Deus no banco dos réus

quarta-feira, 15 de agosto de 2012



"No campo de concentração nazista de Auschwitz, um grupo de judeus coloca Deus no banco dos réus, sob a acusação de romper sua aliança com o povo judeu. Excerto do filme "God on Trial", da BBC escocesa".

A natureza de deus revelando a natureza do homem e a natureza do homem revelando a si mesma num filme que questiona a mais arraigada crença da cultura judaico-cristã: deus.

Este é um filme excelente! No estilo de 12 homens e uma sentença! O que muda é a natureza do réu. Judeus prestes a serem assassinados num campo de concentração alemão, em plena 2ª guerra mundial, colocam o seu deus em questão, por descumprimento do contrato com aquele que é tido como o povo escolhido. Colocar deus em questão é colocar a justiça divina em xeque e o filme é brilhante neste sentido, com diálogos primorosos, argumentações bem embasadas e um desfecho inesperado.

Não é um filme para quem tem crenças arraigadas ou profundo apego religioso. É um filme profundamente humano, onde na verdade quem está em questão não é deus, mas o homem e suas crenças, sua ideologia, sua visão de mundo diante dos fatos. Imperdível este filme!

Uma observação importante. A palavra deus como usada no contexto da cultura religiosa judaico-cristã é apenas um conceito, uma crença, devidamente estruturada através de um processo histórico que começa dentro de um culto tribal. A palavra portanto não pode expressar Aquilo que é por sua própria natureza indescritível. É como dissem os taoístas:

O Tao que pode ser pronunciado não é o verdadeiro Tao.

2 comentários:

walner disse...

Muito instigante. Durante o curso da história os judeus têm desepenhado os dois papéis: o de vítimas e o de verdugos. Neste exato momento vivem mais uma vez o de verdugos. Talvez porque deus esteja endurecendo corações de palestinos e iranianos, assim como fez com o do faraó no exôdo. Só pode ser isso. E os sionistas a rirem da desgraça plantada por eles há milênios.

Tudo de bom Fernando.

Unknown disse...

"Endurecendo corações". Existem frases burras que conseguem atravessar séculos,
e mesmo no século XXI ainda tem gente que usa como se fosse na época em que se acreditava que o coração fosse uma fábrica de emoções, o centro do corpo humano. Era o mesmo pensamento atrelado à terra como o centro do universo. Até quando teremos que aturar esse atraso provocado pela religião?