Implacabilidade

domingo, 22 de dezembro de 2013

A vivência da implacabilidade pode ser compreendida de várias maneiras. Don Juan como professor ensinou para Castaneda de uma maneira que ele pudesse melhor compreender e aplicar.

Naturalmente precisamos estar vivenciando o conjunto de ensinos que constitui o caminho do guerreiro(a) para poder compreender a implacabilidade. É preciso uma mudança radical em nossa visão de mundo.

Implacabilidade não é crueldade ou frieza, é antes um espírito de ação que trata a si mesmo e aos outros de forma tal a não ver ninguém como superior ou inferior.

Se fosse tentar explicar em rápidas palavras para alguém de nossa cultura judaico-cristã diria que ela tem a ver com o conceito de coerência, de equanimidade e de imparcialidade. Poderia até citar a Bíblia:

45 para que vocês venham a ser filhos de seu Pai que está nos céus. Porque ele faz raiar o seu sol sobre maus e bons e derrama chuva sobre justos e injustos - Mateus 5.

O Sol como força natural é implacável. Portanto não pode ser julgado, avaliado, condenado como bom ou mau, mas as pessoas vão usar destas ferramentas conceituais para realizar suas manipulações e exercer sua subjetividade egóica.

O Rabi da Galiléia disse: não julgueis. Eis outro exemplo de implacabilidade.

Mas e a aplicação disto? Decorre da compreensão profunda e a compreensão profunda é um assunto pessoal e intransferível, que neste caso pode se dar através de um fato natural, tão natural quanto o brilho do sol que brilha para todos: a morte, esta coroa de todos, como diz o adágio popular, pois ela nivela a todos nós e é o nosso destino inevitável. A reflexão sobre o nosso destino nos torna implacáveis e esta implacabilidade nos concede um escudo de indiferença com relação as opiniões alheias que tentam de alguma forma evadir-se da implacabilidade, a mesma indiferença através da qual age a morte, que nos leva a todos, sorrindo sempre e tudo o que nós podemos fazer, como guerreiros ou seres implacáveis, é sorrir-lhe de volta e agradecer pela oportunidade do viver.

No intento, gratidão!

F.A.

Nenhum comentário: