A consciência é consciência de tudo

terça-feira, 27 de agosto de 2013

A consciência é consciência de tudo, bem e mal, luz e trevas, informação e deformação.

Luz é um aspecto da consciência.

Treva é um outro aspecto. Isto é difícil de entender no "esquizoterismo" que por ora vigora, pois usaram a analogia da luz como algo absolutamente oposto a escuridão, mas tal não vale no que diz respeito a consciência, a iluminação e a verdade como a visão do que é e do que existe na natureza humana.

Se lerem o Evangelho verão que os primeiros a reconhecer a presença de Jesus como o Cristo são os chamados endemoniados. Isto é prova suficiente da treva como um aspecto da consciência.

Só quando a consciência desperta realmente é que se pode perceber a dualidade, o bem e o mal, como uma unidade de contrários.

A consciência é a percepção de si e do que lhe é oposto e é muito difícil suportar esta percepção, pois imagine que você é capaz de perceber tudo o que há dentro de si e das outras pessoas e você poderá ver a dificuldade que isto implica.

Este é o ensinamento escrito na energia de arquétipos como São Miguel e São Jorge onde o dragão figura como parte integrante de tais arquétipos. A consciência brota do combate, é um processo dialético. Não é à toa que a árvore do conhecimento é a árvore da ciência do bem e do mal. Neste sentido percorrer a senda da espiritualidade e da iniciação é caminhar pelo fio da navalha entre a luz e a treva.

O campo de batalha sou eu
Foi isto que Deus me deu
No coração meu escudo
Na mente a lâmina
No corpo o templo
No olhar a chama
No sorriso o brilho
Do Dragão e do Anjo

Entre o pecado e a virtude,
vou seguindo, nem anjo, nem demônio,
apenas humano, sobretudo divino,
pois julgar não é amar, e num justo equilibrar
perceber a luz e a sombra, mas quem em mim percebe?
Nesta balança do ser, o brilho da espada a resplandecer,
"Mil cairão ao lado, e dez mil à direita; mas tu não serás atingido", mas quem é este?
A espada, a balança, o trono e a luz que não pode ser vista.
Assim brilha o sol da eterna justiça.
Senhor da Luz, Senhor das Trevas
Senhor da Guerra, Senhor da Paz
Por isto Ele é o Senhor,
Domina sobre os opostos
Reconciliado em mim, em nós
Para a glória infinita de ser.
Deus em mim, Deus em nós.
O Exército da Voz
Eu sou, sou eu, somos Nós.

F.A.

2 comentários:

Aldo Luiz Fonseca disse...

Maravilha!

Sou grato.

Fernando Augusto disse...

Vamos que vamos, querido Aldo, caminhando pela senda do fio da navalha ;-)