A questão da Sombra - 2ª parte

quarta-feira, 10 de agosto de 2016

Estamos entrando em outro paradigma quando trilhamos os caminhos do Xamanismo.

Precisamos despertar plenamente nossa natureza pagã, ser de corpo e alma um (a) pagão(ã), alguém que sente a VIDA sem intermediários, diretamente.

Recomendo muito ler Fernando Pessoa e seus textos e poemas pagãos para sentir o que estou querendo colocar como "ser pagão".

Os poetas, FP em especial, conseguem dar uma elasticidade a palavra que ela se torna mais ampla, capaz então de conter em si verdadeiras definições deste complexo estado que é ser pagão (ã).

É um estado de espirito onde vamos direto a ELA, a natureza, onde vamos além do que nos disseram ser a realidade para realmente SENTIR o que é a realidade.

Nós pagãos(ãs) nos sabemos parte DELA, sentimos em nós o Deus e a Deusa em seus movimentos.

Por isso um (a) pagão sente os ciclos da vida e os celebra, as luas cheias e novas, os trabalhos da crescente e da minguante, sabe quando o sol nasce, o meio dia, o crepúsculo que nos é porta e a noite escura,véu que nos permite atravessar as fronteiras e nos aventurarmos em outros mundos pelo SONHAR.

Há uma mudança profunda que se opera em nós quando deixamos de lado o condicionamento, o "que fizeram de nós" e ousamos ser "o que somos".

O xamanismo coloca que neste caminho de auto-descobrimento e auto-realização, passamos por uma caverna, um lugar onde enfrentamos nossos fantasmas interiores, um lugar onde temos que aprender a integrar nossa sombra ao todo que somos.

A sombra quando não integrada gera uma turbulência na nossa totalidade e aspectos nossos não resolvidos podem vir à tona.

Meditem comigo, somos os (as) filhos (as), dos (as) pais, dos (as) avós, dos (as) bisavós, dos (as) tataravós e por aí vai.

Temos em nós a ancestralidade masculina e feminina que remonta a épocas além da concepção humana.

Temos todo tipo de estilos de ser nessa nossa ancestralidade, assim precisamos de fato harmonizar toda esta tremenda carga informacional que trazemos em nós, da qual somos manifestação.

Temos uma visão muito pobre do passado, do que são nossos ancestrais.

Os (as) verdadeiros (as) construtores(as) dos monumentos de pedra que intrigam a humanidade, ainda são desconhecidos, mesmo com as explicações simplistas e positivistas dos que ainda se arvoram donos do saber, que julgam que suas teses são verdades que podem se sobrepor a realidade da existência.

Estamos querendo analisar o passado com olhos do presente, o passado tinha outros paradigmas, outra percepção da realidade.

Um jarro que tinha azeite não era só um vaso que tinha azeite como hoje uma lata de azeite numa mesa é prá nós.

Tudo tinha outra textura, outra época, temos que tomar cuidado para não embarcar no Helmman's Airlines e fazer uma leitura cinematográfica do passado.

Tem gente que crê mesmo que o passado é como Xena e Hércules mostram e que magia é o que Charmed "revela".

São até interessantes e muito bons tais seriados, antes que alguém venha em sua defesa, estou apenas citando como exemplo.

Legais, ótimos, bem feitos, mas são leituras de nossa época de uma época que era completamente diferente.

Os tempos mudam; mesmo recentemente.

Pensem como era sobreviver na Idade Média, pestes, ladrões nas estradas, senhores feudais temíveis, padres em suas diligências contra a "heresia" e o "demônio" com livre trânsito para acusar quem quisessem e não apenas matar, mas torturar de forma atroz quem fosse acusado (a).

Os vencedores sobrevivem em maior número, os que perdem as batalhas de conquista só o fazem porque abrem mão de seus referenciais de vida.

Os que perdem as batalhas sobrevivem em corpo, mas sua história e sua continuidade existencial lhes é negada, agora continuam para construir a realidade com os paradigmas dos vencedores.

Assim temos um mundo formado pelos referenciais dos vencedores das várias batalhas onde impérios mercantilistas foram conquistando e destruindo, quer completamente quer em parte, os povos nativos.

Quer os matando, quer os convertendo.

E isto continua acontecendo, agora , subjugados à miséria que lhes foi imposta, são presas fáceis para os que lá vão convertê-los à fés que lhes são estranhas.

E é isto que ocorre agora, povos nativos, pagãos, sofrendo a subjugação, talvez mais atroz, agora que lhes escravizam as almas, lhes prometem paraísos futuros enquanto lhes roubam o que tem.

São outros seres humanos que estão fazendo isso, quer a violência de lhes negar sua tradição milenar, que a violência ainda mais terrível de lhes negar vida, terra, liberdade, pois a exploração e a morte de nativos é uma triste realidade em todo nosso continente.

Quem está destruindo vidas pelo lucro, que queima a floresta, que draga o rio, mata um rio inteiro para tirar minérios (há barcos que fazem isso, passam uma draga no fundo do rio e separam os minérios que querem e devolvem o "restolho" para o fundo do rio, pensem os nichos do fundo do rio que foram destruídos, isso está acontecendo aos montes agora. Estão MATANDO rios e ninguém nem liga...) tudo isso acontecendo é uma manifestação temível desta mesma sombra, seres humanos negam sua sensibilidade e destroem a vida em todas as formas em busca de lucro.

Por isso é muito importante resolver a Sombra, para não nos tornarmos partidários da destruição que este sistema propõe em várias estâncias.

Temos toda essa tremenda energia dentro de nós, temos forças ancestrais em nós que foram sábias e magnânimas, mas também temos forças ancestrais em nós que foram atrozes.

Por isso temos que harmonizar essas forças ancestrais em nós e uma parte da Sombra que falamos aqui é composta dessas forças ancestrais de tremendo poder, mas que podem nos deturpar com seus preconceituosos conselhos, podem usar toda sua habilidade para levar nossa percepção a focar o "jeito" de ser de alguém que já viveu, em outra época, outro momento, quando o desafio é sermos nós, entes singulares e vivermos do NOSSO jeito.


Nuvem que passa

5 comentários:

a.mar disse...

Olá Bom Dia!
Eu já me tinha queixado de que não me estava apetecer continuar a arrumar, catalogar, etc, trabalho doméstico.
Não sei se é o ego que está a falar, mas esta busca pelos ancestrais não é personificar as nossas próprias sombras? As nossas fobias e paredes que construimos?
Quando dizemos que devemos ficar em silêncio não é isso mesmo que devemos fazer, ficar em silêncio, quietos?
Quando estamos a ir buscar o para trás, o por detrás, não nos estamos, não nos continuamos a desviar?
O meu silêncio, ao contrário de tudo o que sonorizaram as gerações anteriores, não é suficiente?
Não é o meu corpo, com o qual funciono para tudo, o testemunho, a herança necessária e suficiente para lidar com esse conhecimento ancestral?

Daniele disse...

F.A, intregrar a sombra é um processo e tanto, cheio de alegrias e espantos. Me lembra da cena do documentário Quem somos nós: Até quanto você está disposto a descer na toca do coelho? É um mundo meio Alice no País da Maravilhas e não falo da versão Disney World, já que estou tentando sair do mundo Barbie. Rsrs.
Ps; " É no oposto que se ascende a chama da vida. Todo consciente, procura sem perceber, o seu oposto inconsciente, sem o qual esta condenado a estagnação, à obstrução ou a petrificação... Não há equilíbrio nem sistema de auto-regulação sem oposição..." Jung.

F.A. disse...

Aloha, A.Mar!

Essa questão dos ancestrais pode ser compreendida através da pergunta "Quem sou eu?"

Se eu sou a sombra de muitos ontens eu não sou, na verdade é "eu era". Isso significa dizer que não estamos conscientes da influência do passado em nossa vida presente.

Ficar quieto, em silêncio nos dá oportunidade de percebermos as muitas vozes do passado em nós e assim não ficarmos confundidos por elas.

A palavra confundido é interessante porque remete a com e fusão, estamos numa mistura tal com as sombras do ontem que não podemos perceber o "eu sou" de fato e o que "eu era".

A distinção entre o que eu sou e o que eu era começa a partir do silêncio, da quietude.

O silêncio no início estabelece uma limite, uma fronteira, para depois, muito depois, podermos ir além.

E não entramos no silêncio plenamente, de uma vez só. As vozes das sombras do ontem nos acompanharão por muito tempo, haverá uma diálogo por muito tempo. Até extrairmos das sombras do ontem o conhecimento que precisamos para seguir a nossa própria caminhada.

Uma coisa que talvez precisamos compreender em nossa herança corporal é que o corpo não é meu, nós somos o corpo. No silêncio não se faz (experiência pessoal) distinção entre eu e meu corpo, mas faz parte da herança cultural de nossos ancestrais mais recentes essa distinção.

No intento,

F.A.

F.A. disse...

Aloha, Daniele!

Tenho refletido muito naquele seu sonho, o mundo do sonho é um mundo feito de sombra, acho que vale a pena estarmos atentos para as mensagens que vem do "lado de lá" e evitarmos deixar que o "exército" do racional colocar as coisas em ordem, ordem no sentido de manter o status vigente.

No intento,

F.A.

Vento que sussurra disse...

Caro F.A, sabe, é interessante falar sobre isso, sempre grandes textos surgem aqui. Estava lendo Darwing, no seu livro memorável, que tem como essência ao meu ver, a concepção que todos viemos da mesma origem, e o que ele falava sobre os perigos da interação humana na evolução natural. A natureza é sábia, e hoje mesmo grandes empresas e cientistas, levados pelo interesse do capital, modificam a natureza gênica das coisas, alterando toda a cadeia evolutiva, manipulando em sua ignorância bilhões de anos de evolução. É o novo passo da dominação, em que é alterado o rumo de todas as espécies desta nossa bela esfera. O que será de nosso futuro, se não honramos as três características gênicas, que são características energéticas que herdamos de eras de antepassados? A individualidade, a herança, a evolução estão sendo soterradas por fim, pela ignorância reducionista dos cientistas, uma pena, isso é o máximo da desonra aos nossos ancestrais e a sabedoria da natureza, que seletivamente nos trouxe até onde somos hoje.

Luz, paz, intento.