Uma estória além da sintaxe mais documentário

terça-feira, 31 de março de 2009

Segundo um praticante do sonhar, companheiro na feitiçaria revelada pelo velho nagual ao seu aprendiz Carlos Castaneda, existem em outras camadas da realidade mundos apenas masculinos. Em um desses mundos percebe-se que uma certa agressividade permeia o ar, mas não é algo destrutivo, suicida, porque há também um certo humor, um certo cuidado e respeito associados a um estado de alerta e prontidão para a ação. Nesse mundo há também certos entes com os quais se pode interagir estabelecendo uma homeostase fundamental para a manutenção de tal mundo.

Esses entes são interessantes, vivem em florestas, assemelham-se a esferas multicores vivas, conscientes, aglutinadas como num recife de coral, possuem um brilho interno, com preponderância do amarelo, pode-se passar através deles com nosso corpo de energia. Tal interação produz um prazer muito singular, não sexualizado, mas o detalhe interessante e fundamental é que tal interação promove um estímulo no brilho da consciência e uma transformação da energia criadora. Essa interação nada tem de semelhante com o ato sexual, é algo além da sintaxe (palavrinha da moda entre nós). "Acorda-se" desta experiência onírica com uma sensação de sono bem dormido e um com um vibração peculiar que tem origem nas glândulas sexuais, que parecem estimuladas e com a produção hormonal típica de um jovem adolescente. O resultado é um alto nível de vitalidade e sobriedade.

Considerando que a energia sexual é o brilho da consciência podemos inferir de forma natural o porquê de muitos guerreiros (as) serem abstêmios. Eles (as) têm acesso a um nível de consciência onde o ato sexual comum e corrente é um pálido reflexo do êxtase ou arroubo conseguidos via sonhar. Na verdade, eles podem (e qualquer um pode fazê-lo conseguindo assim desprender-se da obsessão sexual que marca a nossa cultura globalizada, onde o sexo tornou-se uma forma de tráfico) trabalhar a sua energia no sentido de estimularem o brilho da consciência a partir de um outro nível de interação, regidos não pelo imperativo biológico e sim pela aspiração de fazer evoluir a percepção. Compreende-se, então, perfeitamente, a frase do velho nagual quando o mesmo diz que a energia sexual rege o sonhar. Isso é como dizer que o brilho da consciência, que, obviamente, confere consciência, é que dá origem a percepção, e portanto, ao sonhar. Para um sonhador consumado isso não será praticamente uma tautologia? Há que se cultivar tal brilho.

É isso que ilustra, por exemplo, a pintura encontrada na Guatemala, numa pirâmide maia, no complexo arquitetônico encontrado em Tikal, São Bartolo e El Mirador. Infelizmente, arqueólogos condicionados por sua própria sintaxe, só puderam ver que o rei maia cortava o próprio pênis. Segundo esses PHDs, uma forma de sacrifício de sangue para obter a graça dos deuses***. Não poderia passar por suas cabeças que aquelas imagens desenhadas em pedra relatavam o mito da criação maia, transmitindo-nos o conhecimento de que no sexo está o brilho da consciência, uma doação feita para que tivéssemos vida (o sangue como elemento de conotação da vida), consciência e percepção. Chega a ser hilário como nossa arrogânca intelectual se mostra mais do que ignorante, apresenta-se burra com ares de sábia.

Uma outra questão surge dessas viagens ao desconhecido: como visitantes de outros mundos não somos nós os alienígenas, fazendo o papel inverso daqueles que vêm nos visitar e que têm origem em outras realidades, em outros mundos? Somos os alienígenas que moramos nessa camada da realidade?

Nós, os alienígenas. Melhor dizer sonhadores, seres capazes de fixar o ponto de aglutinação em outras realidades. Realidades que são como esta, geradora de energia e onde podemos viver e morrer.

*** Ver o documentário do History Channel - A origem dos Maias.

Sincronicidade por Nassin Haremein

segunda-feira, 30 de março de 2009

OVNIs sobre os Andes

domingo, 29 de março de 2009

Houve uma época que o homem achava que a terra era o centro do universo e que ele era a criatura mais elevada da criação. Essa idéia parece ainda vigorar do ponto de vista do próprio homem que se acredita única criatura pensante e inteligente do cosmos. Considerar-se pensante e inteligente não é inclusive uma indicação clara de nossa própria auto-importância quando não conseguimos controlar o nosso pensar e somos incapazes de resolver problemas tais como um simples resfriado?

As evidências, relatos, testemunhos, sinais e indicações pelo planeta todo de uma inteligência além da inteligência humana são tantas que pelo tamanho e natureza evidenciam apenas o estado de adormecimento em que vive a maior parte de nós. Esse estado de adormecimento não é natural, é induzido e criado artificialmente.

Eis aqui mais um documentário que pela seriedade, clareza e qualidade é mais um dentre tantos a nos indicar que precisamos acordar e deixar de lado a nossa auto-importância porque não estamos sós e não somos em absoluto a coroa da criação.

Recebi ontem a indicação desse link e repasso pra vocês.

http://rapidshare.com/files/210527606/OVNIS_Sobre_os_Andes.part1.rar
http://rapidshare.com/files/212385681/OVNIS_Sobre_os_Andes.part2.rar
http://rapidshare.com/files/212397802/OVNIS_Sobre_os_Andes.part3.rar

Esse documentário do Discovery Channel apresenta o caso Valdez, o testemunho de um sociólogo e de um astrônomo durante a transmissão de um programa e rádio, uma série de filmagens não-fraudulentas de ovnis, dentre outras abordagens sobre o tema OVNI na América do Sul, em especial sobre a cordilheira andina.

F.A.

A Música de Meeta Ravindra

Meeta Ravindra nasceu na Índia, em Sewagram, aldeia fundada por Mahatma Gandhi. Iniciou sua carreira aos cinco anos e, estudando com eminentes gurus e professores, conquistou aos quatorze anos, o primeiro prêmio no "Bhajan Sangeet", música devocional, num concurso de nível nacional, em Mumbai. Completou sua formação na universidade de Nagpur, com distinção em música.


Dona de uma voz que altera o estado de consciência dos ouvintes, foi uma das vencedoras, em 1993 na Índia, do concurso de Ghazal, uma modalidade da música clássica, sendo premiada com um contrato junto à gravadora CBS-Sony (Índia).


Há vários anos estabeleceu-se no Brasil, tornando conhecida e apreciada a música clássica indiana através de apresentações em teatro, rádio e televisão.


Administra aulas, cursos e workshops sobre variados assuntos para promover a cultura indiana.


Fundou a Associação Cultural Índia-Brasil com o intuito de aproximar a cultura destes dois países.


Foi honrada pelo governo indiano, em reconhecimento ao seu talento e pela divulgação da música clássica indiana no Brasil.


Download do CD Melodia dos Chacras, de Meeta Ravindra - AQUI!

Nassin Haramein: um físico

sábado, 28 de março de 2009

Nassim Haramein é um físico com uma visão extremamente revolucionária e uma didática excepcional. Seu jeito para explicar as teorias mais complexas é cativante e mesmo que você não entenda parte do que ele diz a maneira como o faz e aquilo que fala nos leva a aprofundar-nos no conhecimento. Os vídeos abaixo são apenas a 3ª parte de uma conferência de mais de 8 horas sobre buracos negros, pirâmides, teoria do campo unificado, geometria sagrada, dimensões, hiperespaço, civilizações antigas, inteligências extraterrestres, estrutura do vácuo e por aí vai. Simplesmente imperdível e fascinante!

































Os Círculos Ingleses de 2008

sexta-feira, 27 de março de 2009

Todo ano entre agosto e setembro na Inglaterra e em outras partes do mundo uma mensagem ou várias mensagens são deixadas sobre os campos formando gigantescas figuras geométricas - 0s crop circles -, demonstrando o intento de uma inteligência que usa uma tecnologia diferente e que imprime nos campos um padrão que nenhuma tecnologia humana conhecida pode fazê-lo. Tais mensagens geométricas são deixadas durante a madrugada, a despeito das condições climáticas e apesar de seu tamanho, por vezes gigantesco, e complexidade são feitas com rapidez, elegância e precisão. A grande imprensa tem se negado a divulgar essas mensagens, inclusive a mensagem que constitui uma resposta a mensagem que os humanos enviaram da antena de Arecibo em 1972, através do cientista Carl Sagan e outros. A resposta surgiu 30 anos depois e trata-se de uma mensagen direta e objetiva escrita em código binário.

Eis os últimos crop circles que surgiram:












Homenagem a Morte com Mantra

O mago que ficou doente

quinta-feira, 26 de março de 2009

Houve certa vez, um mago que ficou doente. Toda a medicina que ele tentou apenas o fez sentir-se pior e então ele consultou seus livros mágicos. Lá ele encontrou escrito que deveria viajar para servir, então ele decidiu sair e vagar pelo mundo até que se sentisse melhor.

No primeiro dia ele encontrou uma fonte de água fresca brotando para fora da Terra. Várias mulheres de uma aldeia próxima estavam enchendo seus jarros e lavando suas roupas no manancial. O mago perguntou para as mulheres se ele poderia beber um pouco daquela água pois sentia muito calor e estava sedento.

- “Nem se você virar pó diante de meus olhos”. Disse uma das mulheres. E todas as outras eram igualmente rudes e nada amigáveis. Todas, com exceção de uma, que olhava amavelmente para o mago sedento e disse para suas companheiras:

- Nós podemos ceder desta água para um pobre homem, sim.

Enquanto o mago bebia ela disse:

- Existe um cantinho em nosso celeiro pronto para você se você desejar dormir lá esta noite.

O mago agradeceu por sua generosidade e foi para casa com ela.

O marido da mulher os encontrou na porta.

- Quem é este que você trouxe casa? Ele perguntou.
- Um estranho,- disse a mulher - e nosso convidado para esta noite.
- Então entre e seja bem-vindo. - disse o homem - Eu prepararei a mesa.
- Eu receio que só possa comer carne de boi, fresca. Disse o mago, que tinha notado que eles tinham uma única vaca presa próximo a sua casa.
- Então eu devo ir e matar a vaca,- disse o homem sem vacilar - Só o melhor é bom o suficiente para um convidado.

Aquela noite eles todos comeram bem, e o mago foi dormir no celeiro. Quando ele deixava a casa ele pode ouvir a mulher dizer baixinho para o marido que ela não sabia o que fazer agora que a única vaca tinha sido morta.

Na manhã seguinte, o casal foi despertado pelo mugir de uma vaca no lado de fora.

- O que pode ser isso? Perguntou a mulher.
- Não sei. - disse o homem - Nós só tínhamos uma vaca e nós a comemos na noite passada.

Eles saíram e para seu assombro lá estava sua própria vaca, sã e cordial como sempre, e muito viva.

Mas não existia nenhum sinal de seu convidado.

Enquanto isto o mago continuou seu caminho e, quando o sol estava alto no céu, ele encontrou um homem juntando mato.

- Ei, irmão, você não progredirá deste modo. Disse o mago.
- O que mais posso fazer, - respondeu o homem - não existe nenhum outro trabalho para mim.

O mago acenou uma das mãos e os ramos e galhos secos se transformaram em um magnífico vinhedo, cheio de uvas maduras e prontas para colher e fazer vinho.

- Prospere, irmão. Disse o mago e ele continuou seu caminho.

Mais à frente, ao longo a estrada, ele viu um homem caminhando tristemente entre uma alameda de árvores mortas.

- Olá, é um belo pomar este que você tem! Disse o mago. E de fato, as árvores de repente estavam cheias de frutas.

- Prospere e fique bem, irmão. Disse o mago continuando por seu caminho.

Perto dali, ele viu um homem carregando pedras em suas costas.

- É um belo rebanho de ovelhas o que você tem, meu amigo. Disse o mago. De uma só vez todas as pedras se transformaram em gordas ovelhas.
- Prospere, amigo. Disse o mago e continuou seu caminho.

Por um ano inteiro ele viajou fazendo ações deste tipo, até que ele estava completamente curado de sua náusea. Então decidiu retornar e ver como estavam as pessoas que ele ajudara.

Primeiro ele encontrou o homem cujas pedras ele transformara em ovelhas. O homem sacrificou todas os animais e estava tendo um enorme banquete.

- Você pode me dar um pouco desta carne que me parece deliciosa? Pediu o mago.
- Cai fora! Gritou o homem. - Você me ajudou a cuidar das ovelha?
- Dê-me pelo menos um pedacinho, por caridade. Disse o mago.

Mas o homem apenas gritou para ele ir embora. O mago acenou suas mãos e as ovelhas assadas voltaram a ser pedras.

Então ele continuou sua jornada até encontrar o pomar, onde homens estavam ocupados colhendo frutas.

- Posso pegar uma maçã? Pediu o mago.
- Retire-se! Gritou o dono do pomar. - Nós não queremos gente do seu tipo por aqui.

O mago gesticulou ambas as mãos e as árvores se tornaram estéreis como eram antes.

O mago pegou seu caminho novamente, até que chegou ao vinhedo.

- Talvez eu possa pegar um pouco de suas uvas? Ele perguntou à um dos trabalhadores.
- Eu pedirei ao mestre. Disse o homem.

Ele volta logo, sacudindo a cabeça.

- O mestre disse que ele não lhe dará uma única uva.

O mago agitou uma das mãos e o vinhedo desapareceu. Um pacote de ramos mortos ao chão apareceu em seu lugar.

Novamente o mago pegou seu caminho até chegar à casa onde viviam o homem e a mulher que mataram sua única vaca para o alimentar. O casal veio encontrá-lo na porta, sorrindo e felizes por o ver novamente.

- Como é bom ver você novamente! Disse o homem.
- Podemos oferecer a você algo para sua jornada? Perguntou a mulher.

O mago sorriu.

- Verdadeiramente vocês são boas pessoas. - Ele disse - Por todo o bem que vocês fizeram e por sua generosidade comigo eu os recompensarei. Toda manhã vocês encontrarão quatrocentas moedas de ouro debaixo de sua cama. Prosperem, amigos.

E com estas palavras ele partiu.

O casal ficou muito contente com sua nova fortuna, e você pode estar certo de que eles viveram muito felizes.

Quanto ao mago, ele foi para casa e viveu por muitos anos. E sempre que sentia-se doente, ele visitava o casal que lhe oferecera tanta generosidade, e eles se sentavam e conversavam sobre as mexidas do mundo enquanto o fogo ardia na lareira, aquecendo seus corações.

Conto armênio

O Adjunto da Jurema

terça-feira, 24 de março de 2009

O termo AYUKÁ deriva do tupy antigo "AIUCA" que significa "espremer massa com as mãos para retirada de sumo" e alude ao preparo da bebida sagrada do ADJUNTO DA JUREMA. O radical "AYUK" no Tupy-Antigo equivale ao radical Sânscrito "YUK", com o significado de "UNIR"...radical este presente na formação de termos muito significativos como "YOGA" (no Sânscrito), "JUNGIR", "ADJUNTO", "JUNTAR" (no Português), "YOKE", (no inglês) , "JO-AYUK" (no Tupy), sempre no sentido de JUNTAR, UNIR, TORNAR UNO....Assim, alude tanto ao preparo do chá (Através da UNIÃO entre as duas plantas) como também ao que se pretende obter através da alquimia do AYUKÁ....A UNIDADE DO SER.

O AJUCÁ , também chamado "JERUBARI", é o fogo líquido que traz luz e calor ao espírito dos juremeiros durante os rituais da ordem. O AYUKÁ, bebida, auxilia os discípulos na obtenção do AYOKÁ (fruto da alquimia interior) - Isto pois o trabalho alquímico no ADJUNTO DA JUREMA é tanto externo (para a obtenção da bebida sagrada) quanto interno (para obtenção do "elixir" interior que purifica e ilumina o ser). O AYOKÁ, "elixir interior", é o fruto da união harmoniosa das potencias interiores (psicoespirituais) do ser, enquanto que O AJUCÁ, bebida, é resultado da união de duas plantas, as quais tiveram sua origem terrena no corpo sacrificado de TOREH "Jerubari", na aurora da civilização.

As plantas das quais, o Mestre prepara o AJUCÁ são a JUREMA (ACÁCIA) , da qual existem algumas diferentes variedades, em combinação com o CIPÓ (MURUKU-SIPÓ), planta da qual também existem diferentes espécies. Existem diferentes formas de preparo da bebida sagrada, ritual do qual somente o Mestre-Guia tem o segredo, segredo este que vem sendo transmitido de Mestre a discípulo desde os primórdios da civilização humana na terra.


O AJUCÁ, enquanto união da JUREMA E DO CIPÓ, é também o próprio "ADJUNTO DA JUREMA", na medida que o ADJ surgiu da UNIÃO de essências provenientes de duas antiqüíssimas ordens iniciáticas...A ORDEM DA ACÁCIA (Jurema) e A ORDEM DA VIDE (Cipó), .. tendo por agente da obra esse espírito que é o Patrono e Mestre-Guia do ADJUNTO DA JUREMA, CARIDA, portador da chave desse segredo da natureza que lhe foi entregue por TOREH no inicio dos tempos.


Em varias partes do mundo, em diferentes épocas, bebidas sagradas da essência do AYUKA foram utilizadas em cumprimento ao seu papel de instrumento de ascensão do espírito ao êxtase religioso e a alta compreensão, descortinando os encantos da realidade divina, do mundo espiritual, e trazendo aos homens maior criatividade, maior inteligência e conhecimento de si, do seu meio e da natureza divina; assim, esse poderoso líquido que ora chamamos AJUCÁ, herança do CRISTO PLANETÁRIO para os seus filhos, e que foi redescoberto inúmeras vezes, recebendo diferentes nomes (AJUCÁ, HAOMA, SOMA, AMRITA, etc), trouxe para a humanidade um poderoso impulso no desenvolvimento das ciências, das artes e da civilização.


Hoje, No ADJUNTO DA JUREMA todos que o bebem podem sentir que o AJUCÁ é um poderoso instrumento de "espiritualizaçao" do SER (tanto momentânea e provisoriamente, no ritual, quanto progressiva e definitivamente, através do processo iniciático). No ritual em que se bebe o AYUKÁ o poder divino é claramente sentido com o encantamento momentâneo da consciência encarnada a qual se expande a fim de sintonizar-se com a REALIDADE ESPIRITUAL, o que favorece a sua unificaçao espiritual definitiva através da alquimia interior.


Por meio do AJUCA´ os Iniciados nos mistérios da JUREMA SAGRADA podem aprender as realidades dos mundos invisíveis e penetrar o templo encantado da CIÊNCIA onde os ANJOS são os instrutores e onde o conhecimento, alimento do espírito, é dado pela visão e não pelas palavras.


Mais do que isso, o perfeito preparo do AYUKÁ, através da União mágica das plantas que nasceram do corpo desmembrado do Grande Rei Toreh, faz do Chá um verdadeiro veiculo para a manifestação da SUA presença no nosso plano, o que pode ser claramente sentido durante a "comunhão" do AYUKÁ, quando SUA LUZ, SUA VIDA E SEU AMOR podem manifestar-se no templo interior de cada um dos Juremeiros, que a Ele devem louvar permanentemente no altar de suas consciências, e também no fluir de seus pensamentos, sentimentos, atos e atitude.

Embora seja UM só, o AYUKÁ apresenta-se em três graus conforme o seu preparo e utilização. O AYUKÁ é sempre preparado de uma variedade de JUREMA (Acácia) e de uma variedade de CIPÓ (vide), em união para formar o "adjunto". Mas conforme as variedades, as proporções usadas, e os métodos de preparo têm-se o AYUKÁ de primeiro grau (comungado pelos neófitos), o de segundo grau (comungado pelos juremeiros) e do terceiro grau (comungado apenas por aqueles, juremados, que já completaram a juremação).


(tradição oral da Ordem Iniciática do Adjunto da Jurema, relatada por Mestre Januário, e transcrita por Alceo Lucea; reproduzida sob permissão)

Um dedo aponta para Lua

segunda-feira, 23 de março de 2009

Um monge aproximou-se de seu mestre - que se encontrava em meditação no pátio do Templo à luz da lua - com uma grande dúvida:


Mestre, aprendi que confiar nas palavras é ilusório; e diante das palavras, o verdadeiro sentido surge através do silêncio. Mas vejo que os Sutras e as recitações são feitas de palavras; que o ensinamento é transmitido pela voz. Se o Dharma está além dos termos, porque os termos são usados para defini-lo?


O velho sábio respondeu:


As palavras são como um dedo apontando para a Lua; cuida de saber olhar para a Lua, não se preocupe com o dedo que a aponta.


O monge replicou:


Mas eu não poderia olhar a Lua, sem precisar que algum dedo alheio a indique?


Poderia - confirmou o mestre - e assim tu o farás, pois ninguém mais pode olhar a lua por ti. As palavras são como bolhas de sabão: frágeis e inconsistentes, desaparecem quando em contato prolongado com o ar. A Lua está e sempre esteve à vista. O Dharma é eterno e completamente revelado. As palavras não podem revelar o que já está revelado desde o Primeiro Princípio.

Então, o monge perguntou:


Por que os homens precisam que lhes seja revelado o que já é de seu conhecimento?


Porque - completou o sábio - da mesma forma que ver a Lua todas as noites faz com que os homens se esqueçam dela pelo simples costume de aceitar sua existência como fato consumado, assim também os homens não confiam na Verdade já revelada pelo simples fato dela se manifestar em todas as coisas, sem distinção. Desta forma, as palavras são um subterfúgio, um adorno para embelezar e atrair nossa atenção. E como qualquer adorno, pode ser valorizado mais do que é necessário. O mestre ficou em silêncio durante muito tempo. Então, de súbito, simplesmente apontou para a lua.

Hermes Trismegisto por Jorge Ben Jor



Baixe AQUI! o CD do Jorge Ben Jor, via Dreamule

A Tábua de Esmeralda, de Hermes Trismegisto

É verdade, sem mentira, certo e veríssimo: o que está abaixo é como o que está acima e o que está acima é como o que está abaixo;

para fazer os milagres de uma só coisa, e do mesmo modo que todas as coisas têm sido e têm vindo de um pela mediação de um, assim todas as coisas são nascidas desta coisa única por adaptação.

O Sol é o seu pai, a Lua é a sua mãe,

o vento o terá levado em seu sonho,

a terra é a sua nutriz; o pai de tudo,

o Thelema de todo o mundo, está aqui;

sua força e potência serão completas se forem convertidas em terra.

Separarás a terra do fogo, o sutil do espesso, suavemente e com grande habilidade;

subirá da terra ao céu e de novo descerá à terra, deste modo recebe a força das coisas superiores e das inferiores.

Por este meio terás a glória de todo o mundo e toda a obscuridade se afastará de ti.

É a força forte de toda a força, pois vencerá toda a coisa sutil e penetrará toda a coisa sólida.

Assim foi criado o mundo. Disto se fará e surgirão admiráveis adaptações cujo meio está aqui.

Por isso sou chamado Hermes Trismegisto, porque possuo as três partes da sabedoria de todo o mundo.

O que disse da Operação do Sol está cumprido e acabado.

Última Chamada

domingo, 22 de março de 2009

Pessoal,

esse documentário é daquele jeito que uma parte da gente quer que todo o mundo veja e outra parte, mais tranqüila, sabe que só as pessoas que estiverem preparadas poderão receber a mensagem. Tal documentário reúne as informações contidas em Zeitgeist, Zeitgeist Addendum, Anjos e Demônios (que reintitulamos ironicamente de Predador versus Alien ou Illuminats versus Vaticano) e outros mais que postamos aqui.

O documentário começa muito bem com o primeiro diálogo do encontro entre Morpheus e Neo, em Matrix. Dá umas escorregadas em alguns conceitos, tal como na abordagem sobre socialismo, mostrando que mesmo alguns rebeldes norte-americanos que denunciam a apropriação do Estado por uma elite financeira, confundem capitalismo de estado com socialismo.

A 2ª parte do documentário é a meu ver a mais contundente de todas por mostrar evidências incontestáveis de que o 11 de setembro ao ter sido encoberto pelo governo americano indica claramente seu envolvimento no atentado, revelando asim a natureza mais negra e facista que o capitalismo predatório pode assumir para manter-se no poder.

Seguem os links para download: Documentário, via Torrent, com legendas, AQUI!

O Princípio de Polaridade

"A harmonia é o equilíbrio dos opostos"

Eliphas Levi.

"Tudo é Duplo; tudo tem pólos; tudo tem o seu oposto; o igual e o desigual são a mesma coisa; os opostos são idênticos em natureza, mas diferentes em grau; os extremos se tocam; todas as verdades são meias verdades; todos os paradoxos podem ser reconciliados." - O CAIBALION

O Quarto Grande Princípio hermético - o Princípio de Polaridade - contém a verdade que todas as coisas manifestadas têm dois lados, dois aspectos, dois pólos opostos, com muitos graus de diferença entre os dois extremos. Os velhos paradoxos, que ainda deixaram perplexa a mente dos homens, são explicados pelo conhecimento deste Princípio.

O homem também reconheceu muitas coisas semelhantes a este Princípio e tentou exprimi-lo por estas máximas e aforismos: Tudo existe e não existe ao mesmo tempo, todas as verdades são meias-verdades, todas as verdades são meio falsas, há dois lados em tudo, todo verso tem o seu reverso, etc.

Os Ensinos herméticos são, com efeito, que a diferença entre as coisas que se parecem diametralmente opostas é simplesmente questão de graus. Eles ensinam que os pares de opostos podem ser reconciliados, e que a reconciliação universal dos opostos é efetuada pelo conhecimento deste Princípio de Polaridade. Os instrutores dizem que os exemplos deste Princípio podem ser dados a qualquer pessoa, e por meio de uma examinação da natureza real das coisas. Eles conhecem porque afirmam que o Espírito e a Matéria são simplesmente dois pólos da mesma coisa, sendo os planos intermediários simplesmente graus de vibração Eles afirmam que o TODO e o Muito são a mesma coisa, a diferença sendo simplesmente questão de grau de manifestação mental. Assim a LEI e as Leis são os dois pólos de uma só coisa. Do mesmo modo o PRINCÍPIO e os Princípios, a Mente Infinita e a mente finita.

Então passando ao Plano Físico, eles explicam o Princípio dizendo que o Calor e o Frio são idênticos em natureza, as diferenças sendo simplesmente questão de graus. O termômetro marca diversos graus de temperatura, chamando-se o pólo mais baixo frio, e o mais elevado calor. Entre estes dois pólos estão muitos graus de calor ou frio, chamai-os qualquer dos dois que não cometereis erro algum. O mais elevado dos dois graus é sempre o mais quente, enquanto que o mais baixo é sempre o mais frio. Não há demarcação absoluta; tudo é questão de grau. Não há lugar no termômetro em que cessa o calor e começa o frio. Isto é questão de vibrações mais elevadas ou menos elevadas. Mesmo os termos alto e baixo (inferiores e superiores), que somos obrigados a usar, são unicamente pólos da mesma coisa; os termos são relativos. Assim como o Oriente e o Ocidente; viajai ao redor do mundo e na direção do Oriente, e chegareis a um ponto que é chamado Ocidente, ao vosso ponto de partida, e voltareis deste ponto oriental. Viajai para o Norte e parecer-vos-á viajar no Sul, ou vice-versa.

A Luz e a Obscuridade são pólos da mesma coisa, com muitos graus entre elas. A escala musical é a mesma coisa: vibrando o ponto "C" movei-o para cima até que encontrais outro ponto "C", e assim por diante, a diferença entre as duas extremidades da corda sendo a mesma, com muitos graus entre os dois extremos. A escala das cores é a mesma: pois que as mais elevadas e as mais baixas vibrações são simplesmente diferenças entre o violeta superior e o vermelho inferior. O Grande e o Pequeno são relativos. Assim também o Ruído e o Silêncio, o Duro e o Flexível. Tais são o Agudo e o Liso. O Positivo e o Negativo são dois pólos da mesma coisa, com muitos graus entre eles.

O Bem e o Mal não são absolutos; chamamos uma extremidade da escala Bem e a outra Mal. Uma coisa é menos boa, que a coisa mais elevada na escala, mas esta coisa menos boa, por sua vez, é mais boa (melhor) que a coisa imediatamente inferior a ela; e assim por diante, o mais ou o menos sendo regulado pela posição na escala.

E assim é no Plano Mental. O Amor e o ódio são geralmente considerados como sendo coisas diametralmente opostas entre si, inteiramente diferentes, irreconciliáveis. Mas aplicamos o Princípio de Polaridade, e supomos que não há coisa de Amor Absoluto ou de ódio Absoluto, como distintos um do outro. Ambos são simplesmente termos aplicados aos dois pólos da mesma coisa. Começando num ponto da escala encontramos mais amor ou menos ódio, conforme subirmos a escala; e mais ódio e menos amor, conforme descermos: sendo verdade que não há matéria de cujo ponto, superior ou inferior, possamos admirar. Há graus de Amor e de Ódio, e há um ponto médio em que o semelhante e o dessemelhante tornam-se tão insignificantes que é difícil fazer distinção entre eles. A Coragem e o Medo seguem a mesma regra. Os pares de opostos existem em toda parte. Onde encontrardes uma coisa encontrareis o seu oposto: os dois pólos.

E é este fato que habilita o hermetista a, transmutar um estado mental, em outro, conforme as linhas da Polarização. As coisas pertencentes a diferentes classes não podem ser transmutadas em uma outra, mas as coisas da mesma classe podem ser transmutadas, isto é, podem ter a sua polaridade mudada. Assim o Amor pode ser Oeste ou Leste, Vermelho ou Violeta, mas pode tornar-se e imediatamente se torna em ódio, e do mesmo modo, o ódio pode ser transformado em Amor, pela mudança da polaridade. A Coragem pode ser mudada em Medo e vice-versa. As coisas duras podem ficar moles. As coisas agudas podem ficar lisas. As coisas frias podem ficar quentes. E assim por diante, a transmutação sendo sempre entre coisas da mesma natureza, porém de graus diferentes. Tomemos o caso de um homem medroso. Elevando as suas vibrações mentais na linha do Medo e da Coragem, pode chegar a possuir maior grau (e Coragem e Intrepidez. E de igual modo um homem preguiçoso pode mudar-se em um indivíduo ativo, enérgico, simplesmente pela polarização na direção da qualidade desejada.

O estudante que está familiarizado com os processos pelos quais as diversas escolas de Ciência mental, etc., produzem modificações nos estados mentais dos que empregam os seus ensinos, poderá não compreender o princípio que opera estas mudanças. Contudo, quando o Princípio de Polaridade é compreendido, ele vê que as mudanças mentais são ocasionadas por uma mudança de polaridade, uma descida na mesma escala: o assunto é facilmente compreendido. A mudança não é da natureza de uma transmutação de uma coisa em outra coisa inteiramente diferente, mas é simplesmente uma mudança de grau nas mesmas coisas, uma diferença muito importante. Por exemplo, tomando uma analogia do Plano Físico, é impossível mudar o Calor em Agudeza, Ruído, Altura, etc., mas o Calor pode ser transmutado em Frio, simplesmente pela diminuição dás vibrações. Da mesma forma o Ódio e o Amor são mutuamente transmutáveis; assim também o Medo e a Coragem. Mas o Medo não pode ser mudado em Amor, nem a Coragem em Medo. Os estados mentais pertencem a inúmeras classes, cada classe deles tem dois pólos opostos, entre os quais a transmutação é possível.

O estudante reconhecerá facilmente que nos estados mentais, bem como nos fenômenos do Plano Físico, os dois pólos podem ser classificados como Positivo e Negativo, respectivamente. Assim o Amor é Positivo para o ódio, a Coragem para o Medo, a Atividade para a Indolência, etc. E também pode-se dizer ainda que aos que não estão familiarizados com o Princípio de Vibração, o pólo Positivo parece ser de um grau mais elevado que o pólo Negativo, e dominá-lo imediatamente. A tendência da Natureza é na direção da atividade dominante do pólo Positivo.

Para acrescentar mais alguma coisa à mudança dos pólos dos próprios estados mentais de cada um pela operação da arte de, Polarização, os fenômenos da Influência mental, nas suas diversas fases, nos mostram que este princípio pode estender-se até ao fenômeno da influência de uma mente sobre outra, de que muito se tem escrito nos últimos anos. Quando se compreende que a Indução mental é possível, isto é, que estes estados mentais são produzidos pela indução de outros, então se pode ver imediatamente como um certo grau de vibração, ou a polarização de um certo estado mental, pode ser comunicado a outra pessoa, e assim se muda a sua polaridade nesta classe de estados mentais. É conforme este princípio que os resultados de muitos tratamentos mentais são obtidos. Por exemplo, uma pessoa é azul, melancólica e cheia de medo. Um cientista mental adestrando pela sua própria vontade a sua mente à desejada vibração, obtém a desejada polarização no seu próprio caso, então produz um estado mental semelhante no outro por indução, o resultado sendo que as vibrações são elevadas e a pessoa polarizada no lado Positivo da escala em vez do lado Negativo, transmutadas em e o seu Medo e outras emoções negativas são , Coragem e nos estados mentais positivos similares. Um pequeno estudo mostrar-vos-á que estas mudanças mentais são quase todas de conformidade com a linha de Polarização, a mudança sendo de grau e não de espécie.

O conhecimento da existência deste grande Princípio hermético habilitará o estudante a compreender melhor os seus próprios estados mentais e o das outras pessoas. Ele verá que estes estados são todos questão de graus, e vendo assim, ele poderá elevar ou abaixar a vibração à vontade, mudar os seus pólos mentais, em vez de ser o seu servo e escravo. E por este conhecimento poderá auxiliar inteligentemente os seus semelhantes, e pelo método apropriado mudar a polaridade quando desejar.

Aconselhamos todos os estudantes a familiarizarem-se com este Princípio de Polaridade, porque uma exata compreensão do mesmo esclarecerá muitos assuntos difíceis.

Caminho para a Liberdade - David Icke

quinta-feira, 19 de março de 2009

Download e legendas, via Torrent, AQUI!


Pessoal, finalmente temos disponível o documentário legendado de David Icke, feito em 1999. Ele está em três partes e é muito instigante e interessante, com informações polêmicas e há também um pouco de análise forçada na questão simbólica por ele abordada, mas nada que desmereça a obra como um todo, pois os símbolos muitas vezes são distorcidos por certas sociedades secretas visando alcançar um determinado efeito na percepção. Há também no final da 1ª parte uma dessincronização da legenda, mas considerando o esforço de quem fez e disponibilizou para nós temos que dar um desconto muito generoso, não é mesmo?

"David Icke conta a incrível história sobre como o mundo é controlado atualmente por linhas sangüíneas “reais” provindas do mundo antigo que através da história manipularam a raça humana por milhares de anos. As linhas sangüíneas que produzem hoje os lideres políticos e aqueles que controlam os bancos, empresas multinacionais e nossa mídia. Por meio de centenas de ilustrações e uma narração rápida e muitas vezes irônica, David Icke explica como nós nos encaminhamos rapidamente para um estado fascista – a menos que acordemos antes. Ele também explora a estrada espiritual (não religiosa) da liberdade que nos espera e diz que podemos transformar o mundo e nossas vidas transformando a nós mesmos e entendendo nosso real poder para moldar nosso destino. O que está acontecendo? O que pode acontecer? O que aconteceu no passado? Todas essas questões são exploradas neste programa empolgante, chocante e alucinante..."

Auto-importância em filme

quarta-feira, 18 de março de 2009

Download do filme, via Torrent, AQUI!

Legendas AQUI!

Esse é o melhor filme que eu posso indicar com relação ao post anterior sobre auto-importância. É uma estória perfeita sobre como a maioria das nossas escolhas está orientada por essa emoção ou vaidade. A vaidade pode ser o centro de tudo o que há de melhor no ser humano ou não, me parece que como nos voltamos muita para fora de nós mesmos passamos a amar demais o "externo" e nos preocupar demais com os outros para não amarmos a nós mesmos e a nossa natureza divina, ocupando-nos assim do que realmente importa.

O Diabo de Al Pacino nos diz: a vaidade é o meu pecado predileto.

O Advogado do Diabo - (Devil's Advocate, The, 1997)

» Direção: Taylor Hackford
» Roteiro: Andrew Neiderman (romance), Jonathan Lemkin (roteiro), Tony Gilroy (roteiro)
» Gênero: Drama/Suspense
» Origem: Alemanha/Estados Unidos
» Duração: 144 minutos
» Tipo: Longa
» Trailer: clique aqui
» Site: clique aqui

» Sinopse: Kevin Lomax é um advogado interiorano que nunca perdeu um caso. Quando é contratado por John Milton, dono do maior escritório de advocacia de Nova Iorque, sua vida parece que irá dar uma guinada. Só que diversas aparições demoníacas começam a atormentar a vida de sua linda esposa...

O Primeiro Princípio

segunda-feira, 16 de março de 2009

"O TODO é MENTE; o Universo é Mental." − O CAIBALION −

Este Princípio contém a verdade que Tudo é Mente. Explica que O TODO (que, é a Realidade substancial que se oculta em todas as manifestações e aparências que conhecemos sob o nome de Universo Material, Fenômenos da Vida, Matéria, Energia, numa palavra, sob tudo o que tem aparência aos nossos sentidos materiais) é ESPÍRITO, é INCOGNOSCÍVEL e INDEFINÍVEL em si mesmo, mas pode ser considerado como uma MENTE VIVENTE INFINITA e UNIVERSAL.

Ensina também que todo o mundo fenomenal ou universo é simplesmente uma Criação Mental do TODO, sujeita às Leis das Coisas criadas, e que o universo, como um todo, em suas partes ou unidades, tem sua existência na mente do TODO, em cuja Mente vivemos, movemos e temos a nossa existência. Este Princípio, estabelecendo a Natureza Mental do Universo, explica todos os fenômenos mentais e psíquicos que ocupam grande parte da atenção pública, e que, sem tal explicação, seriam ininteligíveis e desafiariam o exame científico.

A compreensão deste Princípio hermético do Mentalismo habilita o indivíduo a abarcar pronta- mente as leis do Universo Mental e a aplicar o mesmo Princípio para a sua felicidade e adiantamento. O estudante hermetista ainda não sabe aplicar inteligentemente a grande Lei Mental, apesar de empregá−la de maneira casual.

Com a Chave−Mestra em seu poder, o estudante poderá abrir as diversas portas do templo psíquico e mental do conhecimento e entrar por elas livre e inteligentemente.

Este Princípio explica a verdadeira natureza da Força, da Energia e da Matéria, como e por que todas elas são subordinadas ao Domínio da Mente. Um velho Mestre hermético escreveu, há muito tempo: "Aquele que compreende a verdade da Natureza Mental do Universo está bem avançado no Caminho do Domínio." E estas palavras são tão verdadeiras hoje, como no tempo em que foram escritas. Sem esta Chave−Mestra, o Domínio é impossível, e o estudante baterá em vão nas diversas portas do Templo.

Baixe o livro em nossa Biblioteca Virtual - AQUI!

O primeiro princípio hermético coincide com o ensinamento xamânico da natureza fundamental do Universo. O ensinamento xamânico diz que tudo é um sonho que se origina na mente do Espírito ou Grande Sonhador. Sua aplicabilidade prática é tremenda porque significa que somos o sonhado mas também temos em nós a natureza do sonhador, assim podemos tornar o sonho um campo de vivências práticas bem como alterar a nossa realidade material pelo uso da mente. O sonhar é o enigma da mente.

Sobre a impermanência

sábado, 14 de março de 2009

Pense no que pode acontecer conosco, mais dia menos dia. Vamos perambulando pela rua vagando em inspirados pensamentos, especulando sobre coisas importantes ou simplesmente ouvindo nosso walkman. De repente, um carro passa por nós a toda velocidade e quase acaba com tudo.

Veja a televisão ou dê uma olhada nos jornais: a morte está em toda parte. Será que as vítimas desses acidentes de avião e de carro esperavam morrer? Elas davam a vida como certa, assim como nós. Quantas vezes ouvimos casos de conhecidos, até de amigos, que morrem inesperadamente? Nem precisamos estar doentes para morrer: nossos corpos podem simplesmente falhar e parar de funcionar, do mesmo modo que nossos carros. Podemos estar muito bem num dia e cair de cama e morrer no outro. Milarepa cantava:

Quando você é forte e saudável não pensa que a doença pode vir, mas ela chega com força repentina. Como o irromper do relâmpago.

Envolvido com as coisas do mundo, você não vê que a morte se aproxima; Rápida ela chega como o trovão desabando sobre a sua cabeça.

Às vezes precisamos nos sacudir e nos perguntar de fato: "E se eu morrer esta noite, o que vai ser?" Nunca sabemos se vamos acordar no dia seguinte, ou onde. Se você expira e não pode voltar a inspirar, está morto. É mesmo simples assim. Como diz um ditado tibetano: "Amanhã ou a próxima vida — o que vem primeiro, nunca se sabe."

É importante refletir com calma, muitas e muitas vezes, que a morte é real, e chega sem aviso.

Não faça como o pombo do provérbio tibetano, que passa toda a noite fazendo barulho, preparando sua cama, e a madrugada o surpreende antes que possa dormir.

Como um importante mestre do século XII, Dragpa Gyaltsen, dizia: "Os seres humanos gastam toda a sua vida se preparando, se preparando, se preparando... para afinal chegarem a uma outra vida despreparados."

Levar a vida a sério não quer dizer passar a vida inteira meditando, como se vivêssemos nas montanhas do Himalaia ou nos velhos dias do Tibet. No mundo moderno, temos que trabalhar e ganhar nosso pão, mas não nos devemos enredar em uma existência das-oito-às-seis onde vivemos sem noção do significado mais profundo da vida. Nossa tarefa é chegar a um equilíbrio, encontrar um caminho do meio, aprender a não nos estendermos além do possível em atividades e preocupações irrelevantes, e simplificar mais e mais nossas vidas. A chave para encontrar um equilíbrio feliz na vida moderna é a simplicidade.

Naquele dia, em seu mosteiro no Nepal, o mais velho dos discípulos do meu mestre, o grande Dilgo Khyentse Rinpoche, chegara ao fim de um ensinamento. Ele era um dos mais notáveis mestres do nosso tempo, professor do próprio Dalai Lama, e de muitos outros mestres que viam-no como um tesouro inesgotável de sabedoria e compaixão. Todos nós olhávamos para essa alta e delicada montanha humana, um erudito, poeta e místico que passou vinte e dois anos de sua vida em retiro. Fez uma pausa e olhou longe:

"Tenho agora setenta e oito anos, e vi muita coisa durante minha vida. Tantos jovens morreram, tantas pessoas de minha própria idade morreram, tantos homens idosos morreram. Tanta gente que esteve no alto e depois caiu. Tantas pessoas que, de baixo, se elevaram. Tantos países mudaram. Houve tanta confusão e tragédia, tantas guerras e epidemias, tanta destruição terrível ao redor do mundo. E apesar disso, todas essas mudanças não são mais do que um sonho. Quanto você olha em profundidade, pode perceber que nada existe de permanente e constante, nada, nem mesmo o mais fino fio de cabelo do seu corpo. E isso não é teoria, mas algo que você pode de fato entender e até ver com precisão, com os seus próprios olhos."

Algumas vezes, quando ensino essas coisas, depois alguém se aproxima de mim e diz: "Tudo isso parece tão óbvio! Eu sempre soube disso. Diga alguma coisa nova." Respondo então: "Você realmente entendeu e realizou a verdade da impermanência? Você de fato a integrou em cada um dos seus pensamentos, respirações e movimentos a tal ponto que sua vida se transformou?

Faça a si mesmo estas duas perguntas: lembro a cada instante que estou morrendo, e todos e tudo ao meu redor também, e desse modo trato todos os seres a todo momento de forma compassiva? Meu entendimento da morte e da impermanência tem sido tão forte e urgente para mim a ponto de que dedique cada segundo da existência à busca da iluminação? Se você pode responder 'sim' a ambas as perguntas, então você compreendeu de fato a impermanência."

(Sogyal Rinpoche. O livro tibetano do viver e do morrer. Tradução de Luiz Carlos Lisboa.Revisão técnica de Arnaldo Bassoli, Lamara Bassoli e Manoel Vidal.São Paulo: Talento e Palas Athena, 1999. Pág. 34-49. Clique aqui para adquirir o livro.)

Filme: A Missão

quarta-feira, 11 de março de 2009

Como a nossa missão por aqui está sendo completada estamos disponibilizando para download um dos mais belos filmes que já vimos e que se baseia em fatos reais. A Missão (1986) é um filme com uma belíssima fotografia, atuações impecáveis e uma trilha sonora maravilhosa. Também estamos disponibilizando-a para download. Enio Moricone fez uma trilha musical de mestre. Esse filme ilustra bem as diferenças entre a cultura indígena e a cultura católica.

Disponibilizamos o filme através de um arquivo Torrent e a legenda numa pasta do 4shared. Basta clicar AQUI para acessá-los.

A maravilhosa trilha sonora de Enio Moricone pode ser baixada AQUI, via Torrent.

No intento,

F.A.

Ser cobaia não é bom!

terça-feira, 10 de março de 2009

A Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio) vai votar no próximo dia 19 de março a liberação do arroz transgênico no Brasil, que se tornaria o primeiro país no mundo a ter um arroz transgênico aprovado para plantio e consumo.

Ao contrário do que a lei exige, não há estudos de impactos ambientais, nem sobre a segurança de consumo deste arroz transgênico. No entanto, diversos estudos apontam perigo no uso do agrotóxico da Bayer, tanto para o meio ambiente como para a saúde humana.

Até agora só foram feitos testes em ratos de laboratório, caso este arroz seja aprovado os testes serão feitos em você!

Se você não quer ser cobaia da Bayer, junte-se a nós.

Um abraço,

Greenpeace

Calendário Lunar 2009

segunda-feira, 9 de março de 2009

Lua Nova

Agora chegou o momento de juntar forças e trabalhar em grupo, pesquisar, organizar-se, tomar decisões afetivas ou de trabalho. Fase ideal para meditar e reavaliar a si mesmo ou uma situação pendente. Tempo de organizar-se e traçar estratégias e planos de ação. O momento não é propício para divulgação de novas idéias. Os segredos estão preservados nesta fase. Ideal para reflexos, tinturas e permanente de cabelo.

  • 26 de janeiro a 02 de fevereiro
  • 25 de fevereiro a 04 de março
  • 26 de março a 02 de abril
  • 25 de abril a 01 de maio
  • 24 a 31 de maio
  • 22 a 29 de junho
  • 22 a 28 de julho
  • 20 a 27 de agosto
  • 18 a 26 de setembro
  • 18 a 26 de outubro
  • 16 a 24 de novembro
  • 16 a 24 de dezembro

Lua Crescente

Período adequado para dar início a algo novo, fazer viagens, cursos, escrever, empreendimentos, lançar produtos novos, atividade física, reciclagem de projetos e opiniões. Indicado para tratamentos de acupuntura e corte de cabelo, na lua crescente ativa o crescimento. A Lua não é boa para começar dietas rigorosas.

  • 04 a 11 de janeiro
  • 02 a 09 de fevereiro
  • 04 a 11 de março
  • 02 a 09 de abril
  • 01 a 09 de maio
  • 31 de maio a 07 de junho
  • 29 de junho a 07 de julho
  • 28 de julho a 06 de agosto
  • 27 de agosto a 04 de setembro
  • 26 de setembro a 04 de outubro
  • 26 de outubro a 02 de novembro
  • 24 de novembro a 02 de dezembro
  • 24 a 31 de dezembro

Lua Cheia

Boa ocasião para resolver dificuldades de convívios familiares e amorosos, mudar de emprego ou de residência. Favorecido todo movimento de mostrar suas idéias e se empenhar em coisas difíceis. Especialmente indicado para pedidos ao Universo e exercícios de poder mágico. Cuidado com o que diz, pois nada ficará em segredo ou a salvo de muitos comentários. Indicado para hidratação de pele e corte de cabelo para ganhar volume. Ótimo para colheita de plantas medicinais e frutos. Desaconselhado para cirurgias abertas.

  • 11 a 18 de janeiro
  • 09 a 16 de fevereiro
  • 11 a 18 de março
  • 09 a 17 de abril
  • 09 a 17 de maio
  • 07 a 15 de junho
  • 07 a 15 de julho
  • 06 a 13 de agosto
  • 04 a 12 de setembro
  • 04 a 11 de outubro
  • 02 a 09 de novembro
  • 02 a 09 de dezembro

Lua Minguante

Nestes dias aproveite para livrar-se daquilo que não precisa mais, fazer limpeza doméstica, para finalizar tarefas começadas, para resolver assuntos pendentes, estar com seus filhos ou família. Tratamentos de saúde, regimes e cirurgias podem ser feitos agora. Corte anti-queda de cabelos para que se fortaleçam. Tratamentos de acupuntura não devem ser feitos agora.

  • 18 a 26 de janeiro
  • 16 a 25 de fevereiro
  • 18 a 26 de março
  • 17 a 25 de abril
  • 17 a 24 de maio
  • 15 a 22 de junho
  • 15 a 22 de julho
  • 13 a 20 de agosto
  • 12 a 18 de setembro
  • 11 a 18 de outubro
  • 09 a 16 de novembro
  • 09 a 16 de dezembro

Tantrismo: uma religião do Sagrado Feminino - 4ª parte

domingo, 8 de março de 2009

A massagem vaginal


Yoni (pronunciado YO-NEE) é uma palavra do Sânscrito que significa à vagina que é livremente traduzida como "Espaço Sagrado" ou "Templo Sagrado". Seu significado e uso é uma perspectiva alternada da visão Ocidental dos genitais femininos (i.e., Pussy, Cunt, Twat, etc., palavras que podem ser complementares contando com a intenção de seu uso). No Tantra, o Yoni é visto de uma perspectiva de amor e respeito. Isto é especialmente útil para os homens aprender.


O propósito da Massagem do Yoni está em criar um espaço para que a mulher (o receptor) possa relaxar, e entrar em um estado de alta estimulação e experimentar muito prazer de seu Yoni. Seu companheiro (o doador) experimenta o prazer da existência do serviço e testemunhando um momento especial. A Massagem do Yoni pode também estar associada como uma forma de sexo mais seguro (quando luvas de látex são utilizadas) e é uma atividade excelente para construir confiança e intimidade. Alguns massagistas e terapeutas de sexo usam isto para auxiliar as mulheres para quebra de bloqueios sexuais ou traumas.


A meta da massagem do Yoni não está no orgasmo. Orgasmo é freqüentemente um efeito de cunho bem-vindo e agradável. A meta está simplesmente em gerar prazer através da massagem do Yoni/vagina. Desta perspectiva, ambos, receptor e doador podem relaxar, e não tem que alcançar coisa alguma. Quando orgasmo ocorre ele é na maioria das vezes mais expandido, mais intenso e satisfatório. O orgasmo é permitido acontecer ou não acontece. Isto está também é útil ao doador que não deve esperar algo em troca. Somente permitir ao receptor o desfrute da massagem e para relaxar dentro dela mesma depois. Certamente, outro meio de atividade sexual pode acontecer mas isto deveria estar inteiramente escolha do receptor. Esta perspectiva construirá uma maior intimidade e confiança, e grandemente expandirá seus horizontes sexuais.


PREPARAÇÃO: Um banho a dois é adequado pois isto relaxa, ambos, o receptor e doador. Um espaço calmo é desejável com música agradável, velas, travesseiros, etc., ou qualquer coisa faça os participantes relaxarem e sentirem-se seguros. Permitam-se ter tempo o bastante e fazer a pratica sem apressar o processo. Vá ao banheiro antes do começo da massagem. Os melhores resultados ocorrerão quando os intestinos e bexiga estão vazios e você evitará a experiência desnecessária de interromper a massagem para ir ao banheiro. Conecte-se com seu companheiro abraçando-o, segurando-o, olhando fixamente (investigando olhos mutuamente por um longo período), ou qualquer coisa que traga a você um sentido de segurança e relaxamento.


PROCEDIMENTO: O receptor Terá colocado sob suas costas travesseiros, sob sua cabeça assim ela pode olhar abaixo em seus genitais e para cima em seu companheiro (doador). Coloque um travesseiro, coberto com uma toalha, sob seu quadril. Suas pernas estão abertas e com os joelhos ligeiramente curvados (travesseiros ou almofadas sob os joelhos vão ajudar) e seus genitais claramente expostos à massagem. O doador senta com as pernas cruzadas entre pernas dos receptores. O doador pode, se desejar, sentar em um travesseiro ou almofada. Esta posição permite acesso em cheio ao Yoni e outras partes do corpo. Antes contatar o corpo, começa com um profundo e relaxado respirar. Ambos doador e receptor deveriam lembrar de respirar profundamente guardar o alento por alguns instantes e expirar (de forma que isto lhe traga maior relaxamento), lentamente e com relaxamento durante o processo inteiro. O doador gentilmente lembrará o receptor para começar a respiração outra vez se o receptor para ou toma respirações rápidas. Respirar fundo, sem hiperventilar, é muito importante aqui.


Gentilmente massageia as pernas, abdômen, coxas, peitos, etc., para obter o devido relaxamento do receptor e para relaxar e preparar o doador para tocar o Yoni.


Passar uma pequena quantidade de um óleo de alta qualidade ou lubrificante no montículo do Yoni. Por somente o bastante de modo que isto goteje para os lábios exteriores e cubra o exterior do Yoni. (Vários lubrificantes sexuais são excelentes e estão disponíveis para isto. Muitas lojas de lingerie, lojas de brinquedo de sexo, revistas de sexo, etc., oferecem esses lubrificantes seguros.).

No montículo e lábios exteriores do Yoni gaste algum tempo. Relaxe e desfrute dando a massagem. Gentilmente esprema o lábio exterior entre o polegar e dedo indicador, e deslize para cima e para abaixo o comprimento inteiro de cada lábio. Fazer a mesma coisa aos lábios interiores do Yoni/vagina. Deixe que isto tome bastante tempo.


O receptor pode massagear seus próprios peitos e deve continuar respirando profundamente. Isto é bom para o doador e receptor manterem a troca de olhares neste período. O receptor pode contar ao doador se a pressão, velocidade, profundidade, etc., necessita aumentar ou decrescer. Limite a fala apenas ao enfoque das sensações. (falar muito pode provocar a quebra de concentração e diminuição dos efeitos.)


Gentilmente afague o clitóris no sentido horário em movimentos circulares. Gentilmente com muito carinho e atenção esprema-o entre polegar e o iniciador. Fazer isto como uma massagem e não para obter o desligamento do receptor. O receptor vai indubitavelmente torna-se muito desperto mas continue a encorajá-lo para somente relaxar e respirar.


Lentamente e com grande atenção, insira o dedo meio de sua mão direita dentro o Yoni (há uma razão para usar a mão direita ao invés da esquerda. Isto lida com a polaridade no Tantra). Muito gentilmente explore e massageie o interior do Yoni/ vagina com este dedo. Tome seu tempo, sempre suave, e mova para cima, abaixo e para ambos os lados. Varie a profundidade, velocidade e pressão. Recorde, isto é uma massagem. Com sua palma em frente e para cima, e o dedo do meio no interior do Yoni, mova o dedo meio em um "vai e vem", gire a palma da mão no sentido horário. Você contatará uma área de tecido esponjoso somente sob o osso púbico, atrás o clitóris. Isto é o ponto “G” ou no Tantra, o ponto do sagrado (há muitos livros excelentes que falam em detalhes sobre esta área). As sensações podem ir de agradável ao doloroso. Outra vez varie a pressão, mude o modelo de movimento. Você pode mover lado a lado, para frente e para trás, ou em círculos com seu dedo do meio. Você pode também inserir o dedo indicador. Cheque com seu companheiro primeiro antes fincar dois dedos dentro dele. A maior parte das mulheres não deveriam ter nenhum problema em desfrutar o estímulo aumentado de dois dedos. Tome seu tempo e faça tudo muito suavemente. Você pode usar o polegar da mão direita para estimular o clitóris também. Uma opção para tentar se o receptor desejar isto está em inserir o dedo mínimo da mão direita dentro de seu ânus. Pergunte ao parceiro primeiro se ele deseja que faças isto, ao fazê-lo não torne a inserir seu dedo mínimo dentro do Yoni/vagina. Use lubrificação muito suave. (No Tantra, é dito que quando o dedo mínimo esta no ânus, o próximo dedo e o dedo do meio em seu Yoni/vagina, e seu polegar em seu clitóris, "Você está segurando um dos maiores mistérios do universo em sua mão.") Assim, o que é que sua mão esquerda está fazendo todo este tempo? Você pode usar isto para massagear os peitos, abdômen, ou clitóris. Se você massageia o clitóris isto está sendo muito melhor que usar o seu polegar em um movimento único para cima e para abaixo, você pode descansar a mão apoiando-a sobre o montículo enquanto exerce pressões sobre o clitóris com a palma. O estímulo dual de mão direita e mão esquerda fornecerão muito prazer ao receptor. Eu não recomendo o toque seus próprios genitais usando sua mão esquerda porque isto pode te desconcentrar e desconectar do receptor. Lembre-se, esta massagem está para seu prazer e muito do benefício vem de não unicamente o estímulo físico mas a intenção também. Continue massageando, tentando velocidades diferentes, pressões e movimentos. Guarde a respiração e continuem investigando mutuamente os olhos. Ela pode ter emoções poderosas e podem chegar ao choro. Somente lembre-a de voltar a respirar suavemente. Muitas mulheres têm sido abusadas sexualmente e necessitam ser amparadas. Faça sempre esta massagem amando, sendo companheiro e paciente, isto pode se tornar de grande valor para você.


Se ela tem um orgasmo, peça-a que segure a respiração, e continue massageando se ela desejar. Mais orgasmos ocorrerão, cada um com ganho em intensidade. No Tantra isto é chamado "cavalgar a onda". Muitas mulheres podem aprender que são capazes de sentir orgasmos múltiplos com a Massagem do Yoni com um companheiro paciente.


Aguarde massageando até ela peça para você parar. Muito lentamente, gentilmente, e com respeito, retire seus dedos do Yoni/vagina, curtam os momentos de leveza que restam depois da massagem do Yoni. Abraçando ou segurando é muito relaxante também. Quando você aprende a dominar a Massagem do Yoni sua vida de sexual será grandemente enriquecida e você poderá utilizá-la também sem o concurso da ejaculação.

A.D.