Meditação e LSD

domingo, 1 de fevereiro de 2015

Pergunta: o LSD pode ser de auxílio, na meditação?

O LSD pode ser usado como auxílio, mas é um auxílio muito perigoso. Não é assim tão fácil. Se usares um mantra, mesmo isso se torna difícil de abandonar, mas se usares ácido (LSD) será ainda mais difícil esse abandono.

No momento em que estás numa viagem provocada pelo LSD, não tens controle. A química toma o controle e já não és o senhor. E desde que não és o senhor, será difícil reaver essa posição. A química já não é a escrava, agora: tu és o escravo. E como
controlar tal coisa, não é mais dependente de tua escolha.

Desde que tomes LSD como auxílio estás fazendo do mestre um escravo, e toda a química de teu corpo será afetada por isso. Teu corpo começará a ansiar pelo LSD.

Agora, a ânsia não será apenas da mente como acontece quando te apegas a um mantra. Quando usas o ácido como auxílio, a ânsia se torna parte do teu corpo; o LSD invade todas as células do corpo, modifica-se, e tua estrutura química interna se torna diferente. Então, todas as células do corpo passam a desejar o ácido, e será difícil abandoná-lo.

O LSD pode ser usado para levar-te a meditação, apenas se teu corpo tiver sido preparado para isso. Portanto, se me perguntas se ele pode ser usado no Ocidente, direi que ele não é absolutamente para o Ocidente. Pode ser usado apenas no Oriente, se o corpo está
totalmente preparado para tanto.

Aioga usou-o, há escolas de tantra e de ioga que têm usado o LSD como auxílio mas primeiro preparam o corpo dos que vão usá-lo. Teu corpo se torna tão puro e tu te fazes de tal forma dono dele, que mesmo a química não pode tornar-se tua senhora. Por isso a ioga o permite, mas de uma forma muito específica.

Antes, teu corpo deve ser quimicamente purificado. Então, terás tamanho controle do corpo que até mesmo a química, desse teu corpo, pode ser controlada. Há por exemplo certos exercícios de ioga. Se tomas veneno podes ordenar ao teu sangue, através desses exercícios de ioga que não se misture com ele, e o veneno passará através do teu corpo sem, de forma alguma, se misturar ao sangue, sendo expelido com a urina.

Se podes fazer isso, se podes controlar a química do teu corpo, então podes usar qualquer coisa, porque te conservaste o senhor.

No tantra, usam álcool para auxiliar a meditação.

Parece absurdo, mas não é. O investigador tomará álcool em certa quantidade e então tentará conservar-se alerta.

A consciência não deve ser perdida. Aos poucos a quantidade de álcool vai sendo aumentada, mas a consciência deve permanecer alerta. A pessoa bebeu álcool, ele foi absorvido pelo corpo, mas a mente se mantém acima disso. A consciência não foi perdida. Então a quantidade de álcool cada vez mais é aumentada.

Através dessa prática chega-se a um ponto em que qualquer quantidade de álcool pode ser dada e a mente mantém-se alerta. Só então o LSD pode ser de auxílio. No Ocidente não há práticas para purificar o corpo ou para aumentar a consciência através das modificações da química do corpo.

O ácido é tomado, no Ocidente, sem qualquer preparação. Isso não vai ajudar.Bem ao contrário, isso pode destruir por inteiro a mente. Há muitos problemas. Desde que estiveste numa viagem de LSD, tiveste um relance de algo que jamais conheceste, de algo que jamais sentiste. Se começares a praticar a meditação, isto é um longo processo, mas o LSD não é um processo, tu o tomas e o processo está terminado. Então o corpo começa a funcionar.

A meditação é um longo processo tens de fazê-la durante anos, e só então os resultados vão aparecendo e, quando experimentaste um atalho será difícil aceitares um longo processo. A mente ansiará pela volta ao uso da droga. Por isso é difícil meditar, desde que tiveste um relance através da química. Empreender algo que é um longo processo será difícil. Ameditação requer mais resistência, mais fé, mais espera, e será difícil, porque, agora, podes fazer comparações.

Em segundo lugar, qualquer método é mau se não tens o controle dele todo o tempo. Quando estás meditando, podes parar a qualquer momento. Podes sair daquilo.

Numa viagem de LSD não podes parar; desde que tomaste, tens de completar o círculo.

Agora, não és o senhor.

Seja o que for que faça de ti um escravo não vai, definitivamente, ajudar-te espiritualmente, porque a espiritualidade, em sua forma básica, significa ser senhor de si mesmo.

Assim, eu não sugiro atalhos.

Não sou contra o LSD, e posso ser, às vezes, a favor dele, mas nesse caso, uma longa preparação preliminar é necessária.

Então, serás o senhor.

Mas a essa altura o LSD não é um atalho. Levará ainda mais longe do que a meditação.

Hatha-ioga leva anos para preparar o corpo. Vinte anos, vinte e cinco anos, e então o corpo está pronto. Agora, podes usar qualquer auxílio químico e ele não será destruidor do teu ser.

Mas o processo é muitíssimo mais longo.

Então o LSD pode ser usado; então, sou favorável a ele.

Se estás disposto a passar vinte anos preparando teu corpo a fim de tomar o LSD, então ele não será destrutivo, mas a mesma coisa pode ser feita em dois anos, com a meditação.

Porque o corpo é mais maciço, o domínio é mais difícil. A mente é mais sutil, então o domínio é mais fácil. O corpo está mais afastado do teu ser, assim há um intervalo maior; com a mente o intervalo é menor.

Na Índia, o método primitivo de preparar o corpo, a fim de que ele fique pronto para a meditação, era a Hatha-ioga. Levava tanto tempo essa preparação do corpo, que às vezes hatha-ioga tinha de inventar métodos para prolongar a vida, de forma que Hatha-ioga
pudesse ser continuada.

Era um processo de tal modo longo que sessenta ou setenta anos podiam não ser suficientes.


E há um problema: se o domínio não é obtido nessa vida, na próxima terás de começar pelo ABC, porque tens um novo corpo. Todo esforço estará perdido.

Não terás de ter uma nova mente em tua próxima vida (a antiga mente continua), de forma que aquilo que alcançaste com a mente permanece contigo, mas o que quer que tenhas obtido com o corpo, perde-se com a morte, com cada morte. Assim, Hatha-ioga teve de inventar métodos para prolongar a vida, durante duzentos ou trezentos anos, de forma que o domínio pudesse ser obtido.

Se o domínio é da mente, então podes modificar o corpo, mas a preparação do corpo pertence, exclusivamente ao corpo.

Hatha ioga inventou muitos métodos de forma que o processo pudesse ser completado, mas métodos ainda maiores foram descobertos: como controlar a mente diretamente (raja-ioga).

Com esses métodos o corpo pode ser um tanto auxiliador, mas não há
necessidade de nos preocuparmos com ele. Assim, os adeptos da hatha-ioga disseram que o LSD pode ser usado, mas a raja-ioga não pode dizer que LSD pode ser usado, porque raja-ioga não tem metodologia para preparar o corpo.

Ela usa a meditação direta.

Às vezes acontece apenas às vezes, raramente que tens um relance através do LSD e não te apegas a ele; aquele relance pode tornar-se uma sede, que te incite a buscar um pouco mais além. Portanto, tentar uma vez é bom, mas torna-se difícil saber onde parar e
como parar.

A primeira viagem é boa, estar nela uma vez é bom tu te tornas ciente de um mundo diferente, e então começas a procurar, começas a tua busca; mas, então, torna-se difícil parar.

Esse é o problema. Se podes parar, então tomar LSD uma vez é bom. Mas esse “se” é muito grande.

Começar, seja o que for, é fácil porque tu és o senhor, mas terminar seja o que for é difícil, porque não és o senhor.

Portanto, não sou contra o LSD... e se sou contra ele, será condicionalmente.

Esta é a condição: se podes permanecer senhor, está bem.

Usa qualquer coisa, mas permanece senhor.

(* Extraído do Livro “Meditação: a arte do êxtase” OSHO)

Nenhum comentário: