A perfeição é a monotonia suprema

sexta-feira, 10 de outubro de 2014

A perfeição é a monotonia suprema.

Um pensamento perfurou minha mente por um momento na madrugada, como uma estrela cadente, um pensamento que deriva de minha percepção antiga e pré-adolescente, como se eu fosse uma espécie de Neo, personagem de Matrix:

- Há alguma coisa terrivelmente errada com este mundo.

Mas foi mais que isto, é como se eu detivesse parte da resposta, é como se mais um pedaço do quebra-cabeças se encaixasse.

Há alguma coisa terrivelmente errada com o mundo e este erro é estrutural, vem de fábrica, como se diz, um erro de projeto. Considero isto a maior das heresias, e por ser a maior poucos humanos se atreveriam a pensar nisto porque estão envolvidos no paradigma seguinte:

Se Deus(a) existe, Ele(a) é perfeito(a).

Mas temos aí a teoria da evolução e naturalmente um Universo ou um Multiverso sujeito à evolução não é perfeito. O perfeito não evolui. Dai a briga entre criacionistas e evolucionistas.

Mas a maior das heresias pode, incrivelmente, conciliar estas duas facções.

Nietzche disse que Deus está morto. Ateus dizem que Deus não existe. Crentes acreditam piamente em Deus e em sua perfeição.

A perfeição não é a suprema monotonia?

Tradições diversas falam que existem Deuses criadores (Elohim) e o Deus supremo, que não se envolve no processo de criação dos Multiversos e que é a Fonte de Tudo.

Falamos aqui dos Deuses Criadores, Eles mesmos emanados da Fonte, Eles mesmos sujeitos à evolução, ao processo de aperfeiçoamento e, portanto, ao erro.
Portanto, um Deus criador pode errar. E se Ele pode errar, Ele pode ser responsável pelo seu erro, eis o carma dos Deuses, a chamada Lei de Katância, dentro da Gnose.

Na tradição judaico-cristã há a árvore do conhecimento do bem e do mal, só o fato desta árvore existir mostra que os Elohim, os Deuses, conhecem o mal, o erro, a doença e suas consequências. E se eles conhecem o erro o sabem por si mesmos, por experiência própria.

Eis então a heresia: os deuses erram, falham e adoecem. Mas não pensemos nisto como heresia, pensemos isto como hipótese. Se há algo de estruturalmente errado com o nosso Universo, que é apenas uma das faixas de realidade do Multiverso, onde podemos identificar a falha ou as falhas? Já ouviram falar que o nosso Universo está se expandindo a uma velocidade cada vez maior, num ritmo cada vez mais acelerado? Isto faz sentido dentro das leis conhecidas da Física? Não.

Foi dito pelo rabi Jesus que a árvore se conhece pelos seus frutos.

Quais são os frutos das religiões como o Judaísmo, o Cristianismo e o Islamismo? A História nos mostra.

Quem é o autor divino destas religiões? Certamente o Deus bíblico.

Qual é a reputação atual dos evangélicos especialmente dentro do campo político e do respeito a outras tradições? Eis os frutos.

E se o Deus criador deste Universo estiver doente e este Universo criado for o fruto de sua doença?

Mas não vamos nos eximir de nossa responsabilidade nesta situação toda, pois pode ser que não seja Deus que irá nos salvar, antes nós mesmos teremos que o fazê-lo e assim redimir o Deus criador.

Pai, afasta de mim este cálice...

Na tradição hindu a trindade é formada por:

Brahma, Vishnu e Shiva.

Brahma é o criador. Já se perguntaram por que existe Shiva com a função de destruidor?

Quem começa uma obra, supostamente perfeita, em parceria com uma empresa de demolição?

Fica a questão para a reflexão.

Nenhum comentário: