A questão da Sombra - 4ª parte

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Esta cena de Star Wars ilustra de certa forma o trabalho de integração da Sombra. Ela representa o contato com um nível da verdade, uma revelação chocante depois do enfrentamento inicial da sombra na cena da caverna. Está escrito que a verdade tem o poder de nos libertar, mas primeiro ela nos intrigará, depois nos aterrorizará, para, então, libertar. Na seqüencia a última parte do texto do nosso amigo Nuvem que passa.




Feito esse primeiro rito, prático, real, efetivo de se resolver com os ancestrais imediatos, que te deram o dom da vida, sem eles não estarias aqui, vamos ao mais profundo: nos resolvermos com nossos ancestrais remotos, com a força tremenda das linhagens feminina e masculina que vem de além das névoas da manhã do tempo e espaço e que chega em nós.

Já sentiram isso?

Há dois filamentos de energia que saem de nós, que brotam em cada gene, que mergulham na ancestralidade humana, indo para antes da história, antes do mito, antes da lenda...

Somos a manifestação de todo esse poder.

Ser pagão (ã) é lembrar disso.

Não somos crias de um deus, somos emanções da ETERNIDADE.

Sondas avançadas de consciência, vivendo a ETERNIDADE.

ELA, vive em nós, nossa consciência é DELA, vem DELA, um dia voltará para ELA.

Enriquecemos a consciência DELA, pelo maravilhoso mistério do Existir.

Podemos realizar esse trabalho de harmonização da nossa ancestralidade com um rito, um rito simples.

Rito de harmonização com nossos ancestrais femininos e masculinos:

Um lugar tranquilo, certifique-se que não vai ser interrompido, de preferência a noite, vamos olhar para as cavernas gêmeas que trazemos em nós, uma caverna tem em si toda nossa ancestralidade feminina, outra toda nossa ancestralidade masculina.

Abrir o círculo, posicionar as quatro energias dos quadrantes.

Sentir as quatro colunas de energia nos quatro cantos do círculo, eu gosto de mentalizar os quatro poderes (terra, água fogo e ar) como vastas colunas do Elemento, vindo do Infinito e entrando até as profundezas da Terra.

Depois me foco como o ponto no centro do quadrado e do círculo.

Me sinto então indo para outra realidade, como numa pirâmide, os quatro cantos me apóiam e sou o ponto que vai para o alto da pirâmide.

Ao chegar ao alto o poder do círculo, que realizou a quadratura nos quatro pilares de energia se manifestam me apoiando para que possa então sentir a energia da Deusa, a Fonte de onde tudo emana e para onde tudo volta.

Ela se manifesta como uma constante brisa que sopra trazendo fina e sutil energia.

Deixe que os atributos tranquilos da Deusa lhe impregnem o ser e permita te sentires o mais profunda- mente tu mesmo.
O que tens de mais singular, mais teu, aquilo que é mesmo tua essência, deixe que se apresente aqui.

Nesta energia sutil evocar a presença de seus antepassados masculinos, depois das antepadassadas femininas e se harmonizar com eles.

"Eu vos chamo além do tempo e do espaço, na beirada desse círculo mágico, vós, todos meus antepassados masculinos.

Eu sou o(a) que está aqui agora.
Meus olhos são, por vezes, janelas por onde olham para a existência.
Mas meus braços e minhas mãos, meu coração e meus pés minha língua e meu destino me pertencem, sou o (a) novo(a), sou quem está aqui agora, ficarei sempre grato(a) por seus conselhos e ajuda em momentos de grande necessidade, mas me respeitem e permitam que eu construa sabia e livremente minha vida. "

"Eu vos chamo além do tempo e do espaço, na beirada desse círculo mágico, vós, todas minhas antepassadas femininas.

Eu sou o (a) que está aqui , agora.

Meus olhos são, por vezes, janelas por onde olham para a existência.

Mas meus braços e minhas mãos, meu coração e meus pés, minha língua e meu destino me pertencem, sou o (a) novo(a), sou quem está aqui agora, ficarei sempre grato(a) por seus conselhos e ajuda em momentos de grande necessidade, mas me respeitem e permitam que eu construa sabia e livremente minha vida" .

Se encerra o ritual pedindo que cada poder que ali se apresentou retorne de onde veio, que o equilíbrio entre os mundos se restabeleça e faça sua forma pessoal de fechar o círculo.

Esse rito é muito profundo, se feito com uma preparação legal, num momento adequado, que a gente deve prestar atenção, tipo lunação, hora do dia, cada hora tem uma regência planetária. A gente pode alcançar um estado de muita harmonia com as forças ancestrais em nós.

Isso é trabalhar a Sombra também, como disse acima temos poderosas forças que estão em nós, até a nível físico, em nossos genes.

Percebem que quando falamos a abordagem dos bruxos(as) e xamãs não tem nada a ver com a cristista não é que a gente está sendo radical, brigando e tal, é que não tem mesmo.

No paganismo a gente vai as questões com outro estado de espírito.

Sem medo, não somos pecadores com medo de um pai psicológico que pode nos condenar a infernos, castigar.

O que temos em nós são vivências e toda vivência plena tem seu valor.

No paganismo temos outra realidade, vamos ao encontro da Deusa, de quem fomos apartados, como o galho quebrado da árvore vai sequioso à terra.

Já viram dessas plantas que a gente tira um galho, põe na terra e ele brota e se torna nova árvore?

Pois este me parece nosso caminho agora.

Um galho que se torna promessa de nova árvore.

Que vai puxar da terra uma certeza de vida e então, o galho realiza uma magia profunda, se torna árvore.

Nós fomos podados da árvore da vida por um sistema tolo, que nos alienou de nós mesmos, que nos condicionou a chamar de realidade uma descrição de mundo totalmente tacanha.

Mas como galhos ainda com a VIDA podemos ousar nos conectar a DEUSA, a ELA, a TERRA e como árvores plenas renascermos.

E resolver a Sombra, integrá-la é parte dessse trabalho, pois é a Sombra que ficará sob a Terra e que se transmutará de parte, de galho partido, em raiz...

A magia da Sombra resolvida, dá chances ao galho que ia secar e ser queimado em algum forno da sociedade industrial, em tornar-se nova e vigorosa árvore.

Que tal magia se realize em nós...

A cada dia

segunda-feira, 15 de agosto de 2016

"A cada dia tomo um tempo para pensar e sentir que direções eu necessito na minha vida, sobre os principais aspectos:
1º minha vida interior,
2º Minha vida Familiar,
3º Minha vida profissional.
Quando vejo algo claro anoto e começo a fazer um plano geral para organizar minha vida, dando a cada aspecto a importância que ele merece.
Que atividade sustento agora que não são necessárias, que não correspondem às direções que necessito?
Que atividade necessito?
No meu plano abro espaço para estas."

A questão da Sombra - 3ª parte

sexta-feira, 12 de agosto de 2016

Um monte de gente vive preso a seus antepassados interiores e nem sabe.

Seus antepassados interiores lhe ditam como agir, como fazer tudo em sua vida e o "nós mesmos" é apenas um vozinha ainda frágil em nosso interior, por falta de uso, quase não é ouvida.

Mas é essa voz ainda nascente que é a única coisa que somos e se lhe dermos atenção, se começarmos a ser mais "nós mesmos" do que "o que fizeram de nós" vamos ampliar muito essa singular presença.

Temos que tomar muito cuidado para não sermos marionetes nas mãos das forças ancestrais que trazemos em nós.

Podemos ser uma vasta janela, pela qual nossos ancestrais masculinos e femininos espiam para a existência, mas não podemos ser fantoches manipulados pelas lutas e batalhas que quem nos antecedeu criou.

Somos livres para gerar um mundo novo e neste sentido precisamos de energia e de coragem.

A tremenda força que vem da Sombra pode ser usada, pode ser canalizada para este tremendo propósito, gerar uma nova realidade existencial para nós.

Isso é magia pura, parar de tentar mudar o mundo e mudarmos de mundo.

A sutileza da ARTE é que quem está ao nosso lado, pouco ou nada deve perceber disso.

Se estiverem mesmo entendendo o que estou escrevendo aqui verão que a proposta de "mudar de mundo" passa por mudar nossa relação com o mundo a nossa volta.

A forma pela qual nos relacionamos com o mundo a nossa volta revela muito se estamos mesmo prontos (as) ou não para trabalhar nossa Sombra.

Se tu és agressivo (a) responde no soco com as pessoas, mesmo que sejam só algumas, se tudo te irrita, se tem vontade de agredir pessoas, tudo isso indica uma personalidade que está precisando se trabalhar antes de ir ao encontro da Sombra.

A Sombra é para ser visitada quando já resolvemos estes lados mais superficiais nossos.

Podemos dizer que estes conflitos são a "ponta do iceberg" do que é a Sombra, resolve-los é gerar energias tremendas que serão fundamentais no processo de integração da Sombra.

O xamanismo, em sua praticidade, levou os (as) xamãs a investigarem muito sobre o comportamento humano.

Descobriram algumas coisas úteis.

Quem melhor nos revela se tamos bem ou não?

Nossa família.

Lidar com nossa família e as pessoas próximas é o mais complicado.

Por que nos conhecem, porque sabem usar tons de voz, expressões, tudo que pode ir além das barreiras que sabemos ter com os "de fora".

Um Sifu me contou que lutadores de certos clãs no antigo Cantão quando tinham um oponente muito forte procuravam antes estudar o tom de voz da mãe deste (na época era fácil isso, as famílias viviam juntas, numa mesma casa várias gerações).

O tom de voz da mãe atravessa as barreiras defensivas em nós porque o ouvíamos como vibração, quando estávamos no útero.

Assim é preciso a gente estar bem tranqüilo com a gente (mesmo) prá ter uma boa relação com a mãe e o pai, entender nossos ancestrais não quer dizer que cedemos e somos o que eles querem, significa que conseguimos harmonizar em nós a energia deles.

Se seus pais são crentes é claro que eles nunca vão ficar numa boa pelo fato de seres um (a) bruxo(a) mas podes evitar a crise agindo com equilíbrio, agindo com uma esperteza que a sombra, quando integrada e bem trabalhada nos dá.

Eu sempre que posso passo uns dias perto da minha família prá sacar como é importante ter resolvido isso.

Temos muita influências de nossos pais.

Me parece que numa época isso gera certos atritos, quando cada um quer impor seu caminho.

A forma de lidar com isso precisa ser harmônica, quando conseguimos entender que nossos pais sempre querem o melhor prá gente, mas o melhor deles nem sempre é o nosso, a gente passa a respeitar aquela insistência que parece chata de nos "aconselharem" sobre certas coisas.

Um dos segredos para ir além dessas crises é ver, além da forma às vezes chata e insistente que apresentam suas propostas de vida, que ali está um desejo sincero de nos ajudar, ver que além da forma está uma chama de verdadeiro amor por nós, isto pode mudar tudo, é sutil, muito sutil compreender isso.

Especialmente nós da Bruxaria, vejam só o termo, imagine o que muitos dos pais e mães pensam quando vêem que o (a) filho (a) tá envolvido com "bruxaria".

E tem gente que num show de insensibilidade, querem "sentir elementais", se dizem "unidos a Deusa" mas não sacam o quanto são agressivos (as) quando querem obrigar que os pais e outras pessoas "aceitem" que são "bruxos(as)".

Sério, dava prá rir se não fosse tão caótico o resultado.

Acham que eles vão entender como a gente entende o que é bruxaria?

Claro que não.

Eles passaram a vida sendo condicionados que o mal, o diabo, tudo que é de mais ruim tem chifres e tal, aí entra no quarto encontra o filho ou filha com um caldeirão, fogo aceso, imagem do diabo na parede.

Dá prá rir, mas prá cabeça deles é terrível, agora tem certeza que o próximo passo é algo muito ruim e é claro que vão brigar de unhas e dentes para que "saiam dessa".

E qualquer zica que acontecer na área, culpa de quem?

Então quando a gente tá falando de resolver nossas energias ancestrais o primeiro passo é não dar bobeira de viver em crise com os pais é ir com calma , é explicar o que dá prá explicar, mostrar que a bruxaria não vai te fazer mal, não vai te levar a ser um(a) "louco"(a), um(a) "drogado" (a), que são esses os medos que pintam nas cabeças de quem foi criado numa sociedade cristã e descobre que o (a) filho (a) crê em Deus chifrudo, usa caldeirão e se diz pagão.

Bom senso e canja de galinha não faz mal a ninguém (quem for vegetariano (a) tira a galinha da canja e faz uma sopa de legumes).

Engraçado que tem gente que acha que tem um ritual para lidar com a sombra, até tem, vou passar mais a frente, mas o primeiro passo é o ritual do dia a dia, o mais forte, pode ter certeza que é o mais poderoso.

Se harmonizar com seus ancestrais que tão aí, vivos, seus pais.

Este é um desafio verdadeiro com o qual não dá prá se enganar, ou dá certo ou não dá.

Por que tu podes fazer um rito todo pomposo para seus ancestrais, viajar que conseguiu harmonizar essa energia e ficar nessa, mas o fato de estar numa sintonia mais fina com sua família imediata é algo que ou é real ou não, sem fantasia.

Tem muito de vaidade em toda crise com os pais, quando a gente controla a importância pessoal e a vaidade e consegue estabelecer uma relação harmônica com os pais, tivemos que nos trabalhar muito, para falar certas coisas, não falar outras tantas, tudo isso reflete na nossa energia interior e na nossa VONTADE, então fique claro que trabalhar harmonia com os pais é um trabalho mágico de verdade, que gera energia e mexe mesmo com a realidade de nossa existência, é um fato.

Temos que cuidar bem da nossa energia ancestral, na magia sabemos que o poder da energia ancestral deve estar em harmonia prá gente trabalhar completamente a sombra.

E agora vamos ao rito, um rito prá ser feito quando a gente já trabalhou esta harmonia com os nossos pais.

Esse gerar harmonia com os pais não deve ser forçado, deve ser "cultivado", sem pressa, com tranqüilidade, deixar atos, momentos irem semeando este novo estilo de relação.

Estou falando de uma magia que tem o espírito das árvores e tudo que tem o espírito das árvores é assim, lento, mas profundo.

Não é amanhã fazer um discurso ou hoje mesmo sair correndo, acordar todo mundo ou invadir a sala de TV e dizer : "daqui prá frente, tudo vai ser diferente" risos...

É sutil, é se tocar todo dia de não "reagir" apenas, mas procurar gerar outro clima na relação, coisa que vão ver como às vezes é difícil, pois ninguém tá dizendo que pai e mãe as vezes não são muito chatos.

Só estamos descobrindo que a gente também às vezes é muiiiiito chato.

Então dá prá ser mais compreensivo com pessoas que foram educadas noutro século, noutro milênio.

Continua....
Nuvem que passa