Caminhos da Terra - 2ª parte

terça-feira, 21 de julho de 2015

Como já notaram não sou de escrever pouco, é que a meu ver, as palavras podem gerar tanta confusão que acredito sempre necessário localizar cada mensagem dentro do contexto adequado.

Volta e meia discutimos sobre alguns temas aqui e lá pelas tantas surge um mail: "Gente tá boa a discussão sobre o tema y, mas, pleeeeaaase, o que é o tema y?"

Por esta razão antes de falar como o xamanismo aborda a questão da reencarnação temos que lembrar como as outras correntes avaliam. A religião católica coloca que vc tem uma vida, esta nasce, cresce e se viver de acordo com um código moral tem chance de ir para o céu, um lugar estático, final, "imerso no amor de Deus", se pecar, isto é, ir contra aqueles mandamentos da lei mosaica, se não "amar seu próximo" já vai para o inferno, onde queimará, segundo os mais modernosos da igreja o queimar é simbólico, arde ficar fora do amor divino. Conta-se que para contentar os banqueiros e a burguesia nascente que cometia a usura, tida por pecado pela igreja, criou-se o purgatório, lugar intermediário, onde temporariamente paga-se os pecados e depois vai para a glória do céu.

Interessante: Céu em cima, inferno em baixo.

Céu fresco(clima), inferno quente.

Aí no século passado surgiu H. Rivail D. que ficou conhecido com o pseudônimo (segundo ele de uma encarnação druídica ou celta não me lembro bem) de Allan Kardec.

Ele, alegando influência dos espíritos, usando mesa, tábua owija, copo e alguns médiuns psicógrafos, escreveu uma série de livros que constituem até hoje as bases do que se chama de espiritismo.

O espiritismo kardecista coloca que o mundo é cercado de dimensões espirituais, as mais baixas, zonas pesadas, onde ficam os "sofredores e perturbadores”, permeia a própria terra, há uma zona de transição, o umbral (esta palavra quer dizer porta) e depois as dimensões de luz onde vivem os espíritos mais puros e evoluídos.

É uma doutrina principalmente moral, prega valores como caridade e amor. Para os espíritas somos formados de um espírito (essência sem forma) que é revestido de um perispírito, corpo fluídico e espiritual e quando nos encarnamos de um corpo físico.

Para os espíritas evoluímos vida após vida, trocando de corpo físico mas mantendo no perispírito nossas aquisições quer "boas" quer "más". Acreditam que após a morte vivemos em colônias espirituais e o estilo dessas colônias foi delineado pelo médium brasileiro Chico Xavier, em si pessoa admirável, que através do que acreditam ser o espírito de André Luiz, um médico brasileiro desencarnado, psicografou obras clássicas, como "Nosso Lar" onde descreve a vida nessas comunidades, que tem tudo igual uma comunidade daqui, só que politicamente correta. Tem até dinheiro (sim o capitalismo venceu lá também !!!!) e ônibus. Quando alguém vai reencarnar vai até o ministério da reencarnação onde através de estudos complexos, um grupo de espíritos encarregados dessa área escolhe os pais adequados ao "resgate" do carma de quem reencarna. Para os espíritas vamos ficar reencarnando e reencarnando até "pagar" todas nossas dívidas. Quando o espiritismo surgiu no século passado era bem mais rudimentar. Nem cristão era, aliás, existe um texto de Madame Blavatsky criticando o espiritismo no qual ela diz que a nova doutrina era tão confusa que ia acabar adotando os dogmas cristãos para sobreviver...

Falando na Condessa Russa, foi ela que trouxe ao ocidente outro movimento importantíssimo que também investigava essa questão sempre inquietante do "de onde viemos, quem somos e para onde vamos." Helena Petrovna Blavatsky foi daquelas mulheres admiráveis que o mundo vê surgir de vez em quando. Teve um casamento forçado com o Conde Blavatsky, de onde vem seu sobrenome e título, mas fugiu logo e passou a se aventurar no Egito, onde aprendeu com magos e iniciados, esteve lutando ao lado de Garibaldi na Itália, foi ao Tibete e andou por um grande número de locais. É ela que traz para o ocidente uma nova e fecunda visão deste tema.

A Teosofia que ela apresenta ao ocidente, através de seus livros: ÍSIS sem Véu e depois, sua obra magna: "A doutrina secreta", que é até hoje muito estudada.

Foi a primeira a falar em nomes como El Morya e Mestre Kut Hoomi e ainda em vida escreveu: "Se soubesse que o nome dos mestres seria tão vilipendiado e usado por mentes tão tacanhas para dar autoridade a mensagens tão pueris teria preferido nunca ter revelado nada sobre eles". Imagino o que escreveria se visse o que acontece hoje. Esses mestres não eram seres de outros mundos nem entidades espirituais, eram homens que viviam na Índia e no Himalaia, ela mesmo conta de que certa vez passeando num jardim em Londres qual não foi sua surpresa ao ver um de seus mestres junto com uma delegação hindu entrando no palácio para ver a rainha. Bem a Teosofia partilha de um ramo que os hindus chamam de Atmistas. Para eles existe o ATMA, a centelha espiritual, emanada da fonte no principio da existência. Como entre os hindus a existência é cíclica, tem períodos como o que estamos, chamados Manwantaras, onde existimos e outros de "não existência” chamados de "Pralaya", onde tudo cessa de existir. O Atma emana um corpo causal, um corpo onde fica impregnado cada experiência de vida que um ser tem. Esse corpo causal gera um corpo mental (manas rupa) um corpo emocional (kama rupa) um corpo etérico (linga Sharira) e finalmente surge o corpo físico.

Após uma vida o ser perde o corpo físico e o corpo etérico, pode manter o corpo astral por um tempo, é interessante que o termo astral ficou muito confuso desde então, pois esse corpo astral é o corpo emocional, nada tendo a ver com o corpo astral dos alquimistas, que tem outro sentido, como corpo formado pela energia dos astros. É no plano astral que estão as ditas cidades espíritas, e todo o tipo de ilusão possível. Quando o ser "morre" neste plano deixa o corpo astral para traz, é esse corpo que eu coloquei que alguns elementais usam para, como "fantasmas", atormentar muitos e entrar em sessões espíritas para tomar a energia dos que ali estão. O plano mental é chamado Devacã e é uma espécie de paraíso temporário. Quando perde esse corpo o ser tem toda a sua vivência captada e registrada no corpo causal.

Dali ele começa de novo o caminho gerando um novo corpo mental, um novo corpo emocional e um novo corpo etérico e físico e uma nova vida. Embora traga os "karmas" e "tendências" das vidas anteriores, seus corpos são novos, daí que nada, ou pouco, lembra de outras vidas. Ao contrário dos espíritas os Teósofos aceitam a realidade dos elementais e dos rituais, embora considerem que a magia, que chamam de "ocultismo prático" seja um campo perigoso, para só ser adentrado sob estrita supervisão de iniciados experts no assunto.

O espiritismo kardecista nega o valor da magia, dos rituais e não leva em conta a existência de elementais.

Para o espiritismo existem espíritos puros ou impuros e fica por aí.

A teosofia tem um conceito muito interessante.

Até o nível dos animais existe uma coisa chamada alma grupo, isto é, imagine uma esfera, que é a alma grupo dos cães. Uma parte dessa esfera se desprega, encarna como cão, tem uma vida e ao morrer se reintegra nessa alma grupo, partilhando com o todo a experiência adquirida.

Chegamos no Xamanismo. Para um xamã o ser humano pode ser comparado a um aglomerado. Vou usar como exemplo um balão cheio de fibras óticas. De todas essas fibras, que seriam jeitos de ser, de agir, de pensar e sentir, apenas algumas são ativadas, pelas vivências. Esse pequeno conjunto de fibras ativadas chamamos de "personalidade". Esta personalidade não é algo fixo nem final, variamos de humor, acreditamos numa coisa hoje, noutra amanhã, mudamos nosso modo de ser várias vezes, mas tudo dentro de um grupo de opções. Quando uma pessoa morre essas fibras se espalham, como na alma grupo voltam para um tanque global. Quando outra pessoa vai nascer as fibras se misturam de novo. Este novo ser que nasce vai ter fibras oriundas de vários outros.

Daí que pode ter um medo ou uma afeição que veio de um indivíduo. Se fizer uma regressão vai acreditar que "foi o fulano" na outra vida, mas não há um "eu" passando de vida para a vida, há aglomerados que se combinam e recombinam, como muitas peças de lego dentro de uma caixa que a cada vez que com ele brincam vai estar numa peça diferente, hoje monta uma casa e diz: "Oi, eu sou casa", amanhã é parte de um carrinho e diz: "Oi, eu sou carrinho".

Os sufis de algumas linhas propõe o mesmo colocando o exemplo de um tapete. Vários fios são usados para fazer um tapete e o tapete quando pronto vai para a tenda do Sheik. Então o tapete fica velho, volta para o tapeceiro que o desfaz e com os fios desse tapete, somados aos fios de outro tapete que desmanchou passa a tecer outros tapetes. Então um dia o novo tapete que dos seus 130 fios, tem uns 20 que vieram do tapete do sheik acorda e diz: Tive um sonho: Sonhei que era um tapete na tenda do Sheik. Aí vaí no tapete que faz regressões e acaba acreditando que ERA o tapete que estava na tenda do Sheik. Mas ele não "é" este tapete, ele tem "fios" desse tapete. Quem assistiu o filme "O pequeno Budha" tem aqui a chave para entender como o Lama Dordje reencarna nos 3 personagens, no menino americano, na menina e no menino hindu.

Para nossa cultura que está apegada a personalidade isso é quase uma heresia, além do que o esoterismo comum aborda sempre a visão espírita da reencarnação.

Para o xamanismo, assim como para o sufismo, o taoísmo e alguns ramos do Budhismo, não somos imortais.

Somos imortalizáveis.

Podemos, se trabalharmos arduamente, gerar em nós um centro perene e só então podemos dizer que vamos "reencarnar".

Antes disso somos aglomerados de karmas que herdamos de vários outros seres. Para o ego isso é a morte, não poder dizer: "eu já fui a rainha da França, o mago do Egito, na minha vida anterior, e tantas outras frases que servem para reforçar esse ego ilusório que, unanimemente em todas as tradições, nos mantém afastados das reais chances que temos.

Por isso toda iniciação começa pela morte.

Todo ritual tradicional começa pela morte do neófito, ou seja, sua libertação do aglomerado de "personas" que ele carrega e o início do gerar de seu centro real, permanente a partir do qual vamos começar nossa aventura de ir mais e mais além.

Aliás o termo correto não seria pois reencarnação, mas transmigração.

O mesmo tema encontrei entre pessoas que estudaram profundamente certos mistérios gregos relacionados ao Pitagorismo, pessoas que estudaram algumas escolas druídicas, vamos encontrar em várias vertentes do sufismo e do budhismo.

Vou tentar usar uma analogia física para colocar essa idéia. Existe em física um conceito chamado vetor. Um vetor é a expressão da força que atua sobre um corpo. Imagine um tijolo em cima de uma tábua estreita, na horizontal. A força da gravidade puxa o tijolo para baixo, mas a força normal mantém o tijolo em seu lugar, como soma dos dois vetores se anulam, podemos dizer que o vetor resultante é zero, daí que nada acontece, fica o tijolo onde está. Mas se colocarmos a tábua na diagonal, os vetores se alteram e o tijolo vai começar deslizar pela tábua.

A direção de deslocamento do tijolo é determinada pelo vetor resultando, que é a soma dos vetores envolvidos. Mas note que o vetor resultando, embora seja a única força notável no processo, pois determina a direção do deslocamento, não existe em si, é resultante, é a somatória de todos os vetores envolvidos. Para os xamãs e iniciados com os quais estudei o que chamamos de "eu" é este vetor resultante.

Embora pareça existir e seja mesmo o que notamos em nós como real, não tem existência em si, é fruto da interação de muitos outros fatores em nós. Basta alterar um desses fatores e tudo se altera. Assim pegamos as pessoas cada manhã acordando com um estado de espírito, com uma opinião diferente. Iniciar-se seria aprender a gerar seu próprio vetor, isto é, ser movido não mais pelo tanger de forças externas, mas desenvolver uma coisa muito falada , mas pouco presente: VONTADE.

A partir daí o ser se torna uma individualidade, a partir daí o processo de resgate e realização do self acontece, a partir daí a individuação ocorreu e então é que começa a aventura do iniciado, estar vivo e atuante, senhor (a) de si num mundo instigante e misterioso.

Antes disso somos joguetes nas mãos de forças as mais diversas, memória coletiva, memória racial, força dos planetas, karmas raciais e tantas outras forças que nos tangem prá lá e prá cá, sem esquecer a mídia, a engenharia social e religiosa que os grupos que pretendem dominar o mundo estão sempre usando.

Nuvem que passa
29/12/1999

18 comentários:

BENVOLIO disse...

Agradeço a você, Nuvem que Passa. Finalmente tirei minhas dúvidas sobre a idéia de reencarnação.
Questão: dá para percorrer o caminho sozinho? D. Juan Matus diz que só um louco se aventura por aí sozinho... Seria a internet esse caminho coletivo tão esperado?

Benvolio
bes.benvolio@gmail.com

F.A. disse...

Oi, Benvolio!

Nuvem que passa ou Júlio César Guerrero é um amigo, estudante e praticante de xamanismo, que faleceu em out/2002. Estou divulgando seus textos porque ele sempre desejou que fossem divulgados e feitos em livro.

Se me permite responder posso dizer por mim mesmo que nunca estamos sozinhos. Há algo que é como uma testemunha silenciosa a presenciar misteriosamente nossos atos. Todos estamos misteriosamente conectados uns aos outros e ao intento, importa é refinarmos esse elo de conexão para que possamos realizar o mistério de nós mesmos em nós mesmos.

A teia da internet parece refletir a teia real do espírito que nos une.

Paz e Luz,

F.A.

oanonimo disse...

FA
Não tenho dúvida que estamos conectados e que os nossos conhecimentos também são compartilhados, eu estou no intento a 1 ano e sempre "sozinho" e não quanto mais você trabalha a expansão da consciência mais informações você ira receber.
Acredito que atenção a sua volta é fundamental, somos condicionados a achar que a maioria das coisas acontecem por "acaso", trabalhar essa percepção é muito importante para seguir no caminho.

na paz,
oanonimo

F.A. disse...

É isso, Anônimo!

Ao aumentarmos nosso nível de bem-estar, de saúde, de qualidade de vida aumentamos a nossa energia e a nossa percepção, ficamos então mais conscientes e antenados com relação a nossa conexão ao espírito e mais atentos aos seus sinais. Assim presentimos que algo nos guia, é como uma presença que pode ser sentida mas não tocada. Aos poucos o caminho, o nosso caminho, vai se delineando e vamos encontrando pessoas e situações que são para nós verdadeiras manifestações do espírito, autênticos sinais se revelam em meio ao nosso cotidiano que sendo o mesmo de sempre adquire também uma espécie de magia onde o aparente acaso e a aparente coincidência tornam-se um indicador precioso do que devemos ou não fazer.

Paz e Luz,

F.A.

BENVOLIO disse...

Fernando,

Retorno a este post depois de uma leitura do livro "A Física da Alma" de Amit Goswami. Os textos se complementam "simpaticamente". Lá, Amit nos chama a atenção para uma consciência quântica, infinitesimal, que se diferencia continuamente espacial e temporalmente. O Eu é só uma atualização pontual e sempre provisória desse processo. Como diz Nuvem que Passa, é esta "consciência quântica" que transmigra e não o Eu.
Nessa perspectiva, a linha teórica xamânica, apontada por Nuvem, é aquela que melhor esclarece o problema e destrava as armadilhas, construídas ao longo do tempo, pelas diversas correntes religiosas que ingenuamente absolutizam pontos de vista parciais de natureza e finalidade egocêntricas.

É bom que os "fios" do pensamento de Nuvem que Passa possam ser aproveitados "n" vezes por outros tais como este transitório Eu.

Benvolio

Martyn disse...

depois de ler o texto sobre ponto de aglutinação fiquei com dúvida sobre o mundo espiritual e a eternidade q pega o q emprestou :D

http://pistasdocaminho.blogspot.com/2008/08/ponto-de-aglutinao.html

agora estou tranquilo sobre o mundo espiritual


"A 2ª Morte" - Pelos Espíritos André Luiz e Altino, obra mediúnica de R. A. Ranieri"

esse livro te a ver com o caminho da terra - parte 2???

dilenia disse...

Olá F.A.
Gostei muito do artigo de Nuvem que Passa sobre a reencarnação, realmente sempre tenho muitas dúvidas sobre o tema,não sei se voce pode me aclarar, Nuvem que passa diz: "aprender a gerar seu próprio vetor"" A partir daí o ser se torna uma individualidade",si chegamos a lograr isso que sucederia depois da morte? seremos concientes de nossa individualidade? ou voltaremos a ser um fio en um outro tapete?
Também gostaria de dizer que gostei muito do que voce disse de que nunca estamos sozinhos, eu também tenho sentido isso, agradeço muito tudo o que voce falou, porque as vezes me sinto culpada por ter abandonado todos os grupos e ter iniciado um caminho solitario.

dilenia disse...

*Vôo solitário*
As condições de um pássaro solitário são cinco:
Primeiro, que ele voe até o ponto mais alto;
Segundo, que ele não anseie por companhia, nem a de sua própria espécie;
Terceiro, que dirija seu bico para os céus;
Quarto, que não tenha uma cor definida;
Quinto, que tenha um canto muito suave.
(San juan de La Cruz, Dichos de Luz e Amor)
Texto retirado do livro "Portal para o Infinito"

Fernando Augusto disse...

Dilênia,

entendo que individualidade aqui é um termo usado no sentido de se ter um mínimo de autonomia existencial, onde a nossa vontade é capaz de tomar decisões fazendo com que a nossa vida se torne algo mais do que a mera resultante de influências externas.

Compreendo também que nosso interesse pelo que vai nos acontecer na morte já foi bem solucionado pelo seguinte pensamento:

Ou há uma sono sem sonhos ou então continuamos a sonhar.

A tarefa nossa é então nos aperfeiçoarmos na arte do sonhar, sermos capazes de agir conscientemente em nossos sonhos, de forma controlada, deliberada e intencional. Quando tal acontecer poderemos dizer que temos um outro nível de individualidade e de autonomia existencial, que nos fará perceber que mesmo essa vida é um sonho sonhado por muitos, mas que nós não precisamos necessariamente partilhar dele. E isso nos conferirá um outro nível de individualidade.

Individualidade = autonomia = vontade = capacidade de tomar decisões e assumir a responsabilidade pelas mesmas.

No intento,

F.A.

Eduardo disse...

Seria então a chamada "projeção astral" ?

Fernando Augusto disse...

Eduardo,

Para os xamãs não seria a projeção astral, pois esta implica numa saída do corpo e para os xamãs nós não somos prisioneiros do corpo, somos antes prisioneiros da fixação do ponto de aglutinação, para os xamãs nós somos multidimensionais ;-)

Tentar compreender uma visão de mundo com uma ferramenta conceitual de outra visão não é aconselhavel, embola o meio de campo ;-)

É como tentar explicar Keynes usando os conceitos da escola monetarista...creio...

No intento,

F.A.

Eduardo disse...

É o tipo de resposta que eu esperaria ouvir do Nuvem *rs
Falando nele, sigo aguardando a publicação do livro e gostaria de ajudar se precisarem.

Sinto muito, me perdoa, eu te amo, SOU GRATO

Fernando Augusto disse...

Agradeço a disponibilidade, Eduardo ;-)

Estamos aos poucos construindo as condições materiais para editarmos o livro do Nuvem.

No intento,

F.A.

Martyn disse...

Os centros da máquina humana

Antes de tudo, necessitamos compreender que somos “pessoas-máquinas”, simples marionetes controladas por agentes secretos, por Eus ocultos. (Samael Aun Weor)


http://www.gnosisonline.org/textos-especiais/os-centros-da-maquina-humana/

Martyn disse...

Vida após a vida - parte 6/6

http://youtu.be/EmWNMvlv9a0

extraído do filme "Viagem Interna" (este filme foi repassado como "o segredo 2" mas não existe este vídeo, o original foi feito na India e se chama Viagem Interna)

...
só pra ilustrar! :D...

Martyn disse...

Dom Juan afirmava que o raciocínio dos feiticeiros antigos,
para explicar a recapitulação, era sua convicção de que existe uma
inconcebível força de dissolução no universo, que faz os organismos
viverem emprestando-lhes consciência. A mesma força também faz os organismos morrerem, para extrair deles a mesma consciência
emprestada, que os organismos aprimoraram através de suas
experiências de vida. Dom Juan explicou o raciocínio dos feiticeiros antigos. Eles acreditavam que, como essa força estava atrás de nossa experiência de vida, era de suprema importância o fato de que ela poderia se satisfazer com um fac-símile de nossa experiência de vida: a recapitulação. Ao receber o que deseja, a força de dissolução deixa
os feiticeiros livres para expandir sua capacidade de perceber e de
chegar com ela aos confins do tempo e do espaço.


A Arte do Sonhar
http://www.viagemastral.com/gva/viewtopic.php?f=9&t=9684

...
os inorgânicos tiveram a quem puxar :D...

del carvalho disse...

grata pelos textos
se algum dia publicarem o livro por favor me incluam como compradora
grata

Unknown disse...

Muito boa a explicação e,principalmente a comparação feita pelas diversas correntes sobre a questão da encarnação.
Parabéns e fico aguardando notícias sobre a publicação do livro