Xamanismo e Magia - Uma perspectiva histórica - 2ª parte

sábado, 1 de agosto de 2015

A Europa está mergulhada nas trevas da superstição e do obscurantismo.

Os ritos mágicos são perseguidos, tudo que discorda dos caprichos da Igreja é considerado pecado, mal, infernal e diabólico.

A mulher é considerado o veículo do mal na Terra.

Mas a grande Mãe, a Deusa não pode ser completamente apagada, assim transformada em santas, como Santa Brigida, ou em "Nossa Senhora" o arquétipo da Deusa, mesmo subvertido e deturpado sobrevive.

Do mesmo modo que os povos nativos europeus são subjugados e despojados de suas crenças os nativos da América são cruelmente mortos, escravizados e sua sabedoria destruída nas fogueiras da "Santa Inquisição".

Mas assim como na Europa grupos secretos, mantém de boca para ouvido a tradição de seus antepassados.

Chegam os Africanos a América, trazendo também seus ritos e sabedoria, ainda hoje motivo de preconceito para muitos.

Mas algo começa a mudar.

Uma nova classe, a burguesia comercial, começa a ficar poderosa.

E o antigo regime, com os reis, as cortes e todos os demais parasitas, começam a incomodar, precisam de uma nova base religiosa, de uma nova crença.

Surge a reforma protestante.

Permite o lucro, glorifica o trabalho.

Estava aberta a porta. A Igreja perde pouco a pouco seu poder, revoltas constantes minam o poder nefasto da coalizão Igreja - Monarquia. Reis e bispos e padres vão perdendo poder.

Mas a nova visão do mundo que surge, em reação a terrível superstição da Idade Média cai noutro extremo.

O materialismo.

Newton, Descartes, Bacon, criam uma nova visão de mundo, onde o mundo é visto como uma máquina.

Impressionados com aparelhos como um relógio criam um novo paradigma, o mecanicista. Toda a natureza vira um vasto mecanismo.

Os animais são vistos como mecanismos vivos a ponto de alguns colocarem, no século passado já, que os que faziam experiências com animais não deveriam ter pena de seus gritos, pois eram apenas ruídos como em uma engrenagem.

A Era Industrial está surgindo.

Descartes fragmentou o ser humano: Res Extensa (matéria) e REs cogitans( mente). Com Newton a visão da escola eleática é consagrada, o mundo é composto de partículas, átomos, que, como blocos de armar, montam tudo que existe. A gravitação universal explica tudo mais e pronto, estamos presos numa visão de mundo mecanicista.

Muito útil ao desenvolvimento da sociedade industrial, pois se a Terra e a Natureza nada mais são que máquinas então nada de mal há em destruir florestas, matando toda a rica fauna, em rasgar a terra em busca de metais, em poluir rios, o ar.

Vejam no caos ecológico de hoje o resultado de tais idéias.

Os povos "primitivos", "pagãos" e incultos não conseguem compreender tais atitudes.

Sabe qual a melhor forma de fazer uma tribo indígena vender sua madeira, permitir que poluam com mercúrio para garimpo sua águas e matem seus animais?

Destruam suas tradições natais, convertendo-os ao cristianismo, especialmente aos ramos protestantes, nos quais basta entregar a alma a Jesus e aceitá-lo como salvador e tudo está bem. Doutrina da irresponsabilidade como diz um pensador.

E assim chegamos ao século XX.

E no século XX os físicos e matemáticos, os mesmos herdeiros de Newton e Descartes ao tentar mergulhar na natureza mais profunda da matéria são surpreendidos. A realidade se mostra diferente, nada mecanicista.

John Watson, um dos fundadores do Behaviorismo, almejava elevar a psicologia ao status de ciência natural e objetiva. Ele desejava tirar da psicologia termos como "consciência", "mente", "pensamento" e "sentimento". Escreveu certa vez:

"A psicologia tal qual um behaviorista a vê é um ramo puramente objetivo, experimental, da ciência natural e necessita da consciência tão pouco quanto a física e a química."


Como ficaria surpreso se lesse , algumas décadas mais tarde, o eminente físico Eugne Wigner: " Foi impossível formular as leis da teoria quântica de um modo plenamente consistente sem fazer referência a consciência".


A física revolucionava o mundo e então descobríamos que ao contrário do que a orgulhosa civilização positivista do século passado apregoava, não eram os magistas e bruxos de outras épocas que estavam superados pela ciência, era a ciência materialista que não tinha embasamento para compreender a complexidade da magia.

Assim chegamos em nosso tempo, onde estamos assistindo o renascimento da Magia.

Renascimento, recuperação do elo primordial que foi rompido, primeiro pelas forças obscuras, supersticiosas e sedentas do poder temporal, usando a máscara da religião para isso, depois pelos materialistas, que precisavam de uma crença numa natureza morta para poder explorá-la.

Depois de localizar historicamente o processo fica mais claro o que vem a seguir.

Enquanto o mundo oficial estava perdendo seu elo com a natureza e com a vida, enquanto as pessoas estavam cada vez mais sendo transformadas em massa de manobra, em produtoras e consumidoras de futilidades, secretamente alguns resistiam.

Enquanto sábias mulheres, ousados homens era mortos em fogueiras, torturados de forma cruel, em verdadeiros ritos de magia involutiva, objetivando imprimir na alma do mundo, no inconsciente coletivo, o medo à magia e as figuras estereotipadas de diabos e tolices congêneres que ainda assombram muitos, enquanto a felicidade era temida, alguns resistiam.

Eles levavam o saber das Idades.

O mesmo que tentaram destruir quando atacaram a biblioteca de Alexandria.

O mesmo que tentaram abafar quando os povos nativos da ilha sagrada foram perseguidos e mortos pelos Romanos depois pelos Cristãos.

Quando a bandeira do Dragão foi substituída pela cruz.

Quando a Deusa foi negada.

Quando a Terra foi deixada de ser vista como um ser vivo.

Quando os espíritos das fontes, dos rios e lagos, das florestas e montanhas foram tidos por demônios.

Quando o prazer foi proibido e considerado diabólico.

Quando nos fizeram esquecer que somos deuses e deusas, estrelas brilhantes, para nos forçar a mendigar por migalhas de um todo que nos pertence.

Quando a religião quis roubar para si a exclusividade da intermediação entre nós e o divino, escondendo que não precisamos de intermediários, pois possuímos um elo perene com a Totalidade.

Se precisamos de alguém é apenas para nos lembrar disso, nunca para substituir.

Quando a ciência quis roubar nosso direito de buscar nossas próprias respostas, querendo nos prender em seus limites, com sua arrogância, dizendo: não existe, para os fenômenos que deveria dizer: não entendo.

Enquanto isto acontecia alguns resistiam.

Muitos morreram, das mais cruéis formas.

Mas muitos sobreviveram.

E agora vem a tona de novo.

Vem a público.


Como me emociono quando leio os preparativos para a grande dança espiral para as comemorações do dia 22.

Como me emocionei em cada rito que este ano fizemos, ritos pagãos, plenos em poder e alegria.

LIBERDADE.

Nós a reconquistamos.

A memória de todos aqueles homens e mulheres sacrificados no passado para que a chama não se apagasse é lembrada.

E cada povo tem sua forma de lidar com os poderes da natureza, sua forma de "encantar" as forças cósmicas e telúricas.

O Xamanismo é irmão da Magia, é magia também.

Tem ritos e a mesma visão orgânica que a magia possui.

A ARTE é ampla.

Um pintor é tão artista quanto um pianista, um pianista como um poeta,um poeta como um cantor, um cantor como uma bailarina.

Formas diferentes de expressar a mesma coisa a ARTE.

Assim o xamanismo e as tradições profundas de magia oriundas da Europa são apenas formas diferentes de manifestar a mesma coisa: A ARTE!

Paganismo puro, que não aceita amarras, peias.

Como cavalos selvagens a correr soltos pelos vastos territórios da existência, recusando canga e antolhos, recusando que nos atrelem a carroças onde carregaremos valores e idéias que não nos farão felizes nem plenos, apenas servos.

E só os escravos servirão.

E só é escravo aquele que voluntariamente aceita tal papel.

Pois somos estrelas e as estrelas devem brilhar.

Plenas!

Nuvem que passa

6 comentários:

beijamim disse...

O que me preocupa é que me parecem poucos os que estão se acordando, lutando contra o que o sistema inoculou dentro e fora deles mesmos. Creio que vamos precisar de algum evento externo que ajude a desmantelar as amarras internas, algo com magnitude suficiente para despertar um pouco mais da humanidade em nós.O atual balanço que estamos sofrendo, têm levado as pessoas à extremos nada razoáveis. A maioria não está acordando, está se acomodando, entregando os pontos e adormecendo mais ainda.
Um quadro bem difícil, não vejo boas perspectivas. Gostaria de ter metade das esperanças de nosso amigo Nuvem.

beijamim disse...

Só pra corrigir. Não é bem assim. Passados uns dias, verifiquei que tem muita gente se ligando, de todas as classes e entendimentos. Eu é que estava com olhares e filtros desesperançosos. Não precisamos de eventos externos, ao contrário, precisamos é de consciência.Basta um pouco de sombra nela, e já começamos a enxergar o mundo torto, por falta de reforço nela mesma.
Abraços, no intento.

beijamim disse...

Só uma colaboração: mesmo concordando e muito apreciando os textos e ensinos do nuvem que, de alguma forma considero irmão de fato e pelo coração, nada me impede de discordar dele também num aspecto.
Estrelas brilhantes podem estar esquecidas do que são, podem ser enclausuradas numa caixa, podem ter suas energias sugadas e deturpadas, mesmo assim são estrelas. A natureza teria tanto trabalho, desenvolvendo-as vida após vida, para dissolvê-las com a morte, após uma vivência inconsciente na qual essa consciência brilhante foi eclipsada e escravizada?
A personalidade pode em muitos aspectos ser destruída entre uma encarnação e outra, porque é fruto de condicionamentos.
Mas a bagagem, a essência, é o que justifica o que somos e o que nos diferencia uns dos outros, porque temos caminhos e vivências únicas, que extrapolam estes poucos anos dos quais nos recordamos e chamamos de vida.
A única morte que conheço é a da consciência. E mesmo para esta, há volta.O que poderíamos dizer de todo o resto?

Fernando Augusto disse...

Oi, Beijamim!

Este é um assunto e tanto, contudo serei breve, fazendo uma distinção conceitual entre essência e consciência mostrando sua ìntima conexão, mesma conexão entre a semente e a árvore.

Numa frase para refletirmos.

A consciência é essência cultivada.

Todos possuem, naturalmente, uma essência.

Ela precisa ser cultivada pelo Trabalho sobre si mesmo, pelo Trabalho Espiritual, pelos ensinos daqueles que alcançaram a consciência de uma forma contínua, como um sol eterno.

Estas são apenas palavras, com tantos sentidos diferentes, mas aqui estamos indicando uma significado específico e relativo dos termos essência e consciência.

A essência é uma potencialidade, uma possibilidade. A consciência é essência realizada.

A incapacidade de lembrar de si mesmo é o sintoma clássico da inconsciência, de uma essência adormecida. Este é um ensino duro, contundente e necessário para provocar o necessário atrito que leva ao despertar.

Sinto muito, me perdoa, te amo, sou grato.

F.A.

beijamim disse...

Olá, Fê! Tem um bom sentido o que disse.Como seriam as coisas, de fato, então?
NA minha percepção realmente incompleta destes fatos, a gente se expressa por meio de uma persona. Já fomos muitas personas, nesta existência mesmo.
A personalidade, o jeito que a gente é, me parece só uma fração - mais ou menos expressiva - daquele complexo e rico Eu. Essa personalidade, ou conjunto de personalidades, creio que podem sim se esgotar, depois da morte física.
Mas quando olho a complexidade, quando consigo enxergar a riqueza agregada ao mais dorminhoco dos homens - esteja ela no potencial ou não - não posso crer que este arranjo de riqueza e sutileza possa ser tão facilmente destruído. Posso estar enganado, sei pouco destas coisas.
O melhor, contudo, e nisso eu concordo plenamente com vc, é estar vivo e atento aos próprios movimentos aqui e agora. Já dá um trabalhão para os desacostumados como eu, uma atenção interna que não nos tornem conduzíveis por energias que não acrescentam.
Abraços, obrigado.
Ensinos duros são necessários.
Na verdade, só parecem duros quantos estamos moles (rs).

kimh disse...

KKKKKk,

esse texto pulsa e faz vibrar....

é energizante...

Gracias, Nuvem...

Gracias !!!!

http://www.youtube.com/watch?v=WyOJ-A5iv5I&feature=kp