terça-feira, 27 de fevereiro de 2024

Sobre o caminho


Desconfie completamente do sistema, que esta seja a tua fé quando tratar com instituições e com a elite deste mundo.

Confie absolutamente na Vida, na Natureza, em Deus dentro de si.

Há dois estilos que por necessidade precisamos cultivar, apesar deles serem opostos, opostos mas complementares. Precisamos do demônio astuto tanto quando do devoto real. 

Usamos o demônio quando frente ao sistema e usamos a criança devota diante da Natureza, inclusive e especialmente de nossa própria Natureza interior, divinal, brilhante que o sistema quer ofuscar, nublar, ocultar através de um consumismo que cria adictos e não seres verdadeiros.

Eu Sou justamente aquele que usa o demônio e a criança em mim, mas não posso ser usado por eles. Se me deixo usar pelo demônio astuto me torno homem comum e sem alma, aquele que Jeshua disse: deixe que os mortos enterrem os seus mortos.

Se me deixo levar apenas pela criança me torno um homem frágil, por demais sensível, incapaz de enfrentar os desafios desse campo de treino que é o mundo.

Gurdjieff chamou isso de o lobo e o cordeiro em nós.

Jesus também revelou tal ensinamento a sua maneira: sêde simples como as pombas e prudentes como as serpentes.

Implacabilidade e gentileza são exemplos dessas qualidades opostas e complementares no Xamanismo Guerreiro.

Também foi dito que temos que ser duros porém sem perder a ternura jamais.

A busca, qualquer que seja o caminho, é sempre pela unidade, pela totalidade e pelo abraçar da sombra e da luz.

Não é à toa que um ponto de Umbanda para Exu diz:

Exu, que tem duas cabeças, mas ele olha sua banda com fé, se uma é Santanás no inferno, a outra é de Jesus Nazaré.

Infelizmente, poucos podem entender isso e a maioria dos crentes (quase uns cretinos) atuais não tem amor e sabedoria suficientes para entender o que está escrito em Apocalipse:

"Não temas! Eu sou o Primeiro e o Último, o vivente, estive morto, mas eis que estou vivo pelos séculos dos séculos, e tenho as chaves da Morte e do Hades".

Não há São Miguel sem o Dragão.

Não vim à Terra trazer paz, antes espada - Jeshua.

Para assegurar a paz faz-se necessária a capacidade de guerra.

Eis o caminho do guerreiro.

DR

sexta-feira, 9 de fevereiro de 2024

Bruxaria, Magia e Xamanismo - parte 1 - por Nuvem que Passa


Xamanismo, Bruxaria, Magia. Estes três termos são muito usados hoje em dia e existe uma grande similitude entre as pessoas que se aproximam destes caminhos. Vamos refletir juntos sobre este tema começando pelo ato de falar, sobre o ato de trocar informações através de palavras.

Xamanismo é uma palavra. Ela indica, alude sobre algo, mas não é esse algo. Água é uma palavra.

A palavra água pode te fazer lembrar da substância em si, mas não pode mitigar sua sede. Assim como a lembrança mental da água e a imagem da mesma também não o podem fazê-lo.

Quando uso a palavra água a sua mente acessa memórias, experiências já vividas com esta substância. Ao especificar água quente limito o leque de opções. Água fria leva a outro tipo de lembranças.

Pense na água. Imagine a água. Visualize que bebes um copo de água. Agora, se quer mesmo estabelecer uma comunicação mais ampla entre nós, levanta e vai tomar um copo de água. Se fizeres isso vais notar como é totalmente diferente lidar com um conceito, como o da palavra água e tomar água de fato. Portanto o termo água alude a algo efetivo que existe, com o qual tu tens contato, mas não tem o mesmo valor de resolução.

Não mitigas a sede com palavras, só com a substância. Da mesma forma os termos Xamanismo, Bruxaria e Magia não podem ser completamente compreendidos só com abordagens teóricas.

Vamos aludir, vamos nos aproximar, vamos mesmo demonstrar certos fatos de tais práticas, mas note que a compreensão profunda só virá quando tu, que lês estas linhas, fores também alguém que sente a ARTE em tua essência.

Esta é uma abordagem que somente os praticantes podem contemplar plenamente. Porque, em primeira instância, estas três formas de caminhar na existência fazem parte de uma mesma faceta tradicional do conhecimento, a qual transcende toda e qualquer forma de conceitualização. Assim optamos por chamar este o “SABER DOS SABERES”, o qual inclui tudo aquilo que podemos conceber como ARTE.

A ARTE é pois Filosofia, Ciência e Mística. Arte em sua mais plena expressão. Durante nossa era decompusemos a abordagem da realidade nestas formas. Ou abordamos a realidade filosoficamente ou cientificamente, ou misticamente ou artisticamente.

Em resposta à extrema dependência de uma abordagem mística da realidade, típica de certos séculos anteriores, que em verdade é apenas ‘misticóide’, esta Era se esforça por ficar limitada ao que chamam de “concepção científica da realidade”. Insistem em tentar provar que campos como os fenômenos paranormais são ‘científicos’.

Mas a questão central é que, os paradigmas nos quais se apóiam para caracterizar algo como científico contradizem até mesmo as bases da própria noção de ciência, já que a busca de respostas verdadeiras deveria ser a premissa fundamental da ciência, ao invés da manutenção de uma ideologia dominante para manter sociedades inteiras servis.

O Xamanismo, a Magia e a Bruxaria foram perseguidas, e ainda são, em muitos setores desta sociedade que aí está. Vejam as campanhas constantes contra terreiros de Umbanda, Candomblé e movimentos Nova Era por parte dos segmentos mais fundamentalistas de certas religiões em franco crescimento. Estas perseguições são apenas uma das facetas desta luta contra toda forma de trabalho mágico não contemplado pelo paradigma vigente imposto sobre a sociedade.

Esta luta entre campos ideológicos se reflete também na chamada ciência acadêmica, na qual indivíduos com inflados egos influenciam o rumo das pesquisas e no conceituar do mundo, para que certos modelos da realidade não sejam de todo alterados.

O Xamanismo, a Magia e a Bruxaria são formas de abordar a realidade que têm sido perseguidas há tempos em diferentes civilizações. Por que tais caminhos despertam tanto medo? Observando com atenção notamos que sempre que se estabelece um regime absolutista, desejando impor sua vontade privada sobre a vontade coletiva, tais caminhos são os primeiros a serem perseguidos. Toda vez que o poder despótico se faz sentir, os caminhos citados são perseguidos. Os povos nativos continuam sendo oprimidos até hoje. Destruídos enquanto cultura e enquanto vidas, mortos em conflitos diversos.

A Magia e a Bruxaria ganharam espaço entre certas camadas sociais e acabaram fazendo uma lenta migração de volta ao sistema dominante, ressurgindo com força entre vários magistas e bruxos que vem alimentando a cultura oficial com obras nas quais narram suas aventuras e descobertas na vastidão de outras realidades que circundam a nossa.

Lendo os autores originais, e não aqueles que baseiam suas ‘descobertas’ apenas na leitura de outros, ou seja, aqueles que  empreendem uma maior aproximação da fonte a partir da qual tais informações emanam, vamos notar questionamentos profundos sobre a vida, a morte, a consciência, a realidade imediata, a existência de realidades outras que não esta, assim como outros seres habitando mundos ao redor deste. Seres alienígenas à nossa realidade porém presentes em nossa própria realidade mas não perceptíveis a nós. Muitos temas foram investigados por vários indivíduos, homens e mulheres que tiveram acesso a fragmentos de informações, outros à escolas autênticas possuidoras de elos com a ancestralidade da qual este SABER emana. Muitas linhagens diferentes foram contatadas por estas pessoas que tinham em si o ímpeto de aprender mais sobre os mistérios que nos circundam e a escrever sobre isso.

Upasika¹, Aleister Crowley, Therion²; Fernando Pessoa, na multiplicidade; mais recentemente Carlos Castañeda, também conhecido como Charles Spider; entre muitos foram sondar outras realidades e acabaram encontrando de fato abordagens da realidade completamente diferentes das que esperavam.

O Xamanismo, a Magia e a Bruxaria, tal qual são concebidos e praticados hoje, sofreram profunda influência destas pessoas, pois foram elas que fizeram as primeiras traduções dos conceitos ancestrais destes caminhos para a sintaxe da nossa cultura. Quando colocados na sintaxe da nossa cultura, tais informações adquirem mesmo um caráter de revelação.

Re-Vela. Indica, alude, mas também confunde, coloca o véu novamente, pois definir estes caminhos e falar sobre eles pode nos levar a realizarmos falsas associações, re-significações e interpretações a respeito destes caminhos de acordo com nossas presunções, e a partir daí, alienar ainda mais em vez de despertar. Tanto no Xamanismo, como na Magia como na Bruxaria a primeira premissa é que só pode trilhar estes caminhos Aquele que ‘É’. Em todas as obras produzidas sobre estes caminhos vamos perceber que, de forma declarada ou subliminar, o instrutor sempre começa guiando o(a) aprendiz a deixar de ser apenas uma resultante dos condicionamentos do meio, dos inúmeros fatores que afetaram sua existência até então, para somente assim estabelecer um ‘EU’ real.

Alguns lidam com uma viagem pelas esferas da Árvore da Vida e do Tarot para este trabalho, no qual o ser, que tal caminho trilha, lida com seus medos, condicionamentos, carências, vaidades e vai se reintegrando, resolvendo sua sombra, e, então, após atravessar o abismo no qual deve despir-se para tornar-se ‘si mesmo’, emerge como um novo ser. Aquele que ‘É’! Só então começa a magia. Antes havia apenas um agitar semiconsciente da luz astral, do grande mar de energia que nos circunda e gera, ao redor de nós, uma atmosfera psíquica que pode gerar fenômenos diversos, mas que é também uma grande ilusão, Maya, um mitote³.

Este fato é muito importante. Tanto no Xamanismo, como na Magia como na Bruxaria, o primeiro passo é deixar de meramente sobreviver para VIVER, deixar de reagir para AGIR.

Esse lembrar de si, esse resgatar a nós mesmos e ir além das ilusões que aí estão, é a condição básica para que haja Xamanismo, Magia ou Bruxaria.

Xamãs, Magistas e Bruxos(as) são homens e mulheres que antes de mais nada, ‘SÃO’. Para poderem operar efetivamente no domínio desses caminhos têm que ‘SER’, ou serão destruídos quando as fronteiras da realidade se expandirem. 

A VONTADE é o começo de tudo, a mais fundamental conquista que um(a) Xamã, um(a) Magista ou um(a) Bruxo(a) deve ter realizado para não ser destruído pelos poderes e esferas com as quais pretende interagir. VONTADE em um contexto diferente do comumente expresso. Não tem nada a ver com desejo, volição ou qualquer outra forma de expressão que conheçamos.

Tanto quem trilha o caminho do Xamanismo como da Magia como o da Bruxaria sabe que VONTADE aqui tem outro sentido, outro significado. É a forma pessoal que cada um tem de expressar um poder muito maior, que é a própria ‘VONTADE da Eternidade’ que nos circunda.

Só quem ‘É’ pode ter VONTADE. Este é um sentido que escapa a muitos leitores das obras de quem esteve estudando esses caminhos e sobre eles escreveu. 

Vejam Crowley: 

“Faze o que tu queres…”

Esse ‘Tu’ é um conceito complexo. Indica que existe alguém de fato, e não apenas um aglomerado de estilos de emocionar-se, raciocinar e reagir ao qual nos referimos como ‘eu’.

Lendo Erva do Diabo e Uma Estranha Realidade, milhares de pessoas pelo mundo ficam a vagar erraticamente ao se super estimularem com plantas de poder diversas, crendo que o ‘espírito da planta’ vai lhes revelar algo que não sabem. Mas o cerne abstrato do aprendizado ali era outro. Tudo ali estava sendo usado como meio de trabalho por alguém que tinha maestria na ARTE. Assim ficar preso em leituras literais de qualquer obra que toque a ARTE é como ser um fundamentalista e basear sua vida em interpretação literal de textos adulterados que foram escritos em outra cultura.

O que chamo atenção, é que, antes de atabalhoadamente irmos a definições e diferenças entre Xamanismo, Magia e Bruxaria temos que repensar nossos paradigmas. Nossas bases conceituais sobre as quais assentamos nossa compreensão de mundo. 

Uma condição fundamental é compreender que quando estamos falando de XAMANISMO, MAGIA e BRUXARIA no contexto dessas linhagens que tem de fato ligação com a ARTE, existem pontos muito interessantes de semelhança entre ambas que tem sido deixados de lado. Vamos a eles.

O primeiro deles é o fato que todo caminho que leva a ARTE começa por auxiliar o ser que trilha tal caminho a se desvencilhar do pesado passado que carrega consigo, da insana absorção em conceitos prontos e de condicionamentos estáticos que foram implantados em cada ser humano nesta Era de escravos em que vivemos.

Aqui tocamos em um ponto sensível. Todo sistema feitor de escravos sempre lutou arduamente para destruir tudo ligado ao Xamanismo, Magia e Bruxaria. Por quê? Por serem caminhos de LIBERDADE. Aqui temos outra definição importante. O Xamanismo, a Magia e Bruxaria sempre foram caminhos de homens e mulheres livres. Que alguns desses homens e mulheres tenham caído em formas de prisão muito mais sutis e perigosas que a prisão deste mundo ao tentarem se aproximar da ARTE é um fato. O qual alerta a todo praticante que arrogância e presunção são estilos de comportamento que nos dirigem diretamente para as iscas que existem no vasto mar que vamos descobrindo quando nos dedicamos a ARTE.

Tanto o Xamanismo como a Magia e a Bruxaria apresentam diversas formas de manifestação. Existem também muitas formas de cultos que nada têm a ver com a essência do Xamanismo, da Magia e da Bruxaria, mas que, ainda assim, se apresentam como tal.

Temos, no tocante da Bruxaria, o agravante de ter sido fortemente deturpada pelas falsas acusações e testemunhas sob o terror de tortura, ou mesmo sob a ameaça dessa. Criando fantasias sem fim que serviam bem aos propósitos dos que desejavam incitar o medo contra tais práticas e conhecimentos. Na Magia temos deturpações como ‘magia negra’. Criação também da Inquisição que ainda hoje assusta a tantos. No Xamanismo, temos um grande número de índios que imitaram formas de agir sem compreender a essência dos verdadeiros xamãs, e assim, repetem hoje ritos e formas, mas sem o poder que caracteriza toda ação de fato xamânica. Mas além destas deturpações temos o XAMANISMO de fato, a MAGIA de fato e a BRUXARIA de fato, sobre estas facetas da ARTE é que falamos aqui. 

Nuvem que Passa - 28/01/2001

Notas

¹ Upasika Kee Nanayon ou Kor Khao-suan-luang foi uma upāsikā (devota e seguidora autodidata não ordenada da tradição búdica theravada) tailandesa de Ratchaburi (1901 – 1978). Após sua aposentadoria em 1945, ela transformou sua casa em um centro de meditação com sua tia e seu tio. Suas palestras e poesias sobre o Dharma eram amplamente divulgadas. Tornou-se uma das professoras de meditação mais populares da Tailândia. Muitas de suas palestras foram traduzidas para o inglês por Thanissaro Bhikkhu, que a considera “indiscutivelmente a principal professora do Dharma na Tailândia do século XX”.

Upasika também é um dos termos que os Mestres ou Mahatmas usavam para referirem-se à H.P. Blavatsky. A influência de Blavatsky foi e é enorme para a cultura ocidental dedicada ao estudo das tradições antigas do Oriente. Fundadora da Sociedade Teosófica, escritora da obra "A Doutrina Secreta", dentre outras. Upasika = servidora, aquele que serve.

² Therion (thēríon) (grego: θηρίον, besta) é uma divindade encontrada no sistema místico de Thelema, que foi estabelecido em 1904 com “O Livro da Lei” escrito por Aleister Crowley.

³ Mitote, segundo Dom Miguel Ruiz, autor do livro "Os 4 Compromissos":

"Toda a sua mente é um nevoeiro que os toltecas chamam de mitote. Sua mente é um sonho em que mil pessoas conversam ao mesmo tempo, e ninguém entende o outro. Essa é a condição da mente humana — um grande mitote. Graças a ele, você não consegue enxergar o que realmente é. Na Índia, o mitote é chamado de maya, que significa “ilusão”. É a noção pessoal do “Eu sou”. Tudo em que você acredita sobre si mesmo, sobre o mundo, todos os conceitos e programas que você tem na mente, todos formam o mitote. Não conseguimos ver quem realmente somos; não conseguimos perceber que não somos livres."

⁴ É muito difícil compreender esse ponto relativo ao SER, pois como alguém que não é pode vir a entender o que É? A simplicidade das palavras aqui pode ser muito enganosa. Talvez uma história possa nos ajudar a entender esse ponto. A história está no último capítulo de Viagem a Ixtlan, trata-se do encontro de Dom Genaro, benfeitor xamânico de Carlos Castaneda, com o aliado, entidade de natureza inorgânica que auxilia o xamã em suas atividades. Para SER é necessário que haja em nós um centro de gravidade permanente, um núcleo ao redor do qual o SER possa se estabelecer e este é mesmo um dos objetivos do TRABALHO sobre si.



quarta-feira, 24 de janeiro de 2024

Há duas espécies de amor.




Há duas espécies de amor.

Um é o amor de escravo.

O outro deve ser adquirido pelo Trabalho.

O primeiro não tem valor algum; só o segundo, o amor que é fruto de um trabalho, tem valor. É o amor que todas as religiões falam. Se você amar, quando "isso" ama, esse amor não depende de você e não haverá nenhum mérito nisso. É o que chamamos de amor de escravo.

Você ama até mesmo quando não deveria amar. As circunstâncias fazem-no amar mecanicamente.

O verdadeiro amor é o amor cristão (Gurdjieff emprega esse termo em seu sentido original e não no sentido corrente), religioso; ninguém nasceu com esse amor.

Para conhecer esse amor, você deve trabalhar. Algumas pessoas sabem disso desde a infância; outros só o compreendem numa idade avançada. Se alguém conhece o amor verdadeiro, é porque o adquiriu ao longo da vida. Mas é muito difícil aprender isso. É impossível começar a aprendê-lo diretamente com as pessoas. O outro sempre nos toca vivamente, põe-nos em guarda e nos dá pouquíssimas chances de tentar.

O amor pode ser de diferentes espécies. Para compreender de que tipo de amor falamos, é necessário defini-lo.
Neste momento, falamos do amor para a vida. Em toda a parte onde haja vida, a começar pelas plantas e pelos animais, numa palavra, em toda a parte onde exista a vida, há amor. Cada vida é uma representação de Deus. Quem puder ver a representação, verá Aquele que é representado. Cada vida é sensível ao amor. Mesmo as coisas inanimadas, como as flores, que não tem consciência, compreendem se você as ama ou não. Até a vida inconsciente reage de uma maneira diferente diante de cada homem e faz eco as suas reações.
O que você semeia você colhe; e não apenas no sentido de que se você semeia trigo colherá trigo. A questão é como você semeia.
O trigo poderá tornar-se literalmente palha. Na mesma terra, pessoas diferentes podem semear as mesmas sementes e os resultados serão diferentes. Mas estas são apenas sementes. O homem certamente é muito mais sensível ao que é semeado nele. Os animais também são muito sensíveis, embora menos que o homem. Por exemplo, X. tinha sido encarregado de cuidar dos animais. Vários deles adoeceram e morreram, as galinhas punham cada vez menos, e assim por diante. Mesmo uma vaca dará menos leite, se você não gostar dela. A diferença é realmente espantosa. O homem é mais sensível do que uma vaca, mas de modo inconsciente.

E se você experimentar antipatia ou ódio, por uma pessoa, será apenas porque alguém semeou algo de mau em você.

Aquele que deseja aprender a amar o próximo deve começar tentando amar as plantas e os animais.
Quem não ama a vida não ama a Deus.
Começar tentando logo amar um homem é impossível, porque esse homem é como você, e, em resposta, o atacará. Um animal, no entanto, é mudo e se resignará tristemente. Eis porque é mais fácil se exercitar primeiro com os animais.

Para um homem que trabalha sobre si mesmo é muito importante compreender que só se pode operar uma mudança nele se ele mudar de atitude em relação ao mundo exterior. 

Geralmente você não sabe o que deve ser amado e o que não deve ser amado, porque tudo isso é relativo; em você, uma só e mesma coisa vai ser amada e não amada, enquanto objetivamente há coisas que devemos amar ou não amar. Daí por que, praticamente, é preferível deixar de pensar no que você quer chamar de "bom" ou "mau" e só agir quando tiver aprendido a escolher por si mesmo. 

Agora, se você quiser trabalhar sobre si mesmo, deve desenvolver em si diferentes atitudes. Não comece pelas coisas grandes, que são inegavelmente reconhecidas como más; exercite-se desse modo:
se amar uma rosa, tente não amá-la; e se não a amar, tente amá-la.
É melhor começar com o mundo das plantas. A partir de amanhã, tente olhar as plantas como nunca as olhou ainda. Cada um de nós é atraído por certas plantas e não por outras. Talvez ainda não tenhamos notado isso. Você deve olhar primeiro a planta, depois trocá-la por outra, observar e tentar compreender por que existe essa atração ou aversão. Estou certo de que cada pessoa experimenta ou sente alguma coisa. É um processo que se passa no subconsciente e a mente não vê. Se você começar, no entanto, a olhar conscientemente, verá muitas coisas, descobrirá muitas "Américas". As plantas, como os homens, tem relações entre si e há também relações entre as plantas e os homens, mas de vez em quando elas mudam.
Todas as coisas vivas estão ligadas umas às outras. Isso se aplica a tudo que vive . Todas as coisas dependem umas das outras.
As plantas agem sobre os humores do homem e o humor deste age sobre o mundo da planta. Durante toda a nossa vida faremos a experiência disso. Até mesmo as flores em vasos viverão ou morrerão em função de nossos humores.


- "Amas-me? Perguntou Alice.

- Não, não te amo! Respondeu o Coelho Branco.

- Alice franziu a testa e juntou as mãos como fazia sempre que se sentia ferida.

- Vês? Retorquiu o Coelho Branco. - Agora vais começar a perguntar-te o que te torna tão imperfeita e o que fizeste de mal para que eu não consiga amar-te pelo menos um pouco. Sabes, é por esta razão que não te posso amar. Nem sempre serás amada Alice, haverá dias em que os outros estarão cansados e aborrecidos com a vida, terão a cabeça nas nuvens e irão magoar-te. Porque as pessoas são assim, de algum modo sempre acabam por ferir os sentimentos uns dos outros, seja por descuido, incompreensão ou conflitos consigo mesmos. Se tu não te amares, ao menos um pouco, se não crias uma couraça de amor próprio e de felicidade ao redor do teu Coração, os débeis dissabores causados pelos outros tornar-se-ão letais e destruir-te-ão. A primeira vez que te vi fiz um pacto comigo mesmo: "Evitarei amar-te até aprenderes a amar-te a ti mesma!"

Lewis Carrol

Auto-estranhamento


Eu não sei dizer quem sou...

Mas sei que não sou o mesmo de outros ontens.

Contudo, quem sabe?

O tempo seria um espelho no qual vejo diferentes passados? 

Ou um jogo de cartas marcadas pela morte?

E se a vida continua quem permanece? Quem desvanece? Quem se esquece ou quem se lembra? 

Nesses momentos o ponto (de interrogação) que sou estremece.

Qual a pergunta que nunca foi feita?

Sou um entrante de mim mesmo?

Como posso modificar o que sou quando o que sou é modificação?

Posso revolucionar-me?

De todas as revoluções há aquela que é mais difícil, apesar de totalmente possível, portanto não utópica, onde tudo favorece em seu desfavor e para a qual não há desculpas, pois esta revolução muito própria e solitária é, ao mesmo tempo, estranha e comum (a todos), na qual o ser só pode vir a sucumbir diante de si. Ou não. 

Eis a solidão do(a) guerreiro(a).

DR


segunda-feira, 22 de janeiro de 2024

Há algum culto à divindade no Xamanismo Guerreiro?

- Há algum culto à divindade no Xamanismo Guerreiro?

- Não. Mas há um culto.

- O que se cultua no X. G.?

- A palavra culto talvez não seja a mais adequada pois está contaminada pela ideia devocional ao divino. Na origem da palavra culto temos a ideia de cultivo, cuidado, plantio. Nesse sentido específico o X. G. é um culto, pois o que se cultiva é o poder pessoal, o autodomínio, a saúde, a sobriedade, a impecabilidade. Não há adoração ao divino. A adoração é uma transferência de energia para o que se está adorando.

- Mas se reconhece a existência de algo divino, de superior, de seres divinos?

- Tudo isso tem um caráter religioso, devocional, mas há o reconhecimento de uma fonte da qual tudo emana. A partir de tal concepção não há e nem pode haver distinção entre superior e inferior, tais conceitos, dentro do X. G., são reflexos de nossa autoimportância. Se tudo emana de uma fonte como poderia existir algo superior ou inferior?

- Então no X. G. o ser humano é o centro do culto?

- Se entendermos que devemos cuidar de nossa própria energia e não cultuar a outrem isso é correto.

- Qual o objetivo de cuidar, cultuar, cultivar a própria energia?

- Isso é autoexplicativo, pois não há razão para não fazê-lo, não há sentido em dissipar a própria energia, contudo somos levados a tal através do imperativo biológico da reprodução da espécie e do condicionamento social baseado no sentimento de autoimportância.

- Mas e a busca da liberdade total, da liberdade de percepção?

- Essa é uma busca abstrata, mediata. O que está posto logo de cara para nós, e que é uma sensação física, corporal, perceptível e facilmente constatável pelo praticante, é o bem-estar que deriva do cultivo da energia pessoal.

- Isso de cultivar a própria energia não é egoísmo?

- Cultivar a energia tem como um dos pilares eliminar o egoísmo no sentido da autoimportância. O egoísmo drena a própria energia pois se baseia na autoimportância. Seres autoimportantes são por natureza carentes, demandam atenção, reverência, devoção, ficam ressentidos se não lhes dão o que acham que merecem. Já que falamos em "divindades" temos um exemplo de ser cheio de si no próprio deus tribal bíblico do antigo testamento, que tem como primeiro mandamento: amar a deus sobre todas as coisas. Tal mandamento na verdade é o primeiro mandamento da autoimportância, pois se assume a existência de algo superior a ser cultuado, ora isso é a ideologia de um predador.

- Devemos então renegar as ideias de religião, deus, bíblia e tudo o mais relativo a tais temas?

- Não, mas devemos estudar e compreender tais temas pois a compreensão nos permitirá perceber como funcionam as armadilhas do predador para nos manter cativos e assim podermos superá-las com elegância e inteligência. Nesse sentido o estudo é uma forma de disciplina mental. Se formos a fundo no sistema de crenças ao qual fomos condicionados podemos resgatar o nosso poder investido nesse mesmo sistema de crenças.

- Que tipo de estudo deve ser desenvolvido nessa direção? Teológico?

- O importante é que seja um estudo crítico, cético, de natureza acadêmica, com método, pois tal disciplina intelectual, usada, por exemplo, pelo nagual Carlos Castaneda e suas companheiras, ajudou-os em sua tarefa de libertar a percepção do sistema de crenças.

- O X. G. é um tipo de ateísmo?

- Tanto quanto era o ensinamento do Buda Sidarta Gautama, pois na verdade essas questões relativas ou não a existência de um deus não interessam ao X. G.

- O X. G. é uma doutrina?

- Não, uma doutrina envolve dogmas, certezas absolutas. A questão é que somos obrigados a usar palavras e a escrevê-las, elas ficam marcadas e exercem algum fascínio sobre a percepção, poderíamos simplesmente dizer, como já foi dito pelo velho nagual D. Juan Matus, de forma bastante pragmática e sóbria, que tudo que estamos aprendendo não é sobre Xamanismo Guerreiro, mas sim sobre como economizar energia para perceber algo que a percepção comum não consegue.





O horror da nossa verdadeira situação

Eles Vivem - 1988 (Resenha) | Canto dos Clássicos


Quase ninguém se dá conta da verdade pois ela é extremamente dolorosa. Dar-se conta e agir de acordo implicaria no abandono de tudo aquilo que é tido como "vida normal". Mas de qual verdade estamos falando? A verdade de que somos escravos, apenas recursos humanos, produtos de exploração, membros de um "humaneiro", tal como há galinheiros ou granjas animais. Por ser tão difícil e cruel esta verdade deve ser desvelada pela fantasia, pela ficção, pela estória, pela arte, mas a ciência pode arranhá-la.

Até hoje não encontraram o tal elo perdido, o mítico ancestral comum, mas se você levantar a hipótese de que somos um OGM derivado desse tal ancestral a coisa começa a se esclarecer e você entende que nunca achará de fato o elo perdido e que a atual espécie humana, homo sapiens sapiens, é propriedade de alguém, pois um OGM é justo isso. A Biologia Sintética é uma ciência antiga. Quem produziu o OGM  torna-se seu "proprietário".

Existe uma parábola oriental sobre um mágico rico que tinha muitas ovelhas. Ele era também muito sovina e recusava-se a contratar pastores ou pagar por uma cerca à volta da sua pastagem. Então, as ovelhas deambulavam frequentemente pela floresta e caíam pelas ravinas. E, acima de tudo, fugiam, pois sabiam que o mágico queria as suas peles e carne, e elas não gostavam disso.

Por fim, o mágico encontrou uma solução: hipnotizou as ovelhas. Primeiro, fê-las pensar que eram imortais e que nenhum mal lhes podia acontecer quando fossem esfoladas. Segundo, sugeriu que era um «Bom Senhor» que amava tanto o seu rebanho que faria qualquer coisa no mundo por ele. Em terceiro lugar, sugeriu que se alguma coisa lhes acontecesse, não seria de imediato, ou pelo menos não nesse dia, e por isso não havia razão para pensarem nisso.

Finalmente, o mágico fez as suas ovelhas pensarem que não eram de todo ovelhas. Sugeriu a algumas que eram leões ou elefantes ou águias, a outras homens, e a outras que elas eram mágicos. Depois disto, ele nunca mais teve de se preocupar com as suas ovelhas. Elas nunca fugiam, mas esperavam pacientemente pelo dia em que o mágico pedisse as suas peles e a sua carne.

Esta parábola é uma boa ilustração do posicionamento do homem. Se pudéssemos realmente ver e compreender o horror da nossa verdadeira situação, seríamos incapazes de a suportar, mesmo por um só segundo. Começaríamos imediatamente a tentar encontrar uma saída e rapidamente teríamos êxito, porque existe uma saída. A única razão porque não a vemos é porque estamos hipnotizados. «Despertar» para o homem significa "despertar da hipnose". Essa é a razão pela qual isso é possível mas, ao mesmo tempo, difícil. Não existe nenhuma razão orgânica para estarmos adormecidos. "Podemos acordar", pelo menos em teoria. Mas na prática é quase impossível. Logo que acordarmos por um momento e abrirmos os olhos, todas as forças que nos causaram o adormecimento se tornam dez vezes mais poderosas. Nós voltamos a adormecer imediatamente, "sonhando" o tempo todo que ainda estamos a acordar ou mesmo despertos" (Em Busca do Ser, Gurdjieff, pags 155 e 156).

Não é à toa que o filósofo Schopenhauer se referiu ao nosso comportamento de rebanho da seguinte maneira:

"A única alegria do rebanho é quando o lobo come a ovelha do lado".




domingo, 21 de janeiro de 2024

Das verdades que só a ficção pode dizer: Eles Vivem (os predadores) - filme

Certas verdades, devido as suas implicações existenciais, filosóficas, culturais, religiosas e sociais, só podem ser ditas pela ficção e através dela nós vislumbramos o real, porque o que chamam de realidade é um espetáculo, um show de horrores, não um sonho, mas um pesadelo do qual só se pode acordar, despertar, escapar, transcender. Os donos do mundo, aqueles que pretendem ser deuses, sabem que mais cedo ou mais tarde a casa vai cair, em cima deles.

Eles vivem ou They Live é um dos primeiros, se não o primeiro filme a denunciar a existência dos predadores, e isso ocorre logo no início do filme na cena onde acontece uma pregação em plena rua por um pastor cego e marginal, um pregador de rua. O filme é antigo, meio tosco, feito nos 80, dirigido por John Carpenter e baseado num conto de 1963, retrata bem a ilusão do sonho americano ao mostrar os miseráveis dos EUA, através de um personagem que acredita piamente no sonho americano, John Nada. As transmissões oficiais de TV são interrompidas por um sinal pirata que tenta alertar os telespectadores que eles estão sendo induzidos a viver num estado de consciência artificial. O filme tem lances muito interessantes!

Ficha Técnica
Título Original: They Live
Gênero: Terror
Tempo de Duração: 94 minutos
Ano de Lançamento (EUA): 1988
Estúdio: Alive Films
Distribuição: Universal Pictures
Direção: John Carpenter
Roteiro: John Carpenter, baseado em estória de Ray Nelson
Produção: Larry J. Franco
Música: John Carpenter e Alan Howarth
Fotografia: Gary B. Kibbe
Direção de Arte: William J. Durrell Jr. e Daniel A. Lomino
Edição: Gib Jaffe e Frank E. Jimenez

Elenco
Roddy Piper (John Nada)
Keith David (Frank)
Meg Foster (Holly)
Peter Jason (Gilbert)
Raymond St. Jacques (Pregador de rua)
Jason Robards III
George Flower


ELES VIVEM

por Bruno C. Martino

“Sabe, eu acredito na América. Obedeço às regras, um dia a chance aparecerá.” diz o protagonista de Eles Vivem, John Nada, enquanto contempla, de um abrigo ilegal para sem-tetos, vários arranha-céus. A frase ufanista do personagem iria cair por terra momentos depois quando ele descobre a “verdadeira” América. O filme é a segunda contribuição de John Carpenter com a independente Alive Films, pois desacreditado com os grandes estúdios após o fracasso comercial de “Aventureiros do Bairro Proibido”, fechou contrato com a Alive para dirigir filmes baratos (mais ou menos 3 milhões de dólares cada). Eu em minha humilde e leiga opinião considero “Eles Vivem” um dos melhores, mais divertidos e mais políticos filmes de Carpenter.

É até difícil de acreditar que um norte-americano tenha concebido um filme assim devido à sua crítica ácida à própria sociedade norte-americana. E mesmo sendo visto anos depois o filme continua mais do que atual.

“Eles Vivem” narra a trajetória de John Nada (o westler Roddy Piper) um andarilho que sobrevive de ‘bicos’ aqui e acolá. Ao chegar em Los Angeles ele arruma um emprego temporário em uma obra, e nela conhece o negro Frank (Keith David de “Enigma do Outro Mundo”) talvez o cara mais conformado com a própria realidade de quem se tem notícia. Eles passam a morar em um terreno baldio, uma espécie de acampamento ilegal para sem tetos onde conhecem Gilbert (Peter Jason, do anterior ‘Príncipe das Sombras’) uma espécie de líder local. Só que esporadicamente durante a transmissão de TV, o pessoal do acampamento recebe uma interferência de uma tv pirata, onde um homem gordo barbudo diz frases como: “Nos induziram a viver num estado de consciência artificial, os pobres e a classe média estão aumentando. Não há mais direitos humanos nem justiça contra o racismo. Querem dominar através do aniquilamento da consciência”. Ninguém dá muito valor às transmissões, mas Nada começa a ficar de butuca em tudo, principalmente na igreja do outro lado da rua, onde Gilbert entra e sai sempre meio desconfiado. Um dia, Nada decide entrar na Igreja e dá de cara com uma espécie de laboratório com diversos óculos escuros na mesa. Além disso, percebe que a música do coral da igreja é gravada. O que ele não vê é que em uma parte do local o mesmo gordo barbudo da transmissão de tv está com Gilbert discutindo como fazer uma transmissão melhor e como trazer mais partidários para sua “causa” que até então não foi explicada no filme. Só que certa noite, várias viaturas e tropas de choque da polícia invadem o acampamento, destruindo tudo e prendendo os ‘cabeças’ da suposta conspiração. No dia seguinte, Nada entra novamente na igreja e leva consigo uma caixa lacrada, mas fica totalmente decepcionado quando vê que a mesma só contém óculos escuros. Sem entender patavinas (será que foram presos porque pirateavam óculos do Paraguai?), Nada normalmente volta às atividades normais só que ao colocar um dos óculos escuros, descobre a cruel verdade. A visão que ele tem é aterradora, ao olhar para um outdoor que oferece viagens ao Caribe enxerga a frase: “Case-se e reproduza”, ao tirar o óculos vê que o outdoor continua a mesma oferta de viagem ao Caribe. Ao colocar novamente e olhar para outro outdoor lê “Obedeça”, em outro “Não questione a autoridade” e assim sucessivamente, até um alto falante fica transmitindo a todo momento a frase: “Permaneça dormindo”.

Mas o momento mais simbólico é quando usando os óculos Nada vê nas mãos de um homem pedaços de papel com as frases : “Este é seu Deus” só que na verdade são notas de dinheiro! A intenção original de Carpenter era usar propagandas reais, mas as empresas obviamente não quiseram ter suas imagens associadas a mensagens subliminares e dominação da mente. Aliás, a filmagem das cenas foram trabalhosas, a equipe primeiro filmava a visão “real” e depois a visão dos óculos, substituindo os outdoors e placas de sinalização por outras com as tais mensagens subliminares, o interessante é que as pessoas que estavam passando por ali nem se deram conta das tais mensagens de ordem o que foi no mínimo assustador para o diretor. Outro fato interessante é que quando se coloca os óculos passa-se a ver em preto-e-branco. Será Carpenter querendo dizer que a realidade colorida que vemos todos os dias não passa de aparência?

Nem precisa dizer que Nada fica totalmente transtornado e ao passar em uma banca de jornal dá de cara com um ser com aparência cadavérica e olhos metálicos. Ao tirar os óculos no entanto vê um homem bem vestido de meia-idade. É aí que Nada se dá conta: “Eles” controlam a mídia, a política e a polícia. “Eles” são os que tem as melhores oportunidades. “Eles” são os donos de imensas fortunas. “Eles” são alienígenas dominando (secretamente) o planeta! O interessante é que os alienígenas sempre são os milionários, políticos, ou seja, a classe média alta, a elite. Vez ou outra há alguns infiltrados na polícia (para garantir a força repressora de rebeldes humanos) e na mídia (para através das mensagens subliminares na propaganda e tv manter os humanos em um estado de dormência) . Já os humanos que têm noção disso, ou se aliaram a eles em troca de poder e dinheiro, ou formaram pequenas milícias com o propósito de destruir os invasores, como é o caso de Gilbert e o pessoal da igreja.

Após descobrir toda a verdade, Nada se sente praticamente traído pela América que tanto amava e acreditava. Agora, a “terra da liberdade” não passava de utopia e aparências, e por mais que ele tentasse subir na vida, “eles” não iriam deixar. É como se Nada se sentisse privado de seu direito de ser alguém, de crescer. Agora ele iria combater os invasores nem tanto para ajudar a América e sim por estar profundamente “p” da vida com eles. E ele se vinga do modo Carpenter: rouba armas de uns policiais aliens e invade um banco dizendo: “Eu vim aqui mascar chiclete e matar gente. E meus chicletes acabaram” e começa a atirar em alienígenas. Ele segue uma regra somente: nunca matar humanos, somente aliens e os últimos sofrem o diabo na mão do herói. Não demora e ele passa a fugir da polícia e acaba se encontrando com Holly (a meio insossa Meg Foster) e a obriga a levá-lo à sua casa e dar-lhe abrigo. Lá tenta explicar tudo à moça só que ela o nocauteia com uma garrafa fazendo o pobre homem atravessar a janela e rolar colina abaixo em uma cena muito bem filmada por sinal. Sem armas e perseguido pela polícia, Nada procura a ajuda de Frank que se mostra relutante sempre dizendo que “não quer se envolver”. Numa das cenas mais memoráveis do filme, ao tentar convencer o amigo a colocar os óculos e não obter êxito pela conversa, Nada apela pra porrada numa seqüência violenta e ininterrupta de socos, pontapés, chutes no saco, mordidas e tudo mais, criando assim uma das lutas de maior duração do Cinema (7 minutos 10 segundos!). Hoje em dia qualquer filme do Jackie Chan ultrapassa essa marca, mas a luta de Nada e Frank por ser totalmente “anti-Cinema”, ou seja ser o mais próxima da realidade possível, ainda causa um impacto tremendo. A luta originalmente deveria ter 20 segundos mas os atores resolveram aumentar sua duração o que agradou ao diretor.

Eles então descobrem que como não podem matar todos os alienígenas devem invadir a emissora de tv Canal 54 e destruir a antena no terraço que é a que manda ondas que mantém os humanos dormindo. Só com a interrupção do sinal os humanos poderão ver a verdadeira face dos alienígenas.

Não é que o filme continua atual depois de décadas? Afinal, o que mudou? A mídia ainda domina (e aliena) a maior parte da população, os ricos ficam cada vez mais ricos e os pobres cada vez mais pobres. Mas assim mesmo é interessante analisar o contexto político que fez “Eles Vivem” ver a luz do dia. Era o governo Reagan que mandava e sua “Reaganomics” era a bola da vez. Um plano político que defendia o neoliberalismo a unhas e dentes. Reagan cortou gastos públicos, diminuiu impostos e privatizou empresas estatais, estimulando as empresas privadas a ocuparem todos os espaços da vida econômica, gerando desemprego e enfraquecimento dos sindicatos. E ainda por cima Reagan insistiu em manter os impostos reduzidos e os gastos militares em expansão e, para equilibrar o orçamento, propôs que os gastos sociais fossem cortados, ocasionando mais desemprego. Não mudou muita coisa no mundo não é mesmo? Segundo Carpenter:

“Eu quis falar sobre um monte de coisas que estavam acontecendo no país naquele momento. Havia essa tendência ao capitalismo selvagem que era um estupidez total. Todos os problemas que eu achava que tinham sido resolvidos estavam de volta: censura, racismo. Mas eu não quis pregar. Então eu peguei um conto e o adaptei”.

O conto em questão foi “Eight O´Clock in The Morning” do escritor de Ficção Científica Ray Faraday Nelson publicado em 1963 na “Magazine of Fantasy and Science Fiction” e Carpenter assina o roteiro como Frank Armitage em homenagem a um personagem do escritor H.P. Lovecraft que aparece no conto “O Horror de Dunwich”. A tal censura que Carpenter dizia sofrer ainda rende uma bem humorada cena lá para o final do filme. Dois críticos de cinema estão conversando sobre a violência na mídia e um solta a seguinte frase: “Cineastas como John Carpenter e George Romero deveriam se conter um pouco”. Ei, quem em sã consciência diria isso? Não se preocupem, eles eram alienígenas mesmo.

Apesar de ter o pique e a cara dos filmes B de ficção científica dos anos 50, “Eles Vivem” guarda certas diferenças interessantes. Como bem disse o jornalista José Geraldo Couto - e que pretendo reproduzir na íntegra, já que é magnífica sua análise - em seu ótimo artigo sobre o filme na extinta revista Set - Terror e Ficção:

“Se naqueles [clássicos B de ficção científica] os invasores eram perigosos porque vinham destruir o american way of life, neste filme são eles que patrocinam e sustentam o mesmo american way of life, apresentando como o verdadeiro mal a ser combatido.” E ele continua: “Enquanto os velhos filmes de marcianos ostentavam um viés nitidamente anticomunista, em Eles Vivem são aqueles que combatem os invasores que são perseguidos como comunistas”.

Além disso, nos clássicos, os heróis sempre eram cidadãos de classe média politicamente corretos. Aqui, são trabalhadores braçais que convivem com a falta de moradia e de emprego. E os heróis interpretados por Roddy Piper e Keith David nem são bonitos ou elegantes, o que os faz parecer ainda mais com pessoas “normais” do dia-a-dia. A trilha sonora habitualmente composta por Carpenter não é lá muito memorável, mas lembra os faroestes das antigas especialmente nas primeiras cenas de Nada caminhando solitariamente pelas estradas da cidade com a mochila na costas. O filme ainda conta com uma das taglines mais legais já vistas: “Você os vê nas ruas/ Você os assiste na TV /Você talvez até vote em um nessas eleições/ Você acha que eles são pessoas como você./ Você está errado.... mortalmente errado.” Sem contar os ótimos efeitos visuais (a maioria simples, mas eficientes) e os de maquiagem. Os aliens-yuppies estão assustadores, basicamente uma cara esquelética com carne e nervos expostos além de olhos metálicos, tudo isso a cargo novamente do maquiador Frank Carissosa vindo do anterior “Príncipe das Sombras” também de Carpenter.

Mas não pense que por conter toda essa crítica social e política e ainda uma certa dose de filosofia, o filme seja chato ou se alongue demais nessas questões como algum Matrix da vida. Pelo contrário, após o protagonista descobrir a verdade, é ação que não acaba mais! São tiros, porrada e reviravoltas a todo momento. O mais interessante é constatar que mesmo sendo um filme pequeno, “Eles Vivem” foi referenciado em diversas outras obras. Em capas de discos de rap, videoclipes, a frase do chiclete que Nada diz ao entrar no banco aparece no jogo de videogame Duke Nukem 3D, e em outro videogame “The Simpsons - Bart Vs. The Space Mutants”, onde Bart Simpson ao colocar um óculos escuros passa a ver quem são os humanos e quem são os alienígenas em Springfield.

Essa pequena pérola da ficção científica só foi lançada em DVD nos Estados Unidos, por aqui somente saiu em VHS e se você tiver alguma sorte até acha em locadoras com bom acervo ou em algum sebo. Fato é que nunca você enxergará o mundo da mesma forma depois de "Eles Vivem". É como dizem: "a ignorância é uma dádiva", cabe a nós aceitarmos ou não colocar os "óculos". Qual a sua escolha?

Bruno C. Martino

Sobre o caminho

Desconfie completamente do sistema, que esta seja a tua fé quando tratar com instituições e com a elite deste mundo. Confie absolutamente na...