estão por aqui e procurar cultivar essa atenção que está no silêncio consciente.