A conexão dioxina

sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Você sabe o que é dioxina? Um subproduto do cloro, uma arma química, o famoso agente laranja usado na guerra do Vietnã. O cloro, uma arma química, foi utilizado em larga escala em nossa sociedade e está presente em sua boca, através da água, por exemplo, em sua bunda, através do branco neve do papel higiênico e em sua pele através do banho diário.

O veneno está na mesa

O brasileiro consome 4 quilos de agrotóxico por ano. Isto significa um verdadeiro bombardeio sobre a população civil.

Estamos em guerra não-declarada. São vários tipos de guerra. Um delas é química. O ataque é químico, age por envenenamento.

O veneno está na mesa.

A indústria química está profundamente associada com a indústria bélica.

O Brasil é campeão mundial no uso de agrotóxicos. São mais de 7 bilhões gastos anualmente. A ANVISA, Agência Nacional de Vigilância Sanitária, é totalmente corrupta.

Sexualidade e Nagualismo

sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

Vou me atrever a dar alguns palpites nesta questão toda que está sendo levantada sobre sexualidade, especialmente porque estão falando de xamanismo junto e creio que é interessante deixar bem claro alguns pontos.


Em primeiro lugar a obra do Doutor Carlos Castaneda é de fato notável, admirável, revolucionária, revela mesmo uma linha cultural que esteve ausente da história por todo esse tempo, é de tal forma nova e inusitada que no meio acadêmico formal é bastante rejeitada, é considerada ficção e não antropologia.


CC. se tornou praticante do caminho que investigava e graças a isso nos dá uma informação muito mais rica que se fosse apenas um cientista social investigando "de fora" um outro contexto.


Eu, pessoalmente, admiro a obra de CC por ter encontrado em outras fontes ensinamentos similares e ter comprovado por mim mesmo, em meu corpo e experiências pessoais, grande parte das assertivas ali levantadas, tendo conhecido a obra depois destas experiências pessoais.


Considero que a obra permite uma nova terminologia para muito do que é experimentado nas vivências xamânicas.


P'ra mim ler a obra foi como ter vivido com um povo e não ter como contar a maior parte do que aprendi por nào ter termos para tal narrar e então encontrar alguém, que tendo vivido eventos semelhantes, foi ainda capaz de criar um vocabulário para expressar os novos paradigmas que aprendeu.


Mas o xamanismo não é apenas esse caminho que ele revela, há outras linhagens de xamanismo e há outras abordagens da realidade que também são xamânicas e que tem outras abordagens do tema.


Eu nem ia entrar nesse tema, creio que toda racionalização sobre sexo é meio equivocada e escrever é sempre racionalizar. No Taoísmo existem os famosos conselhos da "Dama Misteriosa" ao Imperador Amarelo e um deles é: "evite toda racionalização sobre sexo". Mas se o lado escorpiano vai por aí, a lua em Gêmeos dá aquela incentivada no "palpiteiro" então aí vai.


Creio que o primeiro problema aqui é que as propostas que Castaneda e seu grupo recebem das pessoas com as quais aprendem não são "leis" , nem mesmo "normas" para todos(as).


Fico impressionado como existe esta tendência de tornar um conhecimento altamente específico, destinado a praticantes formais em regras gerais para todos(as).


Se lermos a obra no devido contexto vamos notar que D. Juan Matus (que tinha diferentes nomes para cada aprendiz) nunca esteve interessado em "divulgar seu conhecimento" ou fazer qualquer tipo de proselitismo. Seu único objetivo era manter a linhagem, manter seu clã e para tal deveria encontrar pessoas com determinado "padrão" de energia e transmitir-lhes sua ARTE/CIÊNCIA, tudo para que estas pessoas um dia encontrassem outras e fizessem o mesmo e o elo não fosse rompido e a TRADIÇÃO, continue mantida, como vem sendo há tempos incontáveis.


Isto é muito difícil de entender neste mundo onde somos expostos a proselitismos e a religiões conversoras desde que nascemos.


Se tem algo difícil no mundo de hoje é viver e deixar viver.


Todo mundo acha que sabe o que é melhor pros outros e fica pregando e perturbando a paciência alheia com normas e verdades prontas, quando o caminho é singular, é muito próprio de cada um.


Assim um(a) vem pregar uma coisa e o(a) outro(a) , com medo que tenha de praticar o que foi pregado, ao invés de dizer: "não é meu caminho" prefere dizer: "' é falso".


Generalizar é absurdo, se as propostas do caminho Tolteca forem generalizadas a espécie humana acabaria.


Creio que isto se deve que a chamada realidade é muito frágil e só é mantida pela concernência e concordância de muitas pessoas, assim sabemos, intuitivamente, que quanto mais pessoas crêem em algo, mais real é esse algo.


Para quem não tem a segurança do Real em si, para quem não tem a verdade do que crê afirmada em suas vivências, há uma necessidade muito grande de converter outras pessoas para que com muitos "crentes”, fique a sua verdade fortalecida.


Dessa constatação vem a necessidade de pregar e converter outros para aumentar a força da "realidade" na qual acreditamos e vivemos.


A energia sexual é tremenda, ela pode até mesmo ser acumulada, os acumuladores de Orgon de Reich são uma prova disso, aliás Reich morreu (foi morto?) em parte por causa desse aparelho que foi transformado em verdadeira arma. (quem estudou um pouco da obra dele sabe que ele e seus estudantes chegaram a fazer chover com tais acumuladores, em um deserto nos EUA.)


Este tema da sexualidade é recorrente, me lembro que já debatemos aqui há algum tempo quando falamos de Magia Sexual.


De novo creio que a grande questão é a mesma.


Uma coisa é a sexualidade do dia a dia, para pessoas que querem apenas isso, a satisfação que a sexualidade pode oferecer.


A parte exotérica de certos conhecimentos servem para essas pessoas, podem ajudá-las a resolver suas neuroses , seus traumas e problemas com sexualidade, algo que a quase totalidade desta civilização tem, pois transformou o amor em pecado e o trabalho em sacrifício.


Outra coisa são homens e mulheres que descobriram o tremendo poder do sexo e estão usando este poder para outros fins, para outras estâncias.


Creio que tudo começa quando confundimos as coisas e queremos comparar a sexualidade de uma pessoa "normal”, isto é, uma pessoa que deseja e quer viver apenas de uma forma tranquila e com bem estar, sem nem muito ir além e alguém que tem um trabalho voltado para outras realidades, para algo que tacanhamente chamamos de Magia, digo tacanhamente porque toda palavra apenas alude, aponta, nunca expressa sem o apoio da experiência vivida.


Existem muitos caminhos, os caminhos místicos, os mágicos e os filosóficos, os caminhos científicos, os caminhos artísticos.


Cada caminho tem suas características e por cada caminho somos levados a desenvolver aspectos diferentes de nós mesmos.


Na ciência, por exemplo, existem aqueles (as) que buscam através do pensamento compreender a existência e fazer uso das "leis" que descobrem, outros (as) entretanto nunca saem do racionalismo, do uso limitado do que poderia ser a mente.


Há os(as) que pensam e os(as) que raciocinam.


Os(as) primeiros(as) são os que lançam a ciência na grande aventura da descoberta, os (as) outros lutam para que nada mude, para que suas idéias pré concebidas e o poder que tiram disso, não sejam ameaçados.


EM todos os caminhos vemos isso, o caminho emocional é um preâmbulo ao SENTIR assim temos caminhos devocionais que levam apenas a um embotamento supersticioso e fanático e caminhos devocionais que levam a uma fusão com o transcendente.


Cada caminho tem suas regras e suas práticas, num caminho amplo e efetivo tais regras e práticas são decorrentes da observação direta, da constatação por parte dos (as) iniciados(as) de certas formas das coisas acontecerem, em um caminho dogmático regras e práticas vem do achismo e da superstição, muitas vezes objetivando manter os (as) seguidores(as) apenas como seguidores(as) e a elite dominante sempre com o poder.


Os xamãs de várias linhagens consideram a Mulher como nutridora da Vida.


Isto não é justo nem injusto, esses conceitos humanos não entram aí, é um fato energético e fato energético é prá ser visto, observado, contemplado enquanto energia, não para ser debatido com "eu acho isso ou aquilo".


Basta observar num primeiro momento.


Nós homens fecundamos a vida.


Participamos da fase “festa" do processo, depois nos retiramos. Podemos apoiar, até mesmo energeticamente, a mulher durante a gestação, mas os riscos são só dela, se houver algum problema com o feto é ela que vai sofrer, no sentido físico mesmo.


Quem nutre o feto, quem corre TODOS os riscos durante a gravidez é a mulher, isto é um fato, nem justo nem injusto, só um fato.


Então neste primeiro momento já é a mulher que arca com a manutenção e desenvolvimento da Vida.


Depois a amamentação e mesmo em termos sociais até atingir uma certa maturidade é muito mais a mãe que o pai que é responsável pelo amadurecimento e apoio da criança (Existem pais notáveis que fazem um verdadeiro papel amplo aqui, mas por mais que queira um homem nunca vai gerar ou amamentar uma criança, estamos falando de fatos biológicos).


Assim, observando a energia, observando os seres humanos enquanto entes energéticos, xamãs de várias linhagens descobriram que a mulher é mesmo a nutridora do Homem.


Isto não é terrível, discordo completamente do jeito que o tema é apresentado na obra da Taisha Abelar, isto é maravilhoso.


Os homens podem se tornar vampiros energéticos das mulheres, como filhos podem se tornar dependentes de suas mães de uma forma doentia, mas o fato da gestação e amamentação não é algo terrível, como o fato que as mulheres são as que mantém a espécie não o é.


Alguém acha terrível a gestação?


Alguém acha terrível e injusto a amamentação?


No ramo de xamanismo que estudo isto é visto com admiração e respeito e o fato da mulher ser a nutridora da vida e de nós homens é considerado um fato de energia, de poder para ser apreciado, não temido.


Foram muito mais longe e perceberam que a energia base da ETERNIDADE é mesmo feminina e a mulher partilha dessa energia fundamental.


Por isso a DEUSA é uma abordagem do TAO muito mais interessante que o Deus dos pseudo patriarcais, mas isso não quer dizer que a mulher seja superior ao homem ou toda a bobeira que levantam daí.


Estamos noutra esfera e estes racionalismos não são convidados.


Nós homens somos uma energia mais rara na existência, mais frágil e por isso, crêem os xamãs, lutamos tanto para provar nosso valor, para nos impor, para nos crermos fortes e dominantes.


Podemos tirar esperma do homem para fecundar a mulher, podemos fecundar "in vitro" mas sem útero, não se tem vida.


Assim quando os (as) xamãs dizem que a mulher nutre e sustenta o homem é um fato energético que estão colocando, fruto da observação de incontáveis gerações de "miradores" que observando a energia, como ela flui e como se manifesta chegaram a esta conclusão, sem nenhum pré-conceito.


Aí vamos ao sexo.


Como dizia Freud temos um problema sério.


Nossa educação religiosa é muito precoce, somos expostos a idéias antes de termos maturidade para realmente elaborá-las e ao mesmo tempo nossa educação sexual é tardia.


Isto gera vários problemas e é difícil ver esta questão sexual ser tratada no seu aspecto comum com tranqüilidade.


O sexo faz parte de um imperativo biológico: Reprodução.


E para garantir que a reprodução vai ocorrer o sexo ficou ligado a algo incrível: Prazer.


O prazer biológico é fantástico, é uma forma da Natureza levar o ser humano a realizar seu imperativo.


O ser humano é complexo e sabe então desenvolver tudo o que tem para outras áreas, assim aprendemos a ter prazer sem ir até a reprodução, mas o imperativo biológico continua ali.


Magistas sabem que toda relação termina com uma "cria" quer física , quer "astral".


Aí entra o conhecimento que para gerar o corpo de energia temos que saber canalizar a energia sexual, para que ao invés de gerar uma vida, gere o corpo de energia , que temos em potência.


Acontece que poucas pessoas lidam bem com a sexualidade.


Poucos(as) lidam bem com seus corpos, se sentem bem com a forma que são, que tem, que se manifestam.


A vergonha do próprio corpo, a não aceitação do que somos fisicamente, tudo isto já atrapalha bem qualquer tentativa de ir ao sexo com naturalidade. Isso já gera um monte de problemas. Temos ainda a questão da racionalização do sexo.


É muito raro vermos duas pessoas realmente "transando" uma com a outra.


Grande parte das vezes vemos uma pessoa transando com todas as suas fantasias e projeções, usando a outra como "tela".


Uma masturbação a dois.


Mas uma relação plena mesmo, aquela que tu olhas no olho da outra pessoa, aquela que tu sentes cada toque, cada contato, o tom de voz, quando contemplas o sorriso, quando a presença de quem está contigo é tão prazerosa que nenhuma fantasia ou imaginação é necessária, esta é uma forma mais rara de relação em nossos dias.


É tão fantástico quando toda nossa pele toca a pele da outra pessoa, quando nossas línguas se encontram, quando os olhares se penetram tanto quanto os corpos, quando o falar é estímulo, quando ouvir a voz da outra pessoa é estímulo, quando a Eternidade se manifesta no corpo desejado e agora presente.


É interessante que depois de uma relação sexual o que parece, para quem não "vê” a energia é que a mulher sugou o homem, aliás, tem vários mitos sobre isso, como a vagina dentada e tal (ai-ai!!).


O homem vem pelo impulso biológico, está excitado, a mulher ali, também excitada, o homem vai, começam as preliminares, quando existem, o homem vai, penetra, entra e sai, entra e sai e então ejacula.


Quando ejacula cumpriu o ditame biológico da espécie, mandou seus espermatozóides para tentar a reprodução.


Vem a famosa "melancolia pós-coito", para a grande maioria dos homens, momento vulnerável, frágil.


E a mulher?


Mesmo que tenha atingido o orgasmo pleno, algo raro, pois as mulheres demoram muito mais que os homens para isso e sabemos que grande parte dos homens ejacula com uma pressa "doida", como se fosse só isso, dar uma "rapidinha" e ainda ficar cobrando da parceira: "e aí, gozou? " pois agora a mulher que antes era tida como "cientificamente incapacitada para o prazer" , tem de "gozar" junto para que o macho se sinta o "foderoso".


Em tudo isso vemos que a sexualidade dita "normal" já é um grande problema mal resolvido na maior parte das pessoas , quanto mais não dizer da sexualidade que sai dessa "normalidade" e entra na MAGIA.


A proposta do xamanismo guerreiro é bem complexa, fica difícil falar sobre a mesma, mas ela pretende que aqueles que praticam tal ARTE deixem os limites humanos e se atrevam a entrar em outras realidades, transmutando seus próprios corpos para isso.


Portanto não estamos nos limites da "normalidade" aqui e é claro que não podemos ficar presos aos conceitos do "senso comum" e do cotidiano aqui.


Ora, pretendemos deixar os limites humanos por superação, não por negação.


Queremos ir além do humano e só posso ir além de algo se sou antes, plenamente esse algo, como só posso expandir a consciência se tenho consciência.


Portanto antes de ir além da sexualidade comum, temos que passar pela sexualidade dita comum, temos que estar bem realizados e resolvidos nesse quesito, por isso o caminho do xamanismo que trilho começa por nos levar a assumir toda nossa sexualidade em plenitude da forma que ela é, para depois irmos além.


Portanto, prá começar a conversa, não tem nada a ver interpretar esse caminho como negação, pois ninguém cresce negando, ninguém cresce dividindo, suprimindo.


Crescemos quando ampliamos.


Portanto o que está proposto no caminho xamânico não tem nada a ver com o dia a dia, nem com a proposta das pessoas que querem uma vida "normal".


Aqui estamos num campo, onde vamos entrar na herança de um saber que está oculto, que tem sido levemente apontado como esoterismo, o saber de como entrar conscientemente em outros mundos, de como desenvolver o corpo de energia que todos temos potencialmente.


E para isso precisamos de um procedimento.


No xamanismo não tem esse papo de "sejam bons e serão evoluídos".


Por isso dizemos que é ARTE, pois como a ARTE não basta o talento, tem que trabalhar para desenvolver este talento.


Assim como um alquimista tem sérias regras para trilhar se deseja mesmo chegar a conclusão de seu trabalho, também quem trilha este caminho tem suas regras e propostas, que não são dogmas, são linhas de ação para se chegar a certos objetivos.


Assim como um(a) alquimista pode morrer envenenado pelo uso inadequado das substâncias que precisa em seu trabalho, também um (a) xamã pode morrer ou enlouquecer se não tomar as devidas medidas para ampliar e fortalecer sua energia.


Assim, para cada pessoa que pretende mesmo ir fundo nas propostas do Xamanismo, entrar em sua parte esotérica, existe todo um cuidado e toda uma série de práticas para tal.


Prá começar o xamanismo não considera que já tenhamos um corpo de energia funcional, crê que temos o germe dele, mas precisamos desenvolve-lo.


Assim, estamos anos luz dos conceitos kardecistas e similares que dotam o ser humano com uma alma imortal e tal.


Para nós, no xamanismo , isto é fruto de Trabalho.


No começo somos um amontoado de jeitos de reagir, de emocionar e de racionalizar, que existem com um propósito que não é pessoal, mas manter um fluxo de energia no organismo cósmico.

Para o xamanismo toda a vida orgânica sobre a Terra, incluindo os seres humanos, existem para propósitos da Terra.


Nós é que podemos trabalhar duro e adquirir algumas coisas que por acreditarmos que temos acabamos perdendo: Individualidade, Imortalidade, etc.


E para começar esse trabalho precisamos de muita energia.


Aí começa a questão.


Se precisamos de energia temos de aprender a não mais perdê-la. E o Sexo é um caminho de ampliar a energia de forma notável.


E para a mulher isto tem este fator agravante, pois além de prestar atenção em seus hábitos, para sacar o que gera energia e o que gasta energia inutilmente, vai sacar que cada homem com o qual se relaciona deixa nela filamentos de energia que durante sete anos (o tempo aqui é uma aproximação) vai levar energia da mulher para este cara.


Para quem tem muita energia isto não tem problema algum.


Para quem quer uma vida "normal" também sem problemas, a mulher pode muito mais que isto, como temos mulheres que tiveram mais de 15 filhos e continuaram plenas, conheço algumas assim aqui no interior, inteiras prá vida.


Mas para quem quer agora toda a energia para propósitos "xamanísticos" isso é para ser meditado e trabalhado.


Por isso é tolo querer pregar essas idéias para todos (as).


O que é dito aqui só serve para quem quer mesmo se trabalhar na trilha do xamanismo guerreiro e ir em direção as metas que tal Caminho propõe.


Alguém pode ser uma bruxa poderosa, uma xamã curadora, ritualística, pode ser mesmo uma mulher realizada e plena neste mundo sem nunca se ocupar dessas questões.


Mas se deseja chegar as metas propostas pelo caminho do xamanismo guerreiro, ou do Taoísmo do Dragão, ou da EScola chamada de Quarto Caminho, de Gurdjieff, ou de certas escolas de Yoga, ou de certos caminhos tântricos , enfim, se tem por meta atingir um estado além do humano aí começa a ter sentido tudo o que é colocado aqui.


Nós homens também somos orientados a não perdermos energia na ejaculação.


Se formos ao TAOÍSMO vamos encontrar a mesma idéia:


"Cada ejaculação é um dia a menos de vida".


E não ejacular não pode ser um controle mental, isto é tolice, pode levar a loucura e ao desequilibrio, a taras das mais nefastas.


O equilíbrio para isso vem da RESPIRAÇÃO e do TRABALHO INTERIOR, do contrário todo o esperma poupado no não ejacular se perde em poluções noturnas.


Trilhar esse caminho só por livros, sem um(a) mestre (a) que tenha em si realizada a meta é como aprender a nadar em águas turbulentas , através de um curso de correspondência.


Só que tudo isso não é para ser colocado como regra para "a humanidade”, isto é para quem quer ir além, para quem escolheu o "caminho estreito”, para quem quer "ganhar o céu de assalto”, para quem deseja realizar a si mesmo e em si realizar a ETERNIDADE.


Não é matéria para "crença" mas fatos energéticos que o(a) aprendiz é levado a constatar por si, se estiver numa linhagem autêntica, isto é uma linhagem que tem em si a força da TRADIÇÃO ancestral.


Não é matéria para proselitismos, só tem valor para quem sabe o que vai fazer, o que está fazendo e onde pretende chegar.


Por isso abordar esse tema só tem valor aproximado, dizer que existe e que tem sua forma de ser, mas é algo para prática , não para racionalizações.


Tornar-se um(a) xamã não é algo simples, como tornar-se um alquimista também não o é.


Um (a) alquimista vai precisar de profunda disciplina e dedicação, terá que enfrentar toda uma farsa de pseudo-escolas que tentarão seduzi-lo e mesmo que encontre um caminho autêntico existem riscos tremendos na manipulação das substâncias e das práticas que irá aprender até chegar a realizar a pequena obra, condição para ingressar na Grande Obra.


Um homem ou mulher que resolva se dedicar a trilha do xamanismo pode levar esse trabalho adiante por vários caminhos. Poderá aprender por várias linhagens e cada linhagem tem sua forma e seus objetivos.


Alguns ramos de xamanismo pretendem metas que nem vale a pena citar, por falta de referencia na sintaxe usual da atual civilização.


Assim, pretendendo tais metas, também terão objetivos e formas de lidar com tudo que está no caminho muito próprias.


Tais questões passam por aí.


Nuvem que passa

O Caminho para a Iluminação

quinta-feira, 16 de janeiro de 2014



[1] Quem queira respeitar a regra tem de vigiar a mente com atenção; a regra é impossível de observar para quem não domina a instabilidade da mente.

[2] Mesmo os elefantes selvagens na voragem do cio provocam menos desgraças que este elefante, a mente desenfreada, em Avichi e nos outros infernos.

[3] Mas se o elefante da mente for bem agarrado pela rédea da atenção, todo o perigo se desvanece e todo o bem se oferece.

[4-5] Tigres, leões e elefantes, ursos e serpentes, todos os inimigos, todos os carcereiros dos infernos, fúrias e vampiros, todos são agarrados quando a mente é agarrada, todos são domados quando a mente é domada.

[6] E porquê? Porque todos os perigos e toda a panóplia de sofrimentos procedem da mente e só da mente, assim o disse o verídico [Buddha].

[7] Quem fabricou com empenho os engenhos do inferno? E quem o revestiu de ferro ao rubro? E essas mulheres vampiros, de onde vêm?
[Nos infernos, os adúlteros sentem um impulso irresistível de subir à gigantesca árvore Kutashalmadi, onde mulheres com dentes de ferro os agarram em abraços que os despedaçam.]

[8] Tudo isso procede da perversidade da mente, disse o Buddha; assim, ela é a única coisa a temer neste mundo.

[9] Se a perfeição da generosidade consistisse em enriquecer o mundo, os salvadores ancestrais [Bodhisattvas] não a teriam possuído, uma vez que o mundo continua pobre.

http://pt.slideshare.net/artista1977/36868699-ocaminhoparaailuminacaobodhicharyavatarashantideva

O caminho

sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

O caminho da mestria é saber-se completamente entregue a si mesmo, perfeitamente só, um adulto no plano do espírito, inteiramente responsável e, portanto, íntegro.

Ainda assim estamos unidos a uma corrente infindável de outras consciências que nos sucederam e nos mostraram as incríveis possibilidades contidas, encerradas no humano: o círculo consciente da humanidade solar.

O que nos permite viver perfeitamente neste mundo é uma só coisa: sabê-lo degrau para o bem ou para o mal.

F.A.

DMT: A Molécula Espiritual

terça-feira, 7 de janeiro de 2014

DMT, a molécula espiritual. Imperdível por ser uma abordagem de cientistas sobre o princípio ativo de plantas de poder como a Jurema e a Ayahuasca.

Carlos Castaneda e Xamanismo

quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

Está você a ponto de entrar em uma área do conhecimento humano que apresenta uma concepção do homem e do universo completamente diferente da que tradicionalmente você conhece e aceita.

A origem desses conhecimentos atribui-se aos Toltecas, um povo indígena que habitou a parte central do México em tempos muito remotos.

(Salvo engano, Dom Juan dá um sentido diferente ao termo Tolteca, um sentido bruxo e não antropológico, referindo-se ao mesmo como significando o "homem de conhecimento").

Esse povo indígena existiu talvez a centenas ou milhares de anos antes da chegada dos espanhóis à América.

Seu conhecimento era passado de geração à geração, entre pequenos grupos, formados por pessoas que devido a sua disciplina eram conhecidos como guerreiros.

Que por sua vez eram guiados neste conhecimento por um líder denominado de o Nagual.

Foi um indígena yaqui chamado Dom Juan Matus Abelar, que morava distintamente em Sonora, Oaxaca e Tula, quem revelou este conhecimento a um antropólogo chamado Carlos Castaneda.

Dom Juan era o líder, o nagual de sua geração de guerreiros.

Carlos Castaneda era o cientista social que a partir de seu conhecimento acadêmico, completamente ocidentalizado, acreditava inicialmente estar tratando com um indígena inculto e cheio de superstições.

Até que através da experiência direta dos conceitos toltecas compreende que tal conhecimento é tão real que decide revelá-lo.

Carlos Castaneda durante seu aprendizado com Dom Juan teve que passar por várias etapas que iam desde a negação completa de tais possibilidades até o pleno convencimento de que tais possibilidades eram fatos reais e verdadeiros.
Existem duas formas pelas quais Carlos Castaneda nos faz partícipes de seus descobrimentos . Através dos doze livros escritos ao longo de trinta anos e por meio de uma série de seminários onde são ensinados uma série de movimentos chamados de Tensegridade ou Passes Mágicos.

Nos primeiros seminários Carlos Castaneda denominou esta MUDANÇA que ele deu ao conhecimento tolteca como uma NOVA TRILHA.

Nessa NOVA TRILHA não tem nada a ver com a experimentação de plantas de poder. Os praticantes atuais devem adotar novos procedimentos, diferentes daqueles adotados em seus primeiros livros.

Este conhecimento poderia ser enquadrado como misterioso.

Alguns o chamariam de xamanismo, outros de bruxaria, porém talvez o conceito que nos poderia dar uma compreensão do mesmo, seria considera-lo como o conhecimento das peculiaridades de nossa ATENÇÃO.

Nós não aproveitamos todo o potencial contido em nossa ATENÇÃO. O que chegamos a descobrir no fundo deste conhecimento é que nossa ATENÇÃO, pode abarcar mais do que imaginamos.

Existem muitos conceitos neste conhecimento. Podemos citar alguns como o diálogo interno enfocado na auto-reflexão do eu, o silêncio interno para combater essa reflexão, Espreita, "Sonho", outras realidades perceptivas, etc...

Porém o elemento comum que encontramos em todos os conceitos é o conceito de ATENÇÃO.

Nossa ATENÇÃO se mingua ou se enfraquece quando o processo mental que conhecemos como pensamentos, só a enfoca em determinados elementos de nossa forma de vida atual (a satisfação de nossos desejos e a contínua exaltação do ego).

Outro dos elementos que influem de maneira decisiva em nossa atual forma de perceber é que nossa ATENÇÃO requer mais ENERGIA para poder perceber outras realidades que existem e que são possíveis para o ser humano.

Talvez outra forma de descrever este conhecimento é que o conhecimento tolteca é a DISCIPLINA DA ATENÇÃO e seus praticantes são os guerreiros da ATENÇÃO.

Um ser humano com baixo nível de ATENÇÃO só pode estar enfocado na auto-reflexão, enquanto outro com maior nível de ATENÇÃO, pode enfocar esta em outras particularidades de sua existência.

O despertar das potencialidades de nossa ATENÇÃO pode nos assustar e não ser nada agradável para muitos.

Estamos educados em todo um conjunto de valores pré-estabelecidos e é normal que o desconhecido nos gere medo.

Podemos dizer que esse conhecimento permite DUAS alternativas aos que o sigam.
Primeiro: aquelas pessoas que sigam as premissas do "caminho do guerreiro", todo um conjunto de normas de conduta e pratiquem Tensegridade, podendo assim redistribuir e guardar energia, que lhes permitirá viver uma vida mais plena, mais produtiva, com mais paz interna. O seguir o caminho do guerreiro não implica em ter nenhum tipo de percepção desconhecida, pois por si mesmas não são suficientes.

Segundo: Para aqueles que se decidiram a ir mais além e explorar as peculiaridades de nossa ATENÇÃO e que, portanto, tem que encarar essa disciplina como uma forma de vida, onde é necessário empregar muitos esforços, como seguir "o caminho do guerreiro", realizar a recapitulação, executar os passes mágicos, guardar a energia sexual, guardar a energia que se gasta em nossas reações emocionais compulsivas, intentar permanentemente o silêncio interno e estar decididos a enfrentar o desconhecido. Essa segunda alternativa requer disciplina total, uma tenacidade de aço, uma paciência sem fim e como Don Juan diria, "temple de acero". E mesmo que sigamos todos esses pré-requisitos não há garantia de que logremos algum tipo de percepção diferente das usuais . Talvez o ponto final para poder lograr a percepção de outras realidades é a IMPECABILIDADE que tem que ser uma indispensável norma de conduta nesse caminho.

Por último, esse caminho promove o bem-estar físico e mental. Se depois de conhecer um pouco ou muito deste conhecimento alguém sente que não deveria segui-lo, então que não o faça. O que menos necessita qualquer pessoa é uma obsessão que lhe produza problemas ou dano mental.

Texto originalmente em Espanhol extraído de um site na internet de autor desconhecido.