O desafio do aqui e do agora

segunda-feira, 25 de julho de 2016

Os(as) guerreiros(as) xamãs, buscam para si os melhores campos de treinamento, onde possam desenvolver suas habilidades a fim de desenvolverem um conjunto de estilos de ação que lhe sejam úteis quando estiverem em suas viagens pela Eternidade.

Os(as) xamãs descobriram que o melhor campo de batalha que pode existir é exatamente onde estamos, pois fomos colocados ali por forças alheias a nossa. Assim estaremos lutando com o que não temos controle. Situações que nós mesmos criamos são sempre de alguma forma, condescendentes.

Este é um dos papéis dos que podem ajudar outros na Trilha do Guerreiro(a), criar situações de treino às habilidades de quem começa a trilha, mas lembrando que só quem perdeu a forma humana pode mesmo ajudar alguém, do contrário será a velha história do querer impor ao outro o que julga certo para si.

Por isso, o melhor é, ao invés de ficar delirando com idéias tiradas de filmes de ficção e livros que lemos, pouco entendendo dos cernes abstratos e nos perdendo na "letra que mata", olhar em volta e perceber o fantástico campo de treino que a Eternidade deixou a nossa volta. As pessoas que aqui estão fazem parte deste momento e é hora de aprendermos com elas ao invés de ficarmos em crises, que são apenas projeções de crises que temos conosco mesmos. Este me parece o desafio, o resto é fuga.

Nuvem que passa.

A única coisa que importa

domingo, 24 de julho de 2016

"Espreitando minhas reações emocionais impiedosamente, ele me conduziu até a fonte de minhas preocupações e eu pude perceber que meu interesse pelas pessoas era uma farsa. Na verdade, eu queria escapar de mim mesmo transferindo aos outros meus problemas. Ele demonstrou que a compaixão, como a entendemos, é uma doença mental, uma psicose que nos aprisiona mais fortemente ao nosso ego".

(...)

"Quando sentir que a mente coletiva o pressiona, tentando convencê-lo de que se concentre nas aparências do mundo, repita para seu interior esta tremenda verdade: 'eu vou morrer, não sou importante, ninguém o é!' Saber isso é a única coisa que importa".

Encontros com o Nagual, de Armando Torres.

O ser humano busca fora o que tem dentro de si

domingo, 3 de julho de 2016

O ser humano busca fora o que tem dentro de si.

Dentro de cada homem há uma mulher (e vice-versa).

O amor não é a busca do outro, é a busca de si mesmo.

O outro é um espelho.

Não há outro, há unidade.

Mas incapaz de descobrir a riqueza que há em nós vamos para fora.

Projetamos nossa energia para fora e sustentamos uma ilusão que quando se desfaz gerar dor.

O mundo que você vê agora está dentro, é como um sonho.

Porque você quando sonha, vê o que há dentro de você.

Não há fora de você, tudo está dentro de você. Fora é apenas a sua projeção que você toma por algo à parte.

Entenda, medite e repita para si: a essência da xamanismo é o mistério do ponto de aglutinação.

O mistério está dentro.

Amplie a ideia e a constatação dos espreitadores: a realidade é uma interpretação.

O que você vê é você mesmo.

Aquilo que você vê quando seu ego está é a ilusão da ignorância.

Aquilo que você vê quando está vazio de ego é a desilusão da sabedoria. A compreensão do vazio e da impermanência de todas as coisas, a energia pura fluindo pelo universo como um dragão mutante.

Tudo é feito de fogo e água. Dentro de você há fogo e água. O homem é fogo. A mulher é água. Yang e yin. Paixão e sua semente.

O homem tem dentro de si a mulher. Ela é mãe, amante, sábia e guerreira. Gosta de apresentar-se como uma serpente. Alguns a chamam de Kundalini, Divina Mãe, Santa Maria, Virgem Maria, Ram Io, Vênus, Shakti. A árvore do conhecimento é sua morada.

O poder Dela desperto no homem desperta um sentimento de amor incrível e indefinível que mergulha o amante divino no reino da mística. A mística é o sentimento de amor provocado pelo conhecimento direto da Deusa em nós mesmos.

Ela é a perfeita síntese de sabedoria, amor e poder.

Só o homem capaz de amar a mulher dentro de si é capaz de amar a mulher fora de si.

O HOMEM que amar a mulher fora de si perderá à Ela e perderá tudo.

Diz a Deusa:

O homem que Me amar torna-se um shakta.

Ramakrishna e Mestre Irineu são exemplos de shaktas.

Para entender isso, que no fundo é simples, o homem precisa ter-me, precisa ter acumulado Energia, Shakti.

Ela diz:

Ao homem que não conseguir encontrar-me dentro dele de forma direta, poderei apresentar-me de forma indireta numa mulher, num animal ou numa planta. O princípio feminino consciente, eterno e indestrutível está em tudo. Nesse tudo algumas coisas são vasos super-carregados de meu poder, naguais.

Para mergulhar em meu poder o xamã precisa ter desenvolvido um propósito claro, lúcido e inflexível.

Sou eu que dou a vida e a morte ao xamã.

Meu caminho não é fácil, é perigoso. Uma trilha sinuosa montanha acima prenhe de fortes ventos e provas sutis. Por isso exijo guerreiros (as), homens (e mulheres) além do bem e do mal, em busca da Energia Real.

F.